sexta-feira, 18 de Abril de 2014

Mau feitio matinal

Desta vez não é grave pois morreu um grande escritor mas tendo em conta o número de citações por status de Facebook que leio de Gabriel Garcia Marquez temo o dia em que morra o Paulo Coelho.

E desejo muito anos de vida à Margarida Rebelo Pinto.

Prometo, Gabriel!

«Muitos anos depois, diante de uma estante cheia de livros, a única herança deixada pelos seus pais, Ana haveria de recordar aquela tarde remota em que estes a convidaram a ler, pela primeira vez, "Cem Anos de Solidão".»

quinta-feira, 17 de Abril de 2014

Há quem tenha tido um passado com drogas. Já eu...

... confesso- humilde e envergonhada- que tive um passado com sementes.

Era só na minha Escola Secundária que se comia pipas (sementes de girassol) aos intervalos?



O Porto perdeu? O Mestre Alves ficou preso no trânsito da segunda circular e não conseguiu bloquear o Benfica




Proponho um duelo de vingança dos bruxos do Benfica e do Spote com o Mestre Alves, Harry Potter das Antas!

Vamos lá abrir a caixa de Pandora

O post que mais gargalhadas me proporcionou, por me sentir acompanhada na porca miséria de quem tem dois nomes próprios que não combinam nem à lei de bala, foi este. A Vanda Lisa ainda continua a ser tema de conversa nesta casa. 

Partilhei na página de facebook do Quadripolaridades que soube, há dias, que tenho um amigo cujo apelido é "Todo-Bom" e logo se juntaram vozes que conhecem um amigo "Pão Mole", um "Lagarto Morcela", outro "Enxuto", um "Fura Direitinho" (really?), um "Penetra Trinta" (ahahahah!) e o meu preferido, o senhor "Pina Valente". 

Por aqui em casa, quer eu quer mámen temos sobrenomes de terras, o que faz do nome da Ana um nome mega internacional. E divertido e caricato, sim. 

Contem-me agora vocês, que estou precisada de soltar umas gargalhadas. 

A estrelinha partilhada

Várias marcas se quiseram associar, oferecendo prendinhas às mulheres vítimas de cancro: o Boticário, a Nicepharma, a Accessorize, a Luaranas Moda, Box-Lx, o Hotel Penha Longa Resort, a Muipiti, a Associação Recriar, a NicePharma, os Lenços Christine, e a Head-Ji mas tenho que confessar que este presente (a par com as pulseira feitas pela Bárbara Lourenço), que pudemos partilhar com todos os participantes e voluntários da festa, como prova de uma tarde inesquecível partilhada, encheu-me o coração de luz. Como uma estrela que brilha. 


Obrigada, Fio a Pavio!

A sonhar, há dias, com o maravilhoso lanche de sábado passado

Chá verde Gorreana anti-oxidante do Espaço Açores (sim, há uma mercearia açoriana em Lisboa e é imperdível!)



A jornalista Clara de Sousa enviou um bolo de alfarroba de comer e chorar por mais

Estes bolinhos da Cakelicious eram di-vi-nais!

As mini-quiches de legumes da Flôr de Sal

Bolo de beterraba? Torci o nariz mas foi o meu preferido da tarde. (Marta preciso desta receita!)

Brigadeiros? Também marcharam!


Obrigada Isabel!

Sempre muito discretos mas sempre presentes na hora de ajudar: Pastéis de Belém serão sempre Pastéis de Belém! (obrigada tia Dulce, gosto mesmo de si, pá! Beijinhos Penny!)

Aqui do lado esquerdo está a tarte de aveia, côco e manga da Casinha das Manas
Sim, provei aveia e gostei!

A Delta nunca falha na hora de ajudar e eu tenho como sonho agradecer um dia pessoalmente ao Comendador Rui Nabeiro
De todos os doces e compotas que já provei na vida (e não foram poucos) nenhum bate esta compota de pêra, chocolate e baunilha da Party's & Cookies. Atentos: nenhum!


