segunda-feira, 12 de outubro de 2015

" O coração de mãe fica branco (sem pinga de sangue) quando um filho dá um grande trambolhão."


A frase é da Isabel Minhós no meu livro favorito do planeta Tangerina. E não poderia traduzir melhor o que senti na sexta-feira. 
A Ana tinha chegado à feira, bem disposta e faladora, cheia de energia e boa disposição. Era um princípio de noite feliz, a três, a ajudar no projecto bebé d'A SEITA. Jantámos cá fora no recinto, com luzinhas e ambiente de arraial, comemos arroz doce no final, a Ana feliz e saltitona, as suas gargalhadas a embalar-me. 
Fui para a banca ajudar o Sérgio. A Ana foi brincar com o pai, nuns bancos corridos dentro do pavilhão. Ao longe ouvia-se ruído de fundo, copos cheios de vinho de Bucelas a tilintar, gente a rir, frases no ar, vozes felizes de sexta-feira à noite. De repente um barulho. Estiquei a cabeça, apurei o ouvido, não ouvi nenhum choro. O meu marido a correr na minha direcção, a cabeça da Ana pousada no seu peito, o corpo sem sentidos. Eu fora de mim, controlada e robótica, a minha voz como se fosse de outra pessoa: "Ana! Ana, filha! Ana, acorda, filha! Ana". A Ana abriu os olhos e estendeu-me os braços, os seus olhos mortiços, nunca tive tanto medo na minha vida, a Ana a vomitar uma vez, duas. A Ana a chorar baixinho, sem berros, sem pavor, baixinho. Eu a passar por cima do chão sujo dos detritos alimentares, a correr, a ir ter com os bombeiros, eu modo autómato, eu sem ver ninguém, a cabeça da Ana no meu peito, a Ana mais leve e mais pesada que nunca. ~
A minha voz, calma e controlada, a falar por mim, eu sem qualquer controlo no controlo que todos viam. O INEM, a Ana a não querer mobilizar-se na maca, eu a dar-lhe colo, outro vómito, choro baixinho, eu a mantê-la alerta e consciente, "Ana de que cor é esta gavetinha da ambulância?", "Ana, vamos cantar uma canção?", "Ana, quando é que fazes anos?, "Vamos contar até 20, Ana, minha Ana?". O meu coração às pintinhas, "Ana, não morras!", "Ana, fica bem, Ana", "Ana, meu amor, és a minha vida". 

"Quando um filho fica doente, o coração de mãe fica às pintinhas (e muito mais pequenino…)

Pulseira laranja no hospital desconhecido para nós, eu sozinha com a Ana, o pai em pranto para trás, em missão, não podíamos deixar dois cadeirantes pouco autónomos sozinhos na feira, o meu telefone a avisar a falta de bateria, eu com vontade de chorar, a minha carcaça sempre calma, imperturbável, não podia mostrar à Ana que estava com medo, paralisada de medo, em pânico, no maior terror que já sentira na vida. "Ana vamos ver uma máquina divertida?" "Dói-me a cabeça, mãezinha!" Aquele "mãezinha" a esmagar-me o peito, a minha filha ao meu colo, sempre ao meu colo, a chorar baixinho, nunca gritou, a médica a sugerir que lhe dessemos um xarope para a acalmar enquanto fazia a TAC, eu em pânico, o estigma da TAC, eu por fora a dizer que não, que ela iria ser colaborante, que não era preciso. A Ana, pequenina, três anos de gente, a pousar a cabeça numa almofada demasiado grande para ela, a entrar na máquina da TAC, quietinha a olhar para cima, "amanhã não há escola, Ana, vamos ficar as duas em casa, só as duas, no quentinho, a brincar a tarde toda". 
A Ana a sair, o meu colo como uma fechadura para a chave que é a Ana, a médica a mandar dar-lhe soro de 5 em 5 minutos, a Ana a não querer, ele a entrar a correr, meu amor, a abraçar-me, a beijar-me a fronte, ele sabia que eu precisava de colo, meu querido. A Ana outra vez, a ficar com sono, nós a deixarmos adormecer aos bocadinhos, a acordá-la pontualmente, a Ana cansada, exausta, do susto, do medo, dos berros que nunca chegou a largar. A minha grande amiga Rosa a mostrar porque o destino a escolheu para ser madrinha da Ana, a fazer-me companhia, a olhar de soslaio para o meu colo, a entreter-me o medo com conversa. A médica a mandar-nos ficar lá algumas horas sob observação. E ali ficámos os três com a Ana, devagarinho e sem pressas, com todo o tempo do Mundo para, finalmente, a médica nos confirmar que o traumatismo crânio encefálico fora ligeiro, a recomendar-nos vigilância apertada nas próximas 24 horas, a dar-nos todas as instruções, a Ana a poder dormir sem interrupções, no meu colo, perto do meu coração às pintinhas pretas, muitas, todas juntas, a fazer um buraco negro de medo, de vazio. 
Nós a regressar a casa, a Ana a dormir no meio de nós. Nós a vê-la dormir, numa insónia partilhada, num silêncio entre o alívio e a preocupação. Amanhece. A Ana combalida, a Ana a não lhe apetecer comer, a Ana a apetecer-lhe brincar, finalmente, O fim-de-semana a passar, a Ana a voltar ao normal. O meu corpo a sintonizar outra vez com a minha alma, a minha voz a ganhar vida, o meu coração a despintar. A Ana a ficar boa. A Ana a rir, as gargalhadas novamente a embalarem-me, a Ana a devolver a vida aos meus dias, o meu coração ao meu corpo.  

