quinta-feira, 22 de agosto de 2013

A bombeira que morreu no incêndio do Caramulo



Foi notícia de abertura nos telejornais dos três canais: "uma bombeira da Corporação dos Bombeiros Voluntários de Alcabideche sucumbiu às chamas no incêndio do Caramulo e acabou por falecer".
A notícia assim: o artigo indefinido "uma" bombeira e um facto narrado com objectividade "acabou por falecer".
As pessoas assistiram, teceram algum comentário e passaram a ouvir a notícia seguinte, sobre os subsídios de doença.
 Tocou a sirene em Alcabideche e a bandeira está a meia haste. Por aqui há uma aldeia de luto.
"Uma bombeira" não era um artigo indefinido seguido de um substantivo: tinha rosto, tinha corpo, tinha voz e um jeito desembaraçado de andar. Tinha história de vida, família, amigos. Tinha nome.
 Morreu a Ana Rita, vinte e poucos anos, mãe da Madalena e apesar de ter sido notíicia de abertura dos telejornais para esta aldeia não era suposta ser uma notícia.
Morreu uma de nós.

18 comentários:

absolut_cc disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mamã Petra disse...

Sinto-me triste, este ano já morreram bombeiros demais.

Muxy-Muxy disse...

Foda-se, não me ocorre mais nada. Vinha no caminho a ouvir a noticia e a pensar nisso: quem é a bombeira, coitados dos pais, terá marido, será mãe. Bolas pá! Injustiça.

Bailarina disse...

Sabes Ursa, sou Bombeira e não imaginas a dor que sinto com isto. Estou desde segunda feira a combater incêndios, tenho dormido pouco mais de duas horas, não imaginas o que esta notícia me revoltou. Chorei, como já à mto não chorava, sinto o meu coração apertado, foi uma das minhas que partiu... E vocês, por mto que tentei, não sabem, nem sonham o que é isto de ser Bombeiro, o que sentimos, é inexplicavél! Somos uma família muito grande, onde gargalhamos mto, mas onde sofremos horrores. Imagina só, hoje queria fazer a depilação, para durante o fim de semana ir à praia e não consigo, porque tenho as pernas cheias de picos, das silvas... Pequenas coisas, que para nós por vezes, se tornam quase impossíveis! Percebes o não conseguirem entender?! Desculpa o desabafo...

beijo de mulata disse...

Canário que não há memória de um verão assim! Desde que me lembro! E as minhas amigas que trabalham no INEM dizem o mesmo...

Um beijinho meu à família da Ana Rita.

(um) beijo de mulata

O Sexo e a Idade disse...

...
Já escrevi... já apaguei...voltei a escrever e a apagar...
Não há nada que possa dizer...só que lamento, lamento mesmo muito...

M D Roque disse...

Sentidos pêsames à família da Ana Rita e a todas as famílias enlutadas, vítimas da besta devoradora de vida que ninguém consegue deter.

cantinho disse...

Pólo Norte, cada verão que se aproxima, o meu pensamento vai sempre para os incêndios.
Este ano, recuso-me a ver o início dos jornais devido, precisamente, aos incêndios.
Quando os meus olhos e os meus ouvidos querem ver e ouvir outras notícias ainda "apanham" imagens terríveis.
Lamento saber que faleceu a Ana Rita. Não há palavras que possam confortar uma família que perde um ser desta forma.
Não acredito que a maioria dos incêndios seja devido ao calor.
Há mãos assassinas.
Bailarina, admiro a sua força, a sua coragem.
A todos os bombeiros e bombeiras, os meus sentimentos.

sushi disse...

é horrível :(

Cantinho da Bê disse...

Os nossos bombeiros são verdadeiros heróis que tanto fazem com tão pouco apoio. Lamento muito a morte da Ana Rita e a de todos os bombeiros que morreram a salvar o nosso país das chamas :'(

numbi disse...

lamento muito! :(

Maria Carpideira disse...

Se há gente a quem tenho respeito é os bombeiros, dá-me um nó quando sei destas coisas, fico mesmo triste.

Rita CutxieCutxie disse...

Sempre tive um respeito enorme pelos Bombeiros e voluntários nestas àreas do "dar a vida pelos outros".

Acho que nunca soube ou saberei o esforço pessoal, fisico e emocional que fazem para salvarem vidas, valores, o que seja.
Há cerca de um mÊs, fiz uma espécie de Dia do Bombeiro. Desci fachadas,"salvei" bonecos, apaguei fogos. Tudo simulações, claro.
Em conversas com alguns colegas da Ana Rita, fiquei a perceber um pouco melhor as angústias que sentem, quando há escolhas a fazer, quando não conseguem, por motivos alheios cumprir o que pretendem. E a coragem versus receio que sentem, quando recebem o chamamento para algum serviço.

Em vários países são considerados heróis, em Portugal, o mérito para quem dá a vida pelos os outros ainda está muito aquém de chegar aos calcanhares desses paises e muitas vezes vistos pelos de fora como um: não fazem mais do que a obrigação.
Com tanta falta de reconhecimento, são para mim ainda seres maiores :)

À família, amigos e colegas da Ana Rita, que é quem mais sofre neste momento, um grande abraço, forte e cheio de esperança.

Anónimo disse...

Lamento. E acho que esse tipo de notícias não devia ser dada dessa forma.
Os pêsames para a familia da Ana Rita.


bjs

Pinguim Imperador disse...

Tinha ideia que Alcabideche era uma vila e não uma aldeia.

Inês disse...

Lamento todas as mortes e feridos neste inferno autêntico.
E tenho em mim um misto de sensações: tristeza e revolta.

Pólo Norte disse...

Pinguim Imperador,

Tinhas a ideia errada.

herminio espadinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...