quarta-feira, 8 de abril de 2015

Mãegyver: "Nobody is changing and I don't feel the same"

É uma questão que, volta e não volta, me martela a pinha: que fazer do Mãegyver- o meu blog materno-coiso, criado aquando do nascimento da Ana?
Lembro-me de ter esta conversa com a Lénia aquando da sua criação e com um dilema existencial semelhante ao de agora: deveria incluir o meu novo-eu maternal no Quadripolaridades? Isso não o iria desvirtuar? E as pessoas que me liam há séculos e que continuavam sem ser mães deixariam de se identificar? Desiludi-las-ia? A Pólo Norte, as we know her, iria amansar?
Por outro lado a oxicotina toldava-me o pensamento: durante mais ou menos um ano eu não queria ser mais nada que não mãe. Todos os meus póros respiravam maternidade e amor maternal e (ainda) me sobrava alguma lucidez para perceber que não queria enjoar os leitores do Quadripolaridades com tanta materno-nonhice.
Na prática, achei que tinha dois públicos distintos para as coisas que eu escrevia: os de sempre, os genuínos, as póletes, os fixolas, os que gostavam e se reviam na Pólo Norte e os novos os que, de repente, me acolhiam no mundo da maternidade e que se identificavam com a mãe que acabara de nascer em mim. Nunca ponderei que houvesse leitores que liam ambos, acreditava (mesmo) que o Quadripolaridades era para gente cool e o Mãegyver para mães cool. E que os dois Mundos não se cruzavam, os dois públicos-alvo não se interessassem um pelo outro.
Não encher o Quadripolaridades de merdices maternais era uma prioridade. Este blog era eu, era a minha história de alguns anos, era o eu-genuíno, sem filtros, sem super-egos, sem pudores. Não o queria "estragar" com conversas de critérios de escolha de pediatras, reviews sobre as tretas das banheiras shantala nem com materno-mariquices. E, especialmente, não o queria anular e transformá-lo num baby-blog e, naquela altura, tinha tantos assuntos materno-nhonhós que o iria afogar em baby-posts.
Criar o Mãegyver foi uma forma de escoar todos os assuntos (e opiniões e certezas absolutas e dicas e sugestões e tudo e tudo) sobre maternidade que, de repente, tinham inundado a minha vida. E eram tantos que, per si, havia mais que matéria suficiente para se criar um blog autónomo.
De vez em quando, aqui, um ou outro post sobre a Ana (era inevitável). Mas durante algum tempo convivi bem como a co-existência de dois blogs, como quem dorme um dia no apartamento de solteira, sem horários nem regras, com comida congelada a aquecer no microondas e sem grandes preocupações de limpeza, para no seguinte, dar um pulinho à casa da família, onde há horários para sestas, sopa fresquinha cozinhada todos os dias, esterelizador de biberãos e silêncio a partir das nove da noite, para não acordar a menina.
Mas depois o tempo passa e fica cada vez mais curto e é difícil fazer o percurso entre o apartamento de solteira e a casa de família, limpar ambas as habitações, conseguir distribuir equitativamente o tempo que se pernoita num lado ou no outro, com a culpa de que poderíamos sempre ser mais-eu num lado ou não renegarmos as nossas responsabilidades familiares do outro.
Houve alturas em que o Quadripolaridades teve menos atenção mas, na maioria dos casos, foi o Mãegyver que foi deixado ficar para trás, como uma casa de família mais espaçosa mas mais rotineira, menos dinâmica e desafiante. Não que as questões maternais deixassem de me interessar mas, a pouco e pouco, a Ana e o Rui (mámen) começaram a vir cá para dentro, para o Quadripolaridades, a ocupar aqui mais espaço, a deixarem beatas no cinzeiro e brinquedos espalhados pelo chão e, embora este apartamento de solteira esteja mais abarrotado e seja menos espaçoso é aqui que eu me sinto mais em casa. E eles são também a minha casa.
Eu mudei.
E percebo que haja quem se identifica cada vez menos (percebo mesmo, juro). Antes da oxitocina, perdão, da maternidade revirava os olhos a todas as merdices maternais, Mas depois o comboio atropela-te e já não consegues mesmo ficar igual, dizer as mesmas merdas, pensar os mesmos disparates.
Ficas diferentes, dizes outras merdas e pensas outros disparates. Mas passas a ter outras responsabilidades sobre ti, sobre o Mundo e sobre as coisas que dizes e pensas, porque, a montante ou a juzante, isso pode interferir na vida daquele pequeno ser.
E isso de mudar não é, necessariamente, mau nem desvirtua quem és. Não deixas de ser tu, não deixarei de ser a Pólo Norte que se está a cagar para a opinião dos outros de quem não gosta ou por quem não tem respeito, não deixarei de dizer palavrões e de ser do contra. Isso faz parte de mim, da minha génese, da quadripolaridade que me assiste, sendo ou não mãe.
Mas mudei. E percebo quem se identifique cada vez menos (eu há 5 anos não me identificaria com quem sou hoje) mas é um caminho sem retorno. A mudança veio para ficar.
E trouxe estrias na barriga. E trouxe o maior presente de todos que é uma loira de olhos azuis.
Menos, mal, podia ser feiosa.


