quarta-feira, 23 de julho de 2014

Freud é capaz de ter um bocadinho de razão

["O pai adora futebol ( "Para se ser um bom chefe de família tem que se ser do Benfica, Dra!). O miúdo nem por isso, prefere dançar ("Mas isso eu não digo ao meu pai, que ele chama-me logo de maricas!"). O pai perguntou-lhe se queria jogar futebol ("Queres, não queres? Vais ser um grande ponta de lança, o pai também era!"). O menino não tem coragem de dizer que não ("Ele não foi obrigado, Dra, que eu bem lhe perguntei uma mão cheia de vezes, ele é que quis"). O menino finge que tem prazer em jogar, assiste aos jogos com um entusiasmo fingido para ter aqueles momentos de "homens", nas tardes no sofá entre pai e filho ("Ele nunca está em casa, está sempre a trabalhar, só estamos os dois quando ele vem para casa e vemos a bola juntos!"). Escuta o pai com uma falsa atenção a ensinar-lhe o que é um fora-de-jogo mas não decorou o que é ("Eu gosto é de dançar mas o meu pai diz que a dança é para as meninas"). A mãe não se mete ("Ah, isso da bola é lá entre eles, eu não interfiro..."). O pai preocupado que o menino, de cada vez que é para o levar ao treino, fica doente, dá-lhe vómitos, náuseas, doente mesmo ("Será dos nervos, Dra? Será que ele leva o futebol tão a sério que fica doente com a pressão? Olhe que ele faz-se um grande ponta de lança, Dra, podemos ter aqui o próximo Ronaldo."). O filho confidencia, à parte, que finge estar doente de cada vez que tem que fazer o sacrifício de ir aos treinos ("Se eu lhe disser que não quero ele zanga-se, assim fica aflito a pensar que eu estou doente e não teima para me levar.").
O pai só quer resolver os sonhos que a sua infância não lhe permitiu.
O filho? Só quer dançar." ]

5 comentários:

Catia Santos disse...

Dra...aconselhe-o a ver o filme do Billy Elliot! Bj

Catia Santos disse...

Dra...aconselhe-o a ver o filme do Billy Elliot ;-)

Rita disse...

Este caso é inventado? Se sim parabéns, realmente é preciso chamar a atenção para a projecção que tantas vezes se faz erroneamente nos filhos. Se não for deixe-me dizer-lhe que considero pouco ético estar a expôr aqui a vida dos seus pacientes. Ainda que sem nomes, a psicologia tem um código de ética bem delimitado. E não é a primeira vez que o faz aqui.

Pólo Norte disse...

Cátia,

(Não é o caso de alguém que eu conheça. É uma história clássica contada por uma ilustre professora minha que eu revejo mentalmente amiúde. ;) )

Pólo Norte disse...

Rita,

Vide resposta acima. ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...