quarta-feira, 2 de outubro de 2013

20 coisas que odeio nas viagens de comboio

1- Correr depois de comprar o bilhete na máquina, passar os torniquetes com um cabrão de um gajo que não quer pagar bilhete colado a mim, chegar à plataforma e o comboio trancar as portas e eu ficar em terra. E o cabrão do caloteiro ter entrado;

2- Na estação de origem, toda a gente se sentar do lado da janela e ninguém se agrupar; 

3- Quando me sento num lugar reservado aparece sempre uma grávida de 11 dias de gestação enjoada a enxotar-me:
- "Olhe esse lugar é meu!"
- "Engraçado, não vejo aqui o seu nome?!"
- "Não vê que eu estou grávida!"
- "E quem é que lhe disse que eu não estou?!"
- "Não se nota nada!"
- "Mas olhe estou e não saio!"; 

4- Os romenos a assassinarem músicas com os seus acórdeãos;

5- As pessoas a tentarem sair do comboio e os outros passageiros a quererem entrar na carruagem em simultâneo e ao mesmo tempo como se não houvesse amanhã; 

6- As pessoas que viajam de pé em horário de ponta tipo sardinha em lata e que espetam as mamas nos passageiros que vão sentados à laia da vingança; 

7- A mania idiota que viajar sentado de costas nos bancos provoca enjoos :
- "Olhe desculpe, a menina pode trocar de lugar comigo, saxavor? É que eu desde que tive a menopausa enjoo de costas!"; 

8- A voz metalizada da gravação a dizer "Próxima Estação: Cais do Sodré, estação terminal, há correspondência com a Carris e o transporte fluvial" ; 

9- Crianças a berrarem e pais que não as conseguem controlar:
- "Buáááá! 
- "Vá querido! Cala-te lá!"
- " Buaáááá!"
- "Vá não sejas mau! "
- "Buááááá!"
-" A mãe assim fica triste! Vá lá!"
- "Buááááááááááááááááááááááááááááááá!"; 

10- Idiotas que para passar o tempo decidem ouvir todos os toques de telemóveis disponíveis nos seus modelos; 

11- Jornais de distribuição gratuita espalhados por todo o lado a dar uma ideia de porquice colectiva nacional; 
                                                    
12- Tipos que adormecem quase em cima de nós com a boca aberta e a baba quase a cair; 

13- O ar carnifícino do Picas, de maquineta em riste com ar de Presidente da Junta da CP; 

14- Pessoas a falarem aos berros ao telemóvel para toda a gente os ouvir:
-"Touuuu?!"
-" Vais-me buscar então á estação?!"
-" Estou na estação da Bobadela!"
-" Estás o ouviiiir?!"
-" Bo-ba-deee-lllaaa!";  

15- O ar naif dos turistas a verem paisagens manhosas pelas janelas :
-"Oh what's this, lady?"
-" In Portuguese we use to call it "barracas"!"
-"Oh, it's so charming, that's wonderful!"; 

16- A música ambiente tão irritante; 

17- Os suicídas decidirem-se atirar à linha em hora de ponta (Já que se vão matar voluntariamente não empatem a vida dos que querem ir à sua vidinha!!!!); 

18- Namorados a comerem-se à força toda, todos eles línguas e mãos (viva o exibicionismo!); 

19- Tentarem impingir-me a revista "Cais", pensos rápidos, o "Borda d'àgua", cautelas e droga (sim, já me tentaram vender um "sabonete"!); 

20- Cravarem-me dinheiro: 
-"Porque só me falta 40 cêntimos para comprar o bilhete e estou mesmo enrascado, pá!"
- "Não tenho trocos!"
-" Perdi a carteira! Dá-me lá 1 euro!"
- "Não dou"
- " E arranjas-me um cigarrinho, pá?!"
- "Não!"
- "E um brochezinho?"
- "Queres que saque agora aqui de um dildo?".

14 comentários:

Helena disse...

e os imberbes que estão com os pés em cima do banco da frente e fazem um olhar de frete qdo pedimos para retirar os pés, aceitando como mal menor sentarmo-nos em cima da terra/areia/lama que deixam em cima do banco qdo levantam os pés

Emilie Lorena disse...

Felizmente que em quatro anos de uso diário de comboios não me aconteceu nem metade. Mas algumas delas confirmo, principalmente a 5ª e a 6ª. Nunca me hei-de esquecer do dia em que, de muletas, ia sendo morta pela luta entrada/saída.

Mariana Branco disse...

O melhor são as pretas que te vêm falar na estação da Praça de Espanha, como se te conhecessem de lado algum, e só te apetece fugir.

Esqueci-me da vez em que um velho bateu uma pu*** nos bancos de quatro e outro que me apalpou e eu lhe dei um estalo e bateram palmas

:)

Diana Marques disse...

Falta esta: não sendo dia de greve, chegar à estação e haver comboios suprimidos e outros com 40 minutos de atraso. É tão bom... (not!)

Telma T. disse...

Pessoas que, apesar do pouco espaço que há para esticar as pernas, e de ao fim de 5 ou 6 viagens perceberem que vamos também sair na mesma estação, insistirem em sentarem-se sempre à nossa frente, no mesmo lugar. Mesmo quando mudamos de lugar.

Meu olhar disse...

* Pessoas que vão viajar com malas e que as colocam em cima do banco do lado ou da frente, ou no chão à frente dos bancos a impedir 1 ou duas pessoas de usarem aqueles lugares... Dá vontade de perguntar se as malas pagaram bilhete.
* Picas que se recusam a vender o bilhete na carruagem (nos regionais) e passam logo a multa armados em "Presidente da Junta da CP".
* Pessoas que fazem um ar de frete quando nos queremos sentar nos lugares onde pousam a malinha de mão ou a mochila.

Filipa disse...

Fantástica a civilidade em relação a mulheres grávidas.

Pólo Norte disse...

Filipa,

Não sei o que é civilidade mas se se está a referir a civismo leia lá o que eu escrevi, sff!

(já leu?)

Pronto!

Morango Azul disse...

Folgo em saber que consegue controlar a sua filha.

dona da mota disse...

Do que eu tenho pena é de não me ter ocorrido escrever um livro com o que vi e OUVI nos 5 anos de duas viagens semanais de 4 horas cada, na linha da beira baixa. Porque no longo curso há lanchinhos, os casais de velhinhos que vão à capital visitar os filhos e levam flores e couves e uma bucha para a viagem, mais o queijinho enrolado num guardanapo que cortam com a navalha e comem com pão caseiro. E duas garrafinhas de plástico: uma com vinho para ele, outra com sumo de laranja para ela. O cheiro do queijo na carruagem toda. Uma vez uma senhora no final do lanche abriu a janela para sacudir as migalhas e aquilo é que foi confettis de migalhas por todo o lado. São tantas histórias que nunca vou esquecer.
Gostei muito do teu ponto 10, ahahahahah, tão verdade!

Pólo Norte disse...

Morango Azul,

Até ver consigo (não é o objectivo de todos os pais?). Se e quando deixar de o conseguir admito que isso contribua para que os outros não apreciem viajar de comboio na nossa presença.

Alina Sabau disse...

Faço uma pequena correcçao:"os ciganos romenos a assasinarem músicas com os seus acórdeãos".

Petra disse...

hahhahhahah tão verdade.

M D Roque disse...

Quando casei, comprei um magnífico T3 no FarWest que agora dá pelo nome de Cacém. Só tenho a acrescentar que comparados com os de antigamente, do tempo em que os comboios ainda eram a carvão (eheheh) , estes índios ainda conseguem ser mais selvagens !!!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...