Já aqui falei do bolo mas não não me canso de olhar para as fotografias lindas, lindas: era de cenoura e é obra da Sweet Cakes

Infelizmente não há registo fotográfico dos pães de canela e de noz da Paula (de irem às lágrimas de tão bons!), das espetadinhas de tomate cherry e mozzarela com manjericão, do bolo húmido de chocolate, dos pães com chouriço e afins. Mas confiam em mim quando vos digo que estava tudo top, certo? (sim, provei tudo!)


The last but not the least um obrigada aos meus dois anjos da guarda que marcam sempre presença ao meu lado em eventos de cariz solidário: Ana e Patrícia, muito, muito obrigada!
Pólo Norte <3 you both!



(créditos das fotografias "Little People, Big Smiles")






quarta-feira, 16 de Abril de 2014

La foto


"Olá Pólo!

 Tentei tirar uma selfie (achei que o acontecimento merecia), mas com o sol nao se via bem o papel, por isso vai só assim.

 Guadalajara, México quadripolarizado :)

 Sofia"

Gracias, guapíssima!

A Ana está a deixar de ser uma bebé de dia para dia. (*suspiro*)

Objecto: comboio da Chicco cheio de musicas e actividades, com um espaço debaixo do assento para guardar tatarecos tipo porta-luvas.

 Filhas normais: sentam-se armadas em maquinistas.

 Ana: levanta o assento e enfia o pé no esconso, fazendo do comboio um skate.


 (eu mereço?)

Lêndeas? Piolhos? Quitoso!

Ultimamente atraio parasitas. Não são piolhos, lêndeas nem carrapatos atrás das orelhas mas antes "amigos" que se alapam a mim para conseguirem alguma coisa em troca (favores, contactos, borlas, dinheiro) sem terem a hombridade de me pedirem directamente a pretensa coisa, mas preferindo sempre usarem-me, descaradamente, fazendo de mim parva, fazendo-se de sonsos, tentando manipular-me. 
Eu, que até sou uma pessoa simpática, a que não custa nada facilitar a vida das pessoas e que, de forma directa e ética, faria favores, pontes, networking com todo o gosto, vejo-me assim obrigada a ser velhaca também. Gosto pouco de "chico-espertos".
Mas tenho paciência e cá espero a oportunidade certa para mostrar aos parasitas que não há nada que os lixe mais do que esperar pela oportunidade certa para os exterminar. Tenho tanta paciência que era capaz de passar um dia inteiro a catar cabeças com aqueles pentes fininhos do Quitoso. Aliás, parasitas por parasitas, era menos aborrecido. 
Sendo, assim aguardo. De Quitoso emocional em riste.

Programa literário top para as duas próximas semanas!

Amanhã, o programa é na FNAC do Chiado, pelas 19h00 a propósito do lançamento do livro da Vânia:


Já no dia 23, o pagode será na FNAC do Colombo, pelas 18h30, e eu irei estrafogar a minha Sónia:


Encontramo-nos por lá?




A Oeste tudo de novo

Lancei o pedido de sugestões de sítios para onde zarpar no fim-de-semana de Páscoa, para fugir aos espanhóis que, nesta altura, invadem a minha terra e para descansar em família após uma semana dos diabos.
Algumas condições: 
  • não ser longe de Lisboa (não mais a Norte que Leiria nem mais a sul que Setúbal) mas também não demasiado perto (para termos a ideia de passeio, de distância higiénica de casa, de escapadinha efectiva)
  • ser um sítio baby-friendly (sim, há sítios com políticas "no babies, thank you" e para esses uma "Páscoa feliz e desejos de insolvência!") 
  • os preços serem parents friendly, ou seja, um fim-de-semana BBB (bom, bonito e barato).