(Isto tudo para vos dizer que estou a ponderar migrar o Mãegyver para aqui para o Quadripolaridades. Estou farta de fazer piscinas e de ter o outro lado a cheirar a bafio. Usem a caixa de comentários para dizer de vossa justiça. Gostava de saber a vossa opinião.)

30 comentários:

A mãe da Maria disse...

Migra!

sarovsky disse...

Se nem no teu próprio blog podes ser tu própria, evoluir, crescer e mudar (para melhor ou para pior ou como te apetecer!)... para que serve o blog? O Quadripolaridades és tu, como queres mostrar-te (acredito que haja muito que não mostras e ainda bem para ti :) ) e se isso mudou nos últimos anos, o Quadripolaridades há-de mudar contigo. Eu cá leio ambos blogs, leio-te a ti, às tuas palavras, sem pensar em que "parte" de ti está a escrever... :)

Joana disse...

Bom dia.

Nunca comentei nenhum post, mas adoro tudo!! Tanto no Quadripolaridades como no Mãegyver (leitoras que lêem ambos existem).
Para mim é natural a migração do Mãegyver para o Quadripolaridades. Porquê tentar dividir um todo?

Beijinhos

República da Bicharada Clínica Veterinária disse...

"conheci-te"primeiro no Mãegyver. Achei giro. Talvez pq eu estivesse mais ou menos na mesma fase, com as mesmas dúvidas, os mesmos anseios, as mesmas esperanças que tu (o meu David tem 5 anos) e a mesma oxitocina a sair-me pelos poros.
Lia sempre que me aparecia no meu mural.
De repente comecei a ler o QUadripolaridades. Intercalado volta e meia com o Mãegyver...
Por algum motivo, sempre percebi que era a mesma pessoa. O que demorei mais a perceber era que não era o mesmo blog (duh!). Achava estranho uns dias chamar-se uma coisa e outros outra e a imagem tb ser diferente mas quem era eu para perceber a cabeça dos outros?
Um dia li um post que gosteu tanto que escrevi isso mesmo aqui e passei a seguir-te. Eu que nunca tinha seguido blog algum!
Tudo isto para te dizer que, no fundo, a tua "essência" está nos dois. Acho que ambos são porreiros.
Por isso, por mim, estás à vontade. Consigo compreender a vontade de os manter autónomos um do outro mas, lá está, és tu. Nos dois. E acho que a grande maioria, quer seja mãe ou não, cool ou não, se se revê num, revê-se no outro. Nem que seja pq "qdo um dia tiver um filho, vou ser assim" ou "antes de ter um filho tb era assim" ou mesmo "mesmo tendo um filho, sou, nalgumas situações, igualzinha a ela".
Sim, não concordo com todas as tuas opiniões. Não penso igual em todas as coisas. Não acho piada a tudo o que é postado. Se assim não fosse, seriamos gémeas siamesas separadas à nascença. Mas identifico-me com a maioria, gosto da maioria, quero ler todos os dias. E, em geral, alegra (ou comove) o meu dia
Seja qual for a decisão, boa continuação

moimeme disse...

