quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

O blog está morto mas ... "O PPC está no ar, é nele que vou-me ligar!"



Não sei o que fazer a este blog. 

A era dos blogs já era e estamos na era das redes sociais e os blogs estão defuntos, paz às suas almas, este também. Não sei o que vou fazer com este espaço mas sei que não vou começar 2019 com ele como está, esta coisa da passagem de ano bate-me sempre forte: talvez o imprima todo e o imploda, talvez o feche, me reforme da escrita e fique só com ele para mim, talvez o feche, fique com este só para mim e abra outro público, talvez o feche e continue a escrever só para algumas pessoas em privado, talvez o reinvente, não sei, sei que não gosto dele como está e que me incomoda que esteja por aqui fantasmagórico por falta de tempo, vontade, energia, motivação ou disciplina, tudo merdas internas que eu cá assumo as minhas culpas e não foram as redes sociais que mataram os blogs, fomos nós mesmos, aliás, quem matou este foi eu. Ou deixei-o em coma, vá. 

Há uma nostalgia de tudo o que se escreveu, o que se sentiu ao escrever, os episódios que nos motivaram a escrever, este blog tem 13 anos, eu era outra pessoa há 13 anos, a minha vida era toda diferente mas toda mesmo, tinha muitas coisas para contar e um entusiasmo e uma inocência genuínas ao fazê-lo, tinha tempo nos transportes públicos a caminho do trabalho, tinha intervalos enquanto fazia entrevistas de recrutamento e fazia dinâmicas de grupo ou dava formação, tinha almoços soalheiros na esplanada do Arquiparque com o pequenino pc ligado e a placa de net móvel, no tempo em que não escrevia nada através do telemóvel nem havia wifi pública, tinha energia ao fim do dia quando me sentava em silêncio no meu sofá vazio depois de ir dar um beijinho ao fim do dia aos meus avós e comer uma porcaria qualquer a despachar porque era eu sozinha e depois só nós os dois novamente. A minha vida era muito entusiasmante, sempre cheia de projectos e planos, de festas e delírios, de fofocas com as amigas e viagens de aventura em grupo e bares à sexta feira para beber uns copos e sempre um excitex descomunal. 

A minha vida está nos antípodas: vou de carro para o trabalho e a 2ª circular suga-me as energias, não tenho intervalos no trabalho entre candidaturas a projectos de financiamento, atendimentos a pessoas por telefone ou presencialmente (ontem atendemos um utente recém-chegado da India e percebi que estou super parecida com o Kofi Annan ao nível da oralidade do Inglês), almoço com o casaco vestido no lote anexo à associação que tem tanta humidade que me sinto no Pólo Norte e é tudo a despachar antes que os meus pés virem estalagmites), os meus avós morreram os dois e já não faço desvio pela casa deles para deixar beijos, tenho que pensar no jantar todos os dias e sopa e tudo e ainda consultar a ementa da escola da miúda para ver se ela come carne ou peixe ao almoço para poder equilibrar na ementa do jantar, energia não tenho nenhuma, eu e ele adormecemos amiúde no sofá depois das tarefas todas da noite enquanto tentamos ver os primeiros cinco minutos de uma série qualquer e arrastamo-nos para a cama. Não viajo para fora há mais dum ano, desde a Suécia, e estava a ficar doente, tão doente, que quase não me lembro de nada, só de ser noite escura às duas da tarde, não tenho grandes projectos senão aguentar-me à bomboca nisto da vida, as festas já não me dizem nada e não trocava um jantar de queijo, vinho e enchidos à volta da mesa por aquela coisa do Revenge of the 90's nem que me pagassem presenças como os da Casa dos Segredos.

Talvez (talvez, o caracinhas:  há pois com toda a certeza!) haja vidas mais entusiasmantes , as nossas não são, mas são as que escolhemos e eu nunca me vi como uma blogger, não trocava esta vida pelo frisson de viver do blog, seria mais penoso para mim ter que vender conteúdos em troca de publicidade das marcas, ir a festas e a eventos e a lançamentos de coisas que não me dizem nada e socializar com pessoas que não me dizem nada para poder garantir a minha subsistência. E- bem sei!- este blog tinha muito potencial mas o meu único propósito com ele era comunicar, eu gosto é de comunicar, era tipo um speakers' corner e fizemos aqui uma comunidade quadripolar mesmo especial e única e gira e divertida e depois muito solidária e, na verdade, eu não poderia pedir mais nada deste blog senão tudo aquilo que ele me trouxe e pelo qual estou imensamente grata. 