As sugestões não se fizeram demorar e mámen estava, que estava, fisgado para irmos para Óbidos. 
Já fomos felizes (muito felizes) em Óbidos, temos memórias maravilhosas de anos seguidos em S. Martinho do Porto (que tão depressa não se irão refrescar pois o nosso anfitrião- pai da minha amiga Catarina- deixou-nos em Fevereiro passado), temos histórias hilariantes passadas na Foz do Arelho, fotografias comprometedoras na praia dos Salgados e o nosso restaurante preferido no Mundo é no Guisado. Adoramos a zona Oeste e somos os verdadeiros amigos de Peniche, sonhamos comprar uma casa no Baleal um dia que nos saia o bilhete premiado no Euromilhões, ir às compras de loiça nova à loja da fábrica do Bordalo Pinheiro como quem vai ali ao Continente mas, essa é que é essa, tentamos fugir sempre à febre das feiras medievais cheias de confusão e aos festivais de chocolate abarrotados de gente, não voltando tanto quanto desejaríamos. Desta feita, o Oeste não nos escapa!
Numa busca pela Internet chegámos ao site da West Holidays e depressa nos rendemos aos preços (uma casa com dois quartos por 60€ por noite? Tipo, vamos dois casais e cada casal paga 30€ por noite? Really?), depois às fotografias e sugestões da página de facebook  do resort e, por fim, a toda a envolvente. Estamos mega fãs!!!
Contem-me agora: há tradições pascais para os lados de Óbidos, ou vou só almoçar ao Solar dos Amigos no sábado e jiboiar no resort todo o fim-de-semana, numa árdua trajectória entre piscina e espreguiçadeira, campo de golf e spa, armada em fina por 15 euros por noite por pessoa, afinal uma "maçada" esta minha vida, é o que é...



terça-feira, 15 de Abril de 2014

A ver o Masterchef Australia surgiu-me uma dúvida existencial?

Fui a única criança a quem, depois de garantirem que a Austrália ficava localizada, exactamente, "por baixo de Portugal", tentava escavar túneis na terra/areia/qualquer tipo de solo a ver se avistava cangurus?

Toda a gente sabe que eu sou pelas descrições bastante imagéticas

Cada vez que vejo um videoclip da Miley Cyrus, ex-Ana Montana, só consigo imaginar que a pobre meteu a língua numa cuvete de gelo e está ali aflitinha da sua vida. 

(Quem, em criança, nunca meteu a língua numa cuvete de gelo é um totó!)

Prometo-vos que é o último post com a palavra fashion durante os próximos 365 dias

Para além da Sónia que maquilhou as meninas dos "Lenços de Solidariedade" tínhamos, praticamente, um esquadrão moda a guiar-nos a tarde. 
Para além dos fashion advices da Mónica Lice (que ainda presenteou as meninas com um livro) tivemos a Fava image consulting connosco.



A Fava é uma empresa novinha em folha, a estrear, constituída por duas meninas com pinta (beijinhos Diva e Filipa!) que estiveram connosco e com a Mónica a ajudar cada participante a olhar para si, para o seu potencial e a saber tirar partido das suas características de forma a sentirem-se mais bonitas. 
E foi tão giro mandar as carecas todas à fava, pá!

https://www.facebook.com/favaimageconsulting



A mulher que nos salvou o último sábado

Era de manhã quando, antes de sair para a Escola de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa, a propósito dos "Lenços de Solidariedade" recebi uma mensagem da Vânia: as maquilhadoras tinham tido um imprevisto e, em cima do acontecimento, iriam faltar. 
Ora, uma das grandes bases deste encontro prendia-se com a necessidade das mulheres vítimas de cancro não descurarem da sua beleza, investirem na preservação da auto-estima, pelo que, o mini-workshop de maquilhagem era imprescindível. 
Os meus conhecimentos de maquilhadoras estão ao nível das novas do "Finalmente" e maquilhadoras que conheço transformam-se em Belles Dominiques desta vida no escurinho das noites. 
Mas há ciência (que há!) em sabermo-nos rodear de pessoas melhores que nós nas várias áreas. E, abençoada a hora em que cravei a minha amiga Mónica Lice para se juntar a nós neste dia. 
A Mónica é a única fashion-blogger que leio e uma das únicas duas cujo trabalho, de facto, acompanho (a outra é a Raquel Tweenie: beijinhos miúda!), pelo que, tê-la por perto num evento deste carisma foi um descanso e uma benção. 
A Mónica que conhece meio fashion mundo resolveu-nos o problema num ápice, chamando às trincheiras a  Sónia Godinho (conheçam o blog dela aqui) que se revelou um elemento chave para o sucesso da tarde. 
E foi ver, de pincéis em riste, a artista a fazer magia, dando cor e alegria aos rostos em convalescença, realçando o brilho nos olhos de pessoas que na véspera tinham feito sessões de quimioterapia e puxando o astral para cima de todas as participantes.
Porque afinal- reconheço- a maquilhagem é capaz de ter um efeito terapêutico.



