quarta-feira, 19 de março de 2014

Para o não melhor pai do Mundo (repost)

Gostava de te ter ligado a desejar um "Bom dia do pai" mas nem sequer tenho o teu número.
Gostava de te dizer que "És o melhor Pai do Mundo" mas a minha mãe ensinou-me a não mentir.
Gostava de te dizer que me ensinaste tudo e que o que sou hoje o devo a ti. Em parte é verdade mas não da forma que acontece com todos os outros pais e as outras filhas.
Ensinaste-me que o amor não se deve adiar. Que a memória das crianças é mais poderosa do que os adultos tendem a acreditar. Que a saudade é um bicho que nos come por dentro e que não devemos pensar nele para ver se o conseguimos matar. Que na escola temos que nos defender sozinhos porque nem sempre "o meu pai é mais forte que o teu".
Ensinaste-me que às vezes é mais fácil desejarmos que uma pessoa morra do que desapareça sem explicação porque é mais fácil colocar flores numa campa do que não ter uma morada para mandar um postal feito na escola.
Ensinaste-me que temos pouca margem para errar e que as oportunidades não são ilimitadas. E que as mães que criam filhos sozinhas têm super poderes. E que para se ter alguma coisa temos que trabalhar afincadamente e dar sempre o nosso melhor. Que os sacrifícios têm que ser feitos mas que no fim tudo bate certo.
Ensinaste-me que os pais às vezes só conseguem ser homens. E que alguns, como tu, nem sequer foram talhados para a paternidade. Que as separações nem sempre se cingem ao casal e que os filhos sofrem pelas más escolhas que se tomam. Que a covardia não é o caminho e que mais tarde ou mais cedo os remorsos batem à porta. Que o perdão é uma arma mortal e que esse é o meu poder sobre ti.
Ensinaste-me que os avôs podem ser pais porque já têm experiência na função. E que fazem um excelente trabalho.  E que devemos insistir se amamos alguém e não desistir à primeira. Ensinaste-me que a paternidade é uma coisa muito séria e para sempre e não um contrato a prazo.
Ensinaste-me muitas coisas, é verdade.
Infelizmente foi a tua ausência que tratou de me ensinar tudo isto. 



Feliz dia do pai. Seja lá isso o que for.  

2 comentários:

Ana Cerqueira das Neves disse...

Gostei muito do teu texto, mesmo sendo a situação que é. Compreendo-a perfeitamente, porque estou a passar por isso, não como filha, mas como mãe de dois filhos cujo o pai simplesmente não quer saber. Mais grave que isso: vive próximo e em frente à escola do mais velho. Mesmo assim... nada.
Se quiseres ler o meu texto de hoje, aqui vai: também não é cheio de floreados, mas é o que é... tal como tu, escrevi a verdade. Uma realidade diferente no meu caso, uma realidade igual à tua no caso dos meus filhos...

http://falardoqueapetece.blogspot.pt/2014/03/dia-de-quem.html

Cristina disse...

comovente, sem dúvida. E triste. E nem imagino o que é passar por isso :( Força, amanhã é outro dia, e diz que vem aí a PrimaVera :)bjs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...