terça-feira, 9 de setembro de 2014

Granda Cocó!


"Uma leitora escreveu-me por estar ralada com não sei o quê que tinham dito sobre mim. Sorri. Respondi-lhe a mais pura das verdades. Que é esta: ao fim de seis anos de blogue, já ganhei um calo que me tornou imune a todo o tipo de barbaridade que digam sobre mim, sobre os meus, ou a respeito da minha vida. Já li de tudo. É-me completamente indiferente. Serei tudo o que disserem: feia, gorda, que tenho patas em vez de pés, que as minhas mãos são medonhas, que cheiro mal da boca, que não me lavo (por baixo ou por cima), que ganho a vida a fazer felatios, que o meu marido é um trambolho, que tem outra, que é gay, que nos casámos por dinheiro (seja o dinheiro dele ou meu), que ele sofre de impotência e os nossos três filhos (quase quatro) são fruto de obras de engenharia biológica. Ou que são raptados. Ou que foram comprados. E que mal comprados foram, credo, que são todos de meter medo ao susto, que têm um atraso mental, que não têm um atraso mental mas são burrinhos como portas de chapa ondulada. E, já agora, que é por isso que os espancamos, que os fechamos numa divisão sem janelas, e que abusamos deles também. Que vivemos numa barraca, que temos mau gosto, que somos ambos porcos e a nossa casa, além de feia, é imunda e tem ratos do tamanho de coelhos. E que há cenas de pancadaria e sexo selvagem, que mete prostitutas e animais (sim, só para isso é que fomos buscar um cão, pobre Mojito, sabe Deus o que ele passa com as nossas taras). Que o meu gajo subiu na carreira por baixar as calças, que só escrevi livros porque dormi com as editoras, que roubamos nas lojas e vandalizamos paredes. Que a minha mãe é bêbeda e o meu pai drogado, e é só por isso que tenho o blogue, para conseguir dinheiro para fazer face a todas as despesas com os vícios familiares. Sim, porque não trabalho. As reportagens que faço são umas tretas que os jornais e revistas só publicam por pena (e em troca de sexo, claro está), e os programas de rádio que tive foram conseguidos, evidentemente, na horizontal. Ah, e não estou grávida. Estou é obesa. E muito atarefada para conseguir um recém-nascido que chegue na hora certa. E que estes relatos de contracções prematuras não passam de tentativas de me justificar, caso o bebé comprado (ou gamado) chegue mais cedo. Bebé esse que será muito feio, como é óbvio, para não destoar do resto da família.


Sónia Morais Santos no seu "Cocó na Fralda".


Subscrevo inteiramente e ilustro-o numa imagem:



Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...