domingo, 4 de maio de 2014

Ser mãe é fácil

Durante aqueles primeiros meses depois da Ana ter nascido estava completamente anestesiada de amor. Só queria velar pela minha bebé, tratar dela, pegar-lhe ao colo, fotografá-la, contemplá-la a dormir, descobri-la acordada, decorar cada milímetro do seu rosto.
Quem não tem filhos perceberá se eu explicar da seguinte forma: fixem-se no dia em que se apaixonaram por alguém e nos dias que se seguiram. Sonhavam com a pessoa acordada, o coração batia arritmicamente de cada vez que estavam juntos, construiam guiões sobre como seria o primeiro beijo, a primeira vez, arrepiavam-se quando se sentavam mais perto e sentiam o calor do corpo do outro ali ao lado. É mais ou menos assim. Mas elevado a um expoente máximo. 
A paixão não nos dá tréguas porque aquele ser minúsculo é nosso, nosso sem medo de o perdermos porque nunca deixará de ser nosso mas, ao mesmo tempo, com um medo inqualificável de o perdemos e que algo de mal lhe aconteça. Aquele bebé é nosso para sempre, noite e dia, e o pensamento passa a ser dele num estado de alerta e de vigia permanente. Aqui não se sonha, não se projecta do maravilhoso que vai ser: aqui vive-se e assiste-se, dia-a-dia, numa sucessão de descobertas e momentos únicos em catadupa. Aqui as peles não se arrepiam, reconhecem-se. E os olhos não se fecham quando os beijamos, porque os beijamos mais do que com os lábios, com o corpo, o instinto, a alma, o amor que não se consegue medir. Aqui não se imagina como irá ser, aqui age-se para que tudo o que lhes desejamos possa vir a acontecer. 
Ser mãe da Ana é o papel mais fácil que eu já desempenhei. E é o mais fácil porque vem de dentro, é intrínseco, como se no meu adn viesse essa habilidade: a competência inata de ser mãe, mãe não de um bebé qualquer, mas da Ana. E ser mãe é fácil porque não intelectualizo muito, limito-me a ser. Não se trata de fazer, de  pensar, de calcular, de meter mãos à obra, de executar. Trata-se de ser. Só isso, existir. 
E depois dos primeiros meses a certeza de que não é um sonho, é a realidade, a vida e é para sempre. O respirar fundo, o tomar consciência de que serei mais feliz para sempre. Com mais responsabilidades (não obrigações) e receios (não medos) mas, desmesuradamente mais completa, mais feliz. 
Não sei onde estava esta parte de mim antes da minha filha nascer, escondida de certo- a velhaca!- ter-me-ia poupado tantas agruras se me tivesse batido à porta da vida mais cedo. Não sei onde estava o meu eu-mãe antes da Ana nascer mas quero acreditar que estava a amadurecer, a fermentar, a crescer até estar pronto para preencher a minha vida desta forma, tão natural e única, tão corriqueira e especial. 
Por isso, quando me perguntam se ser mãe é difícil, não tenho outra resposta que não esta: ser mãe é extraordinariamente fácil, difícil é ser tudo o resto.

3 comentários:

Cisca disse...

Tão bonito! :)

Muxy-Muxy disse...

Eu gosto de ti de volta igual igual igual.....e também pensei em ti, na mãe fantástica que és e na nossa, tão privada, primeira conversa.

Mãe Sabichona disse...

É tudo, tudo assim. Achava que era tão dificil e afinal é tão fácil. Amar é simples <3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...