Nos últimos dias umas dez pessoas abordaram-me de forma simpática porque me reconheceram daqui. Eu fico sempre surpreendida e desprevenida, sem saber o que dizer e sem conseguir parecer interessante (não sou, sou normalzinha e simplória!) mas foi giro que a Maria João se tenha metido comigo no Mercadinho de Natal, a outra senhora me ter cobrado o que estava eu a fazer ali à porta da minha própria casa quando percebeu que eu sou vizinha de uma familiar sua, da senhora do Museu de Odrinhas me ter repreendido por me ter sentado a fazer actividades na tenda do Reino do Natal de Sintrae ter exigido que pusesse o resultado da minha pintura aqui no blog (é sobejamente conhecido o meu jeito para trabalhos manuais!) na IKEA um casal ter vindo ter connosco à mesa a cumprimentar-nos e a dizer que adoram o que eu escrevo e que já não conseguem passar na casa de banho dali sem se finarem a rir à custa do meu post e a mãe e a filha terem-nos agradecido enquanto estávamos a sair do McDonalds (sim, eu sei que comida orgânica é que é, eu também gosto, mas há dias meus que só se consolam com bacon, tá?) e eu fico cheia de comoção e pronto, é isto tudo. 

Não sei o que vou fazer a este blog até ao fim do mês (não sei mesmo, não é género!), nem como gerir isto mais o Facebook mais o instagram, eu disperso muito, é muito estímulo para mim, gosto mais do Instagram que de tudo o resto mas os caracteres contados tiram-me a tesão e, entretanto, a Ana Pragana já me mandou mensagem a dizer que por causa das tosses já tinha ido a correr imprimir textos daqui do blog para guardar e eu acho que, só por causa disso, fiz tudo certo. 

Sei que este ano, aconteça o que acontecer, o PPC voltou lá no instagram

E tudo mas tudo bate certo. 

Feliz Natal para todos.

10 comentários:

CCF disse...

Sou dos blogues, hei-se ser sempre. Há uns quantos assim, aguentaremos a tormenta. Primeiro foi o FB, agora está a passar, depois o Instagram e qualquer dia outra coisa qualquer.Nós ficaremos.
~CC~

Simplesmente Eu disse...

Faz o que te fizer bem...

Ana Pragana disse...

Vamos fazer isto à moda antiga, ok?
"Conheci-te" ainda havia dois Pólos. Li religiosamente todas as tuas publicações. Chorei umas quantas vezes, ri tantas ou mais, fui para Lisboa no meu primeiro dia de férias de 2013 para uma festa de aniversário que me emocionou (e guardo a t-shirt para um dia contar ao Manuel o privilégio que foi ser "tia Ana da Ana" por um dia), fui ao todos por um, fui dobrar roupas de bebé para uma garagem na Maia quando o meu coração estava partido e tu, sem me conheceres de cheiro, me davas alento (talvez nem nunca tenhas percebido o quanto significou cada palavra que me escreveste).
O Manuel nasceu e eu ansiei contar-te!
Seja como for, a era dos blogs já era, mas onde escreveres... partilha. És inspiradora, seja como a Liliana da ASBIHP, seja como a nora da tua sogra, seja como a mãe da Ana... e é um verdadeiro privilégio ter acompanhado todos estes anos aqui.
Um abraço apertado

alc disse...

Todos os dias passo por cá, para ver se há novidades e matar saudades. Neste mundo louco dos blogs e é muito bom ver que há quem seja genuíno, normal, com uma vida preenchida sem necessidade de se armar aos cágados e que celebra a vidinha como ela é. Com o bom, o mau, o humor, a tristeza e tudo o que faz de nós pessoas.
Terei muita pena se fechar este cantinho, vai fazer falta, muita falta.

Mamã Coruja disse...

Gosto muito e te ler. Espero que continues!

Feliz Natal

Beijinhos

luisa l disse...

Please, please please nao deixe isto finar se. Por si, pelas Anas deste mundo, pelas mães delas que também sao as maiores, e por mim, que ja não suporto tanta publicidade em cada post. Este é que e um blog!!!

Magui disse...

Please don't go, don't go away

Unknown disse...

Olá Pólo Norte
Não sei o que decidiste fazer ou não com o blog mas eu, enquanto leitora de blogs que está a fugir a sete pés de todas as outras redes sociais, vou ter saudades se decidires deixá-lo.
Comento pouco (contar-se-ão pelos dedos de uma mão os comentários) porque acho sempre que comentar apenas para dizer "chorei a rir" ou "levei este post para ler em voz alta ao meu marido" é apenas tolo.
E sim, as redes sociais estão na berra e já não somos as mesmas de há 13 anos mas a verdade é que tudo se perde muito rápido nos Fb e instangrams e no blog não.
Bom ano, para ti e para a tua família :)
Pat

Anathelion disse...

Visito mais ou menos regularmente e faltar-me-a se decidir encerra-lo. A vida acontece e nos rumamos os caminhos que escolhemos. Nao o veja como moribundo ou comatoso. Olhe para ele como se olha para um velho amigo, que se visita com agrado quando podemos ou nos apetece, que nos acolhe sempre bem e nao precisa de explicacoes. E que nao contabiliza a nossa ausencia...

Escrever Fotografar Sonhar disse...

Entendo esse sentimento todo, de uma ponta á outra... Tudo muda. Continua a comunicar seja de que forma for, que eu gosto de ler...

Agora que é uma perda se acabar... isso é. bjs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...