sábado, 15 de novembro de 2014

Querida Ana, algumas dicas da tua mãe para lidar com os gatos (e, daqui a uns anos, com os homens)

1- Ignora-os. Se andares a persegui-los vão fugir sempre de ti. Finge que não lhes estás a passar cartão nenhum e, devagarinho, começarão a sentir curiosidade acerca de ti, a chegar-se mais perto e a quererem festinhas.
2- Não os sufoques. Não os estrafegues, não os apertes em demasia, não lhes tires o ar à força de tanto os quereres. Sê meiga, acarinha-os quando estiverem pousados mas aprecia a ligeireza com que andam à solta. Se assim fizeres, voltarão sempre para fazer ninho no teu colo.
3- Dá-lhes comida, bebida, afecto e calor e tens-nos felizes da vida. Não precisam de muito mais para querer ficar.
4- Na maior parte das vezes preocupas-te apenas com os parasitas externos. Mas lembra-te que expurgar os internos é mil vezes mais importante.
5- Podes comprar algo para eles arranharem mas irão sempre dar cabo dos teus sítios preferidos com as unhas É a maneira de mostrarem que gostam de ti.
6- Adoram coisas que mexem e fazem barulho. Diverte-te com o chinfrim!
7- Se eles se portarem mal dá-lhes um grito. Bater não faz nada. Eles detestam barulho. Cedem sempre com resmunguice. 
8- Estes seres não têm dono. Têm mates.
9- Nunca tenhas a prepotência de achar que os escolhestes. Eles é que te escolhem, sempre, a ti.
10- Aparentemente não são a melhor companhia, a mais leal, a de amor mais condicional. São mais independentes, desligados, cheios de personalidade e, até, um bocadinho snobs. E é, exactamente por isso, que tu nunca lhes vais conseguir resistir.

4 comentários:

Carol disse...

Nunca tinha pensado nisso, mas realmente é muito similar. :)

Bigodes de Nata disse...

Vou ter que discordar com a última frase. :)
São uma excelente companhia. Aquecem-te as pernas (ou o colo) no inverno. Vão esperar-te sempre à porta e fazem ronron de felicidade quando chegas finalmente a casa. E podes vir chateada da rua, mas se dedicares 2 segundos a fazer-lhes umas festas ficas logo fresca. Chama-se terapia do pêlo.
(não sei é se esta minha pequena observação tem muitas semelhanças com a parte dos homens, mas com sorte até tem)
Beijinhos da Bigodes de Nata e restante família Bigodes e muitas felicidades com a Menina Emília ;)

sushi disse...

subscrevo totalmente :) tirando a parte dos berros, já que a minha é surda....vai lá com esbracejamento extremo :p

coisasquetaiseafins.blogspot.pt

stantans disse...

também não concordo com a última frase - depende dos gatos. o meu mais novo é super dependente, vai atrás de mim para todo o lado e não me posso sentar 1 minuto sem que ele venha para o meu colo :) mt mimado mesmo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...