Dá-lhe!
:)

Kelle disse...

Sinceramente, cara PN, é-me igual ao litro e porquê? Porque leio o Quadripolaridades desde os primórdios do blog, depois passei a ler também o MãeGyver quando a pequena Ana nasceu, e eu ainda nem era mãe mas divertia-me aquele teu alter-ego mãe-sarcástico-amorosa. E assim continuei a ler-te nos dois lugares até ser tia de uma Ana e mãe de uma Leonor, e depois? Depois cá continuo a ler-te nos dois sítios como sempre. Assim sendo, é igual ler-te aqui e ali ou ler-te só aqui. :D

Maria José disse...

Bota...sempre aqui, junto a ti. Assim não é preciso saltitar. Beijinhos.

:: V :: disse...

Traz o Mãegyver. Tu agora és mãe. Mas não deixas de ser a Pólo Norte.

disse...

Acho que devias...Mas só se quiseres! :)

[mas isto sou eu, que há quase seis anos tenho o chamado babyblog, por isso não ligues muito ;)]

Isa disse...

Funde os 2! Eu só uma fixolas e uma mãe fixe, 2 em 1! Ou uma mulher não é mesmo assim? Assume vários papéis num só corpinho!?

IM (misspipetaseviagens) disse...

Acho uma óptima ideia, acompanho o quadripolaridades desde antes da Ana e apesar de não ser mãe nem ir ao MãeGyver com a mesma frequência com que venho aqui, fui lá algumas vezes e gostei. Não me chatearia nada ter os outros posts por aqui também.
E acima de tudo acho que o blog tem que ser tudo o que tu queres e tens vontade que seja, só assim pode ser genuíno e cativar as pessoas.
Boa sorte :)

luciana pedrinho disse...

sigo te á algum tempo, talvez 2 anos e nao sabia da existencia do maegyver ( se calhar devia sergui te com mais atenção) a parte boa é que tenho um novo blog inteirinho para ler :) mas sim, muda tudo para aqui que ja sigo demasiados blogS.

Marta disse...

Eu sou da que vai às duas casas! :) apoiado!

osmimosdamae disse...

Pólo, eu leio os dois. Identifico-me imenso contigo, apesar de nos distanciarem alguns anos...Adoro a tua quadripolaridade e sou uma pólete frenética...tenho 3 filhas! sei o que isso nos muda...antes da maternidade enjoava-me ouvir falar de ranho, de cocós, de crianças em geral...depois...passei a falar disso. pouco, mas ainda assim falava e continuo a falar...agora doutros temas, pois tenho adolescentes...acredito que para uma grande parte das tuas leitoras...vai ser mais fácil acompanhar-te...sem ter que ir a duas casas...visitar só uma! força aí!

Da Cor das Cerejas disse...

Para mim sempre foram uma e a mesma coisa...e fazia piscinas sem qualquer problema. Mas de facto, tu és quadripolar e mãe ao mesmo tempo, não é? Então, migra, migra, fica tudo na mesma casa e mais arrumadinho.

Purpurina disse...

Manda tudo para aqui. Para mim, tanto melhor. Escuso de andar de um lado para o outro.

Andrea Fradinho disse...

Sempre visitei os dois, mais que justo. Migra Beijinhos

Mãe Maria disse...

unca li o Mãegyver mas acho que sim, que deves trazer tudo para aqui. Para mim esta era a tua casa. Mas quem manda és tu.

S.o.l. disse...