Obrigada (muito obrigada!) querida Sónia

Se uma ursa incomoda muita gente, uma ursa com póletes do caraças incomoda muito mais

Percebi isso (ainda mais) ontem quando num ápice se juntou uma task force de leitoras que se voluntariaram para usar o seu tempo a tentarem recuperar-me o blog.

Obrigada (muito obrigada) à Teresa Leandro, à Leonor Noronha, à Marta Lourenço, à Filipa Moreira Aguiar, à Inês Pestana, à Sónia Mestre, à Inês Pessoa, à Flávia Marina Martins, à Joana Esteves, à Teresa Cardoso, à Carolina Valada, à Raquel Lourenço e à Diana. E a todos os que se ofereceram para me ajudar. Foram tantos!

Por aqui um promessa: enquanto houver estrada para andar, o Quadripolaridades vai continuar. 

O que todos devem fazer para proteger os vossos blogs?





A malta do "Não Arranca" foi uma ajuda preciosa para me ajudar a resolver o problema de ontem. Entre ajudarem-me a recuperar a conta do gmail, a acederem-me remotamente ao pc para me resolverem o problema, até me facultarem sites com backups de muitos posts do blog para que eu os pudesse ir recuperando, a ajuda (e a paciência) foi infinita. 

De agora em diante serão o departamento de informática do "Quadripolaridades" mas, entretanto, saibam - TODOS!- o que devem fazer para não vos acontecer o mesmo. 

Porque para mim "casa roubada, trancas à porta" mas para vocês ainda há forma de se precaverem. 

Tudo o que precisam de saber aqui


segunda-feira, 14 de Abril de 2014

Blog ruim, não quebra!

Obrigada ao João da Google que ressuscitou o pobrezinho! (E à Carina- pólete honorária- que tem um marido top!)

Obrigada ao Nélson e ao Rúben que estiveram imenso tempo a tentar ajudar-me.

Obrigada ao Roberto que se prontificou.

De lágrimas nojolhos vou agora lamber a minha cria (ou melhor, fazer backups e criar procedimentos de segurança e tudo).

Amanhã volto e entupo-vos de posts!


Aposto em... Ken!

"Além de surgir despido ao lado de Mafalda Teixeira na capa da ‘Nova Gente', Jorge Kapinha explicou aos leitores da revista os critérios de escolha do nome do primogénito do casal. "Não quero que tenha acentos nem cedilhas. Tem de ser um nome a começar com uma letra a meio do abecedário (para não ser nem o primeiro nem o último a ir ao quadro na escola), que seja um nome original, único, fácil para os miúdos dizerem, mas que não seja motivo de chacota", disse, acrescentando mais condicionantes, pois "tem de ser um nome fácil de dizer noutra língua - vai ser um rapaz muito internacional -, tem de ser curto - de preferência só com duas sílabas - e gostava que começasse por k". Kapinha admite que "vai ser complicadíssimo", mas a criança está destinada a dificuldades desde o parto: "Mandei vir um kit, que é uma câmara de filmar, que uso na cabeça, para poder ter as mãos livres, para receber o bebé nas minhas mãos, cortar o cordão umbilical, recolher as células estaminais... Tudo sem parar de filmar." O miúdo até se poderá chamar Krakatoa sem se preocupar em ser motivo de chacota. Por causa do nome, pelo menos."


domingo, 13 de Abril de 2014

Pólo Norte < 3 Sweet Cakes









Por um motivo triste a Raquel não pode fazer-nos o bolo como estava apalavrado desde o início dos preparativos (um beijinho grande, Raquel!) e a pouco tempo do acontecimento ficámos atrapalhadas. Muita gente há-de pensar que "bah, é só um bolo! Havia tanta coisa para o lanche que não ia fazer qualquer diferença..." 
Mentira! Não me venham com histórias... o bolo é o rei da mesa de qualquer lanche e dá um toque de  Midas a qualquer festa. Especialmente um bolo como este.
A Nelma trocou ideias comigo via chat de facebook e não podia ter captado melhor o que se pretendia e... fez magia. 
Quando chegou e eu botei os olhos no bolo, elegante e sóbrio, feminino e delicioso, fiquei logo rendida. 
É que há bolos e bolos. Este foi "O" bolo. 

