terça-feira, 9 de setembro de 2014

A VISITAR | MINAS DE SÃO DOMINGOS



[Há algo de incrivelmente mágico do Alentejo. Aquela nudez da paisagem como se pouco houvesse a esconder, solo escancarado ao sol, um deboche de beleza simples e desmaquilhada, natural e óbvia, uma beleza sem fim. O desafio da auto-caravana foi delicioso. A Ana adorou "a casinha" e sentimo-nos numa espécie de toca, ambiente contentor, aconchegante e bom. 
Acordámos com o galo, literalmente. A Ana cantou as musicas galináceas todas que conhece e mal saiu da porta da "casinha" começou a dançar. 
Comemos melancia e melão comprado ao raiar do dia no mercado, pão como nenhum outro lugar do país consegue fazer, queijo das cabras a quem a Ana foi dar comida na véspera. E fomos ao restaurante "a Paragem" na rua da Paragem, no Largo da Paragem, em "A-dos-Corvos" comer o melhor cozido de grão de que há memória. E dormimos sestas. E apanhámos uvas do quintal do tio. 
Espreguiçámo-nos na "tapada" que agora se chama "praia fluvial" e tirámos fotografias que retratam calor. E recebemos beijos lambuzados da boca suja de gelado e abraços enquanto estávamos sentados no pial a assistir à felicidade da nossa filha.  
As crianças precisam de poucas coisas. A Ana, para ser feliz, precisa de chão. De muito chão para correr, saltar, dançar, apanhar flores do campo. Para se deitar à noite, aconchegada numa manta entre os pais, a contar "estrelas", o sítio onde vivem os "avójinhos".  O Alentejo é chão. Foi chão e palco de uns dias de infância que a Ana nunca irá esquecer-  mesmo que a memória de dois anos não a ajude- mas que se alaparam no crescer dos ossos e no engordar das carnes, no brilho dourado da pele, nas cores das faces e nas gargalhadas oferecidas à planície. 
Trouxemos o Alentejo no coração, como uma espécie de reserva de harmonia e tranquilidade, cujas memórias iremos resgatar ao longo do ano que aí vem. 
Neste Verão, numas férias de pés-descalços, a bordo de uma auto-caravana, fomos alentejo-felizes. ]


Comer o melhor cozido de grão na Mina

Quem? Restaurante "A paragem"
Onde? Corvos, Mértola- 7750-312 Mértola
Reservas: Pelo telefone 245 993 059
Saber mais? http://www.tripadvisor.com.br/Restaurant_Review-g1068892-d4189934-Reviews-A_Paragem-Mertola_Beja_District_Alentejo.html

6 comentários:

K disse...

:)
e eu aqui com vontade de fazer o mesmo e sim, também no alentejo onde a luz tem outra tonalidade e os cheiros nos preenchem.

macaca grava-por-cima disse...

sei bem o que é ser alentejo-feliz, só ainda não consegui sê-lo com os meus homens, a família que escolhi e construi...

Papoila disse...

Tão bom. Eu Alentejana que recordo tantos dias deitada nas planícies a ver o céu..as nuvens, as estrelas. Este ano voltei à minha costa onde as minhas filhas viveram dias sem rotinas, livres e espero cheias de boas memórias.

CM disse...

sentir o Alentejo é perceber a profundidade que uma alma pode alcançar.
Viver nesse Alentejo profundo é de facto uma experiência que nos fica gravada.
Eu amo o "meu" Alentejo.

http://maeclaudia.blogspot.ie/2014/08/passagem-pelo-alentejo.html


CM disse...

O "meu" Alentejo é lindo :)

http://maeclaudia.blogspot.ie/2014/08/passagem-pelo-alentejo.html

Melissinha disse...

Ahh, adotámos esse Alentejo! http://www.demeldemelao.blogspot.pt/2014/07/o-verao-e-aldeia-notas-soltas.html

Muito gaspacho comi na Paragem. Acho que um por dia, durante uma semana.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...