terça-feira, 9 de junho de 2015

Nuno Melo, abutres dos pêsames e o cãibras no meu braço direito

Tenho um vício que me envergonha mas aqui dou o corpo às balas: não resisto a ir ver os facebooks das pessoas que acabaram de morrer.
Não que seja mórbida e espere fotografias agonizantes dos momentos pré-morte-  credo!- mas gosto de contemplar todo o folclore de pêsames em murais de facebook vindos do Manel que está a comer tremoços enquanto comenta o último status do recém-falecido e a Maria Joaquina que acabou de ver que o Nuno Melo morreu e tem que escrever alguma coisa, antes de largar o computador e levantar o rabo do sofá para ir dar uma mexida no esparguete que está ao lume. Não vale a pena aqui falar das ripianas do facebook, essa espécime já dissecada neste post.
Nuno Melo morreu e eu lamento a morte do Nuno Melo como lamento a morte de qualquer ser humano, à excepção do Saddam Hussein e do Bin Laden, vá. Não o conhecia pessoalmente nem era sua amiga ou conhecida. Também não era confessa seguidora da sua obra e como actor enervava-me um bocadinho o tom de voz lírico e nunca o consegui dissociar do Camilo de Oliveira, parceiro de uma famosa da série da SIC que era transmitida na minha adolescência.
Mas lamento a sucessão de pêsames, rips e "meus sentimentos" de pessoas que nunca o foram ver a uma sala de teatro, nunca foram espectadores das novelas onde entrou e que desconheciam que, para sobreviver neste país onde as artes são tratadas a pontapé, Nuno Melo teve que se dedicar, já com cancro diagnosticado, a ser vendedor imobiliário para sobreviver. Faz-me um bocadinho de espécie que se criem páginas de "RIP Nuno Melo" e as etiquetem com a palavra "comunidade" e causa-me náuseas que a administradora da página "Até Sempre" ande a mendigar pedidos de visitas à sua página em todos os comentários públicos de RIP NUno Melo, que isto não há direito, têm ali um livro de condolências público e andam a desperdiçar pêsames por dá cá aquele status. 
E entre deixar de comer tremoços e levantar o rabo do sofá para ir calar a Bimby que agoniza na cozinha fecho a janela do facebook do actor e sinto-me orgulhosa por acreditar que não dizer nada é a melhor forma de homenagear uma pessoa que morre e fico a pensar que ele, provavelmente, se divertiria, se alguém se enganasse e fosse prantar "um RIP Nuno Melo" no seu homónimo político.

Estou com cãibras no braço a tentar resistir a fazê-lo...



5 comentários:

Patrícia C. disse...

É por tudo isso o meu marido tem ordens para apagar facebook, blogs e afins se eu morrer. Acho tudo isso deprimente.

Primeiro Último disse...

Identifico-me com cada palavra deste post.

Xica Maria disse...

Podia ter sido eu a escrever.
Concordo com cada palavra!!!!!
(As tantas nem gostavam do homem!)

Blue_@ngel disse...

Ui... Não conhecia este canto mas para 1ª impressão, fiquei logo bem impressionado. Revejo-me em tantas palavras deste post... Chega a ser mórbida, a forma como as pessoas usam a morte de outras para ganhar fama nas redes sociais... No mínimo, é estranho.

KANOKA disse...


Concordo com o seu post...eu até antes de morrer, penso muitas vezes em sair deste facebook...só não o fiz ainda porque é uma boa maneira de comunicar com amigos que estão longe e não posso fazê-lo de outro modo......triste, esta sociedade do maria vai com as outras e RIPa qualquer pessoa que morra.......mas atenção, fiquei triste com a morte dele......tive muita pena que não tenha conseguido fazer o transplante....morreu-me o meu pai assim também.....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...