A soma dos dois blogs, faz de ti aquilo que és. Completa-te, subdividir-te é que não tem muita lógica... Força!

A Limonada da Vida disse...

Se tu és uma só, migra. Tens vários pólos (aliás, todas temos) e podes mostrá-los todos num só blogue, se isso te dá mais jeito. Eu sou mãe e madrasta, e não é por isso que faço da Limonada um blogue só sobre filhos. Falo de tudo aquilo que me apetecer. Seja como for, decidas o que decidires, estaremos cá na mesma.

Lénia Rufino disse...

Já não me lembro do que te disse quando falámos sobre isto mas acho que o importante é que sigas o teu coração. Eu acho - por experiência e pelo que vou vendo por aí - que a divisão eu-eu/eu-mãe (em ambiente blog, atenção) só funciona ao início. Depois o tempo começa a escassear e um dos dois é sacrificado. E mais tarde ou mais cedo dá-se a fusão e perdemos um bocado o pejo em misturar conceitos porque, no fundo, hoje somos a mistura destes eus todos. Tu já não és a mesma PN que eras antes da Ana. A Ana mudou-te. Faz sentido que o Quadri mude contigo. Migra lá essa porra toda, anda.

Catarina disse...

Cara Pólo. Eu também sou uma mulher muito fixe e uma mãe muito fixe :-) Sou duas coisas numa só. Aliás, sou muitas coisas numa só. Todos nós somos imensas coisas num só corpo e numa só cabeça. E todos temos ondas, fixações, desfixações, modas....
Sempre li os 2 blogs. Acredito que haja imensa gente que te lê nos dois "blogospots".
No limite, a tua escrita é sempre tão maravilhosa (seja ela irónica, meiga, raivosa, solidária, profissional, maternal, amante, tola ou gozona)que todos nós vamos gostar... sempre. Quer da Pólo, quer da Mâe, quer do que mais por aí possa vir... :-)
Grande beijinho
Catarina

Só Entre Nós disse...

Juntar os dois faz todo o sentido! São ambos muito bons e fazem parte da mesma pessoa.

A Bomboca Mais Gostosa disse...

Força! :) Acho que faz todo o sentido. Somos mutáveis, e com isso, os nossos blogs.

SN disse...

Pois eu não compreendo porque é que, tantas vezes, as bloggers decidem não falar da maternidade como se isso fosse uma coisa mal cheirosa. É apenas um preconceito infantil.
Sendo este o teu blog, essa auto censura não faz sentido. Ser mãe é muito fixe e muito cool. Sempre li os dois, estás à vontade.

Rosa Negra disse...

Traz as tralhas todas para aqui, assim não tenho de andar a bater a duas portas :)

Rita Balixa disse...

Eu cá sempre li os dois por isso venha de lá essa fusão que a malta não se importa. Poupa-te tempo e se calhar até vais acabar por escrever mais. Bora lá, a mãe que há em ti só te faz uma quadripolar ainda mais apurada :P

Rita disse...

"E trouxe o maior presente de todos que é uma loira de olhos azuis.
Menos, mal, podia ser feiosa. "
O que é que isto quer dizer, mesmo?

Pólo Norte disse...

Rita,

Quer dizer que a mudança que (para muitos dos leitores que não gostarão da incorporação do Mãegyver no Quadripolaridades e poderão deixar de se identificar com este blog) é inevitável. E que pode parecer uma mudança para pior para muitas dessas pessoas. E que trouxe coisas más para mim tb (entre as quais as estrias na barriga) e boas, a Ana. E nem tudo nesta mudança é mau: a Ana é saudável e incrivelmente linda, esperta e maravilhosa. Podia ter calhado não ser.

Rolls disse...

Já respondi via fb mas reforço:

"Mude, que quando a gente muda o mundo muda com a gente
a gente muda o mundo na mudança da mente
e quando a mente muda a gente anda pra frente.
e quando a gente manda ninguém manda na gente."

O Pensador
beijinho,
Ana Raquel

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...