 "Mas o coração de mãe volta a crescer  quando um filho se sente finalmente melhor!”

Ninguém o explica melhor, que a Isabel Minhós, no seu ""Coração de mãe". O meu está novamente a bater ao compasso doas gargalhadas da minha filha Ana, meu amor maior. 

11 comentários:

POC disse...

Ainda bem que não passou de um susto.
Continuação de melhoras.

Vidas da Nossa Vida disse...

Faz-me reviver o susto, que vivi com o Alexandre uns meses antes dele fazer 2 anos, a TAC, o soro, o pânico, o medo... Felizmente a Ana já está bem!!! Beijos

Marilia Esteves disse...

O meu coração parou só de lei o texto... As melhoras rápidas do seu coração

Joana Sousa disse...

Que susto...não sou mãe nem planeio sê-lo tão cedo, e ainda assim vieram-me as lágrimas aos olhos. Ainda bem que está tudo bem. A Ana é uma campeã, e os pais dela também :)

Timtim Tim disse...

Depois de três idas à urgência, em 72 horas, com a miúda aos gritos, no hospital de VFX, onde passei horas e horas, consigo entender bem, muito bem o que aconteceu ao teu coração.
As melhoras e o melhor do mundo para vós. Um beijo grande à Ana.

Aranhiça disse...

Passei pelo mesmo com a mais nova antes do diagnóstico de uma pneumonia... a dor é tão grande que fica a "crosta" da ferida para sempre cravada no coração; ali, a marcar posição, a ceder a cada novo ai doí-me a barriga, a cada febre que teima em não baixar... deixa de doer, a sombra clareia, mas a memória da dor, do nosso sufoco, da nossa impotência, essa nunca mais esquece.
Vivemos momentos de completa loucura, sobrevivemos de forma inimaginável a uma dor lancinante que nos canaliza todos os sentidos e sentimentos para o nosso ser maior, os nossos filhos.
(welcome back to life Ursa)

Dora disse...

Ainda bem que foi só um susto, um grande susto, e com estes sustos perdemos anos de vida...beijinhos e continuação de rápida recuperação!!!

Escrever Fotografar Sonhar disse...

O meu de mãe, ficou ás pintas só de imaginar. Sei como é um susto desses, e saber que não os podemos proteger de tudo é algo que se gere diariamente. Ainda bem que foi só o susto.

Petra disse...

Eu mãe há 13 dias, só de ler este texto fico com lágrimas nos olhos!! só mesmo depois de sermos mães é que percebemos tanta coisa!!!

Magui disse...

Infelizmente sei bem o que isso é, quando a minha filha mais nova desmaiou na minha frente, depois de se queixar com dor de barriga. Só me lembro de ter gelado e ter sentido o chão a fugir-me, enquanto chamava por ela e pelo meu marido. Naquele instante senti a vulnerabilidade da vida, e ainda hoje não sei como o meu coração aguentou.
Beijinho e as melhoras da Ana.

Crónicas de Uma Grávida Acamada disse...

Vivemos sempre com o coração fora do peito.
Que bom que tudo está bem.
Bjs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...