Obrigada, Sweet Cakes

Lenços de solidariedade: a fotógrafa

Tenho conhecido imensos fotógrafos (e tenho tido a sorte de todos os que conheci serem bestiais) mas quando começámos a pensar neste evento soube, no segundo exacto, que aqui só encaixava a Olga
A Olga é discreta e tranquila, afável e low-profile, generosa e atenta a cada detalhe, feminina e com uma sensibilidade que se denota quando olhamos para o resultado do seu trabalho. 
Na festa da Ana, a Olga montou um photobooth maravilhoso e eu queria esta sensibilidade, esta tranquilidade e esta simplicidade para o evento com as mulheres vítimas de cancro. 




Estou aqui, desejosa que a Olha me envie as fotografias do evento para poder partilhar convosco as imagens de uma tarde que nos encheu (a todas) de alegria, amor pela vida, amor pelo próximo e comoção. 
Enquanto esperamos conheçam o trabalho da Olga aqui
Prometo que irão adorar!

(Obrigada à Olga, à filha que dispensou a mãe num sábado para o trabalho voluntário, ao marido que pacientemente a acompanhou e ao bebé na barriga que não reclamou de tantas horas a trabalhar: Pólo Norte <3 you all!)

Lenços solidários: a decoração

Ficou a cargo da Como Branco que organiza eventos com especial destaque para casamentos, tendo já sido distinguida por imensos sites internacionais e imprensa pelos pormenores de extremo bom gosto e elegância das suas festas.
Ontem, não foi excepção e fizeram magia na Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa:













Um grande beijinho à Carina, à Marta, à Joana e à Margarida! 
Obrigada pela elegância, bom gosto e generosidade!
Sois, oficialmente, quadripolares!

[Conheçam o trabalho da Como Branco aqui
Espreitem a razão pela qual preciso de renovar votos, como do pão para a boca, aqui.]


Lenços solidários: as primeiras imagens




Decoração: Como Branco
Pormenor do lanche: Cakelicious
Patrocinador oficial: O Boticário
Assessoria de imagem: Mónica Lice e Fava Image Consulting


sexta-feira, 11 de Abril de 2014

Pólo Norte: definição

Ursa rodeada de lenços por todos os lados. 

(Obrigada! Pólo Norte <3 you all..)

Em preparativos para o grande dia de amanhã...


Pormenores da decoração da Como Branco
Detalhes do lanche oferecidos pela Cakelicious

Um dia deixas de ter aversão a escrever sobre marcas e percebes que as marcas são (também) as pessoas que as fazem...

Hoje foi o dia.

"Queridas Todas que contribuíram da ideia à execução para os “ lenços de solidariedade”, 

 Estamos muito felizes de poder participar um bocadinho nessa tarde em beleza de dia 12! Os “lenços de solidariedade” têm muito a ver com o “jeito de ser” de O Boticário - encarar a vida ( mesmo nos momentos mais difíceis ) com otimismo e realçar o melhor de tudo e de todos sempre com o coração em pano de fundo. 

Gostávamos de estar mais presentes com as nossas pessoas e, como vos tinha dito com a nossa Célia 

que venceu a doença com uma força incrível e com a nossa Andreia 



 que a está a sentir agora com tanta força e com muita coragem mas, por causa de estarem mais longe e terem tratamentos e compromissos inadiáveis, nenhuma das duas pode estar presente. 

De qualquer forma, sentimo-nos perfeitamente representados por quem tem em comum connosco os valores que tornam o mundo mais belo e mais feliz! 

 Vamos, como combinado, estar presentes com : 


  • 1 Kit para ser usado pelas maquilhadoras voluntárias contendo os produtos recomendados pelos preciosos conselhos da Vânia e que têm como missão não uma maquilhagem artística mas uma maquilhagem que deixe todas com aquele ar de: não estou doente, estou só bonita! 
  •  Enviamos também para cada participante: 1 saco O Boticário com 1 creme de mãos muito eficaz e de fragrância mais soft (estávamos alinhados com a Vânia) para andar sempre com elas e suprir uma necessidade importante durante a quimio. 
  • Enviamos ainda um produto de maquilhagem que será ou para a sobrancelha que deixa de existir ou para o risco de olhos que ajuda a expressão e, na pálpebra dá aquele efeito: “quem disse que eu não tenho pestanas?” (obrigada Vânia mais uma vez pelo que me ensinou por ter sentido na pele o que é passar pelo cancro). 
Os presentinhos foram preparados com muito carinho pela nossa equipa:



 Desejamos que o evento seja tão bonito como útil e desejamos, mais do que tudo que, dentro de algum tempo, todas as participantes possam estar a dar um testemunho de superação deste inimigo que não vão deixar que seja mais forte do que elas. Para nós elas já são um testemunho bem vivo de coragem! 

 Beijinhos e um dia lindo!!!!!

Francisca Távora- Relações Públicas de "O Boticário" (que é, de hoje em diante, uma marca oficialmente quadripolar. <3)

Leitura obrigatória


Quem não comprar é um ovo podre com salmonelas e cheira a bedum.



(Se quiserem já podem comprar online na wook e na bertrand. Nas livrarias a partir de dia 17 de Abril.)

quinta-feira, 10 de Abril de 2014

Uma pessoa já não tem em quem cascar em pequeno, com quem trocar roupas e sapatos em adolescente nem com quem ter uma cumplicidade única na idade adulta

Devia era haver o dia do filho único e não o dia dos irmãos, pá!

Como fazer com que o dia dos irmãos tenha impacto na vida de uma filha única?

Soube hoje que a Margarida encontrou uma dadora de medula compatível: a sua irmã.

Estou com um sorriso de orelha a orelha.

Feliz dia dos irmãos, então. Mesmo feliz.

Tenho medo de ter criado um (a rúbrica) monstro



Obrigada (?) Izzie! ;)

Fashionistas, metam aqui as "bistinhas"!

Sempre que folheio um editorial de moda numa revista não deixo de pensar no inusitado daquelas poses e na artificialidade das mesmas. Produções irreais que marcam os cânones de beleza pelos quais as mulheres se devem reger.

A artista espanhola Yolanda Domínguez decidiu reproduzir uma produção de moda com mulheres reais. No mundo real.

O que se segue é ge-ni-al!

Eu fiz um quarto de maratona (e quase não sobrevivi)

Fim-de-semana de team building. Eu sou a mulher dos Recursos Humanos da empresa mas nem tive oportunidade de piar quando o big boss vociferou que queria um fim-de-semana de team building. Ainda tentei sugerir programas top como drums circle ou yoga do riso. Para dizer a verdade, tentei tudo o que não implicasse exercício físico mas chegámos ao consenso de uma prova de geocaching.
Eu já tinha feito geocaching. Tenho a app no icoiso e tudo.
Para quem não sabe o geocaching é um desporto de ar livre no qual se utiliza um receptor de navegação por satélite ( GPS) para encontrar uma "geocache" (ou simplesmente "cache") colocada em qualquer local do mundo. Uma cache típica é uma pequena caixa (ou tupperware), fechada e à prova de água, que contém um livro de registo e alguns objectos, como canetas, afia-lápis, moedas ou bonecos para troca.
Claro que pensei fazer a prova numa lógica de caminhada na zona circundante do fantástico Clube de Campo de forma a podermos usufruir das fabulosas vistas. Pedi para acrescentarmos à lógica de goecaching uma versão de peddy geocaching paper e assim colocávamos perguntas sobre a empresa, o trabalho de cada departamento e pedidos vários e eu estava mesmo contentinha da vida com tudo o que tinhamos preparado. 
No dia da partida para sul, enviaram-me o mapa de percurso: 14 km. Catorze. 14 000 metros. Arregalei os olhos mas como eu não estava inserida em nenhuma equipa e ia circular de jipe por todo o trilho, não dei muita importância ao assunto. Mas a Anabela (sim, sim, esta Anabela) adoeceu e faltou ao fim-de-semana e, com uma equipa com menos elementos, adivinhem a quem calhou a fava de substitui-la? Yep...
Ganhei coragem, calcei uns ténis que tinha levado just in case (novinhos, que comprei aquilo para fazer desporto antes de engravidar e a Ana já quase que tem a menstruação e eu ainda não os tinha estreado) e pensei que não podia ser assim tão difícil. Ia cheia de pica: ah, ar puro, paisagens paradisíacas, equipa motivada, primeira cache encontrada. Mas os meus colegas de equipa começaram a entusiasmar-se e a acelerar o passo. E de uma caminhada já estávamos em marcha. E o big boss mede um metro e noventa e calhou que estava na minha equipa, pelo que, para cada passo dele eu tinha que dar uns dez aos saltinhos, sob pena de parecer a Maria Barroso, sempre um quilómetro recuada do Mário Soares, quando andam "lado a lado". Comecei a ficar cansada. 
Mas tentava motivar-me enquanto passava pela fauna local 






Mas depois os bichinhos são muito fofinhos e tal mas comecei a ficar com dor de burro. Depois um dos elementos do meu grupo decidiu que bom, bom, era fazer batota. Eu, que tinha que dar o exemplo, alinhei na hora. Quem quer saber da ética quando está em arritmia? E lá fomos todos atrás do atalho desprezando o belo ditado que advoga que "quem se mete em atalhos, mete-se em trabalhos" e, de repente, estava com lama até aos joelhos. Literalmente. E a pensar tantos palavrões que não vos passa pela cabeça. 
De repente passou um rato- que infame! imagine-se? um rato no campo...- a uns 10 centímetros dos meus pés. Depois um espécime destes


e aquela hora eu, Pólo Norte, com dor de burro, com lama até ao pescoço e a avistar bichos nojentos já não estava contente. E, como não podia dizer palavrões porque estava em contexto de trabalho comecei a maldizer a natureza. E quando passámos pela mina da Juliana, que assim de repente me pareceu uma metrópole, devia estar com um semblante tão desolador que uma senhora me dirigiu um "atão mana, queres sentar-te aqui no pial a descansar, que vou ali buscar-te pão e queijo e logo os apanhas?". Eu não faço ideia do que seja um pial mas naquela altura eu sentava-me em qualquer lado. Mas não, que era trabalho, que tinha que continuar. Sentia-me gelada, a transpirar com calafrios e a ver luzinhas. Achei que ia desmaiar. Infelizmente não e continuava a andar, a andar. 
Aos 5,5 Km vomitei. Vomitei as duas barritas energéticas e o kit kat que já tinha metido no bucho e pensei que ia morrer. Ainda fiz mais meio quilómetro, até ao jipe que já me esperava.
Assim que sentei o rabo no carro pensei porque raios não me passou pela cabeça um rally-paper e estive o resto do tempo a penitenciar-me. 
Como não queria dar parte fraca estive a congeminar uma desculpa para apresentar no debriefing ao grupo todo. Num metáfora que justificasse a minha péssima forma física e a minha vergonhosa aptidão para o desporto. 
A verdade é que assim que eu desisti, a minha equipa ganhou um ritmo mais rápido e eu lá respirei fundo pensando que o lema "muito me ajuda quem não me atrapalha" era o mote perfeito para mostrar como a minha desistência, no fim de contas, foi o melhor para todos. Em psicologia chama-se a isto redução da dissonância cognitiva. 
A verdade é que cumpri 6 km no último fim-de-semana. Não senti adrenalina nenhuma, bem estar nenhum nem nada de bom. Só uma forte dor de pés, dor de coluna, dor de burro, dor de estômago e dor de alma. E um bocadinho de raiva pela Anabela, a quem eu tive que substituir. 
Para o ano teremos karts. Ou um mini-safari de jeep. Ou uma aula de culinária. Mas exercício jamais!
A única coisa boa da caminhada foi o resultado da prova. A minha equipa ganhou. E a mim me pode agradecer que "muito me ajuda quem não me atrapalha". 
No fundo, não sou uma desistente: sou uma sacrificada em prol do desempenho da minha equipa. Uma mártir!
Não precisam de agradecer.

(Eu queria mesmo era saber o que raio é um pial, pá!)