terça-feira, 29 de julho de 2014

O Mundo divide-se entre...

... qquem prefere comer canja com arroz e quem prefere com massa de pevides.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Em tempos de ócio, questionam-se pacotes de açúcar...

O Mundo divide-se entre quem rasga pelo meio os pacotes de açúcar em tubo porque reza que o seu inventor se suicidou porque ninguém o fazia e os outros.

sábado, 26 de julho de 2014

100 Quadripolares que vale a pena conhecer # Bé (20)



"Desde os 3 anos que cresci entre máquinas de costura, tecidos, linhas e toda a parafernália de artes manuais.
A minha tia que me educou era costureira e a minha avó, sem saber ler nem escrever, para além da costura tinha um jeito maravilhoso para as rendas, bordados e tricô.
Mas para tristeza de ambas eu abominava tudo o que se relacionasse com isto, só fazendo alguma coisa obrigada e com muitos protestos.
Para a história ficará o único cachecol que tentei fazer. A partir daí não quis mais saber de agulhas, dedais ou afins.
Há meia dúzia de anos uma amiga ofereceu-me uma máquina de costura que tinha a mais e desde aí ao fazer pequenas peças, percebi que até tinha algum gosto e só lamento não ter aproveitado para aprimorar as técnicas e os saberes que agora ficarão guardados a sete agulhas nas linhas do destino."

100 Quadripolares que vale a pena conhecer # Joana(19)


"Ontem fui para um pub de metaleiros.
Sei que o álcool não é a solução, mas às vezes, sabe mesmo bem. Só para detox."


Joana

sexta-feira, 25 de julho de 2014

A EXPERIMENTAR | Mercearia Gadanha

A Catarina de Marvão, a Rititi do meu coração e a Cláudia que eu adoro recomendaram-ma: a famosa "Mercearia Gadanha" em Estremoz. 
Eu tenho mixed feelings acerca de Estremoz onde já fui feliz em bailaricos na serra d' Ossa, onde passei um reveillon inesquecível num bar chamado "Até Jazz" e onde aprendi a comer atabefe mas de onde é natural uma das pessoas que mais me decepcionou na vida. Por outro lado, sempre que me recomendam um restaurante eu coloco as expectativas tão elevadas que, muitas vezes, não me deixo surpreender. Não foi o caso. 
A Mercearia Gadanha tem o melhor azeite que já provei para a molhanga do pãozinho alentejano de entrada, tem empregados simpatiquíssimos que acolhem com boa cara família com crianças pequenas e intrépidas, tem uma decoração castiça e gira, tem o melhor arroz de lebre que já comi e tem sobremesas da autoria de uma Michelle, maga da cozinha, que me fizeram comer e chorar por mais (experimentem as farófias caramelizadas com poejos e morangos ou o mil folhas de chocolate branco com frutos silvestres e não digam que vão daqui...). 




Por aqui, a Mercearia Gadanha ajudou a fazer esquecer os traumas de Estremoz e a ter vontade, muita vontade, de voltar à cidade que está - agora- melhor, com o eco da risada brasileira e das mãos de fada culinária da Michelle. 
Voltaremos. 


(Conheçam a dinâmica da Mercearia Gadanha aqui)

O Mundo divide-se entre...

... as pessoas noctívagas e as outras.

terça-feira, 22 de julho de 2014

O Mundo divide-se entre...

... quem em pequeno comia a parte de dentro dos pastéis de nata com uma colher e os outros.

A VISITAR | Estalagem e Mercearia de Marvão (Marvão)







Quando cheguei a Marvão sabia onde havia de me dirigir: à Mercearia de Marvão. Conhecia a Catarina destas coisas dos blogs, já acompanhava o blog da mercearia há séculos e era seguidora da página de facebook. A ideia do "bem-vindo a Beirais" versão vida real encanitava-me, queria conhecê-la, saber como é deixar de viver numa cidade e rumar a uma pequena vila com 120 habitantes, como é pensar num negócio e materializá-lo e, mais que tudo, geri-lo como uma paixão que não esmorece, sempre com uma incrível capacidade de se reinventar e de inovar. 
A Catarina de cheiro é (ainda) melhor que a Catarina dos blogs, tem voz, pronúncia demorada, olhos brilhantes de moura e um sorriso tão vasto como as planícies do Alentejo. E tem colo de cegonha-mulher, já aqui o disse. 
Não é possível falar da Mercearia de Marvão sem falar da Catarina. A Mercearia é a Catarina, uma amálgama de objectos, doces, bonecas de barro, vinhos, piões, azeites e pão, taleigos pendurados, coroas de flores secas, cavalos feitos de meias e uns moinhos de vento toscos- os mais bonitos que já vi na vida. A Ana apaixonou-se por um cor-de-laranja. A Catarina é a Mercearia, uma amálgama de emoções, risos, palavras cantadas, olhos vivos e expressivos e um jeito de ser simples e genuíno, como se na vida da Catarina, como na da Mercearia, não houvesse espaço para porcarias, só para coisas bonitas e com significado. 
Apaixonei-me pela Mercearia e, mais ainda, pela Estalagem de Marvão, onde as paredes se transformaram em vitrines onde se guardam objectos com história, porque é disso que a Mercearia e a Estalagem se tratam: da história das gentes, da passada e da presente, da história das gentes de Marvão, 120 habitantes, a Catarina no coração. 
Vale a pena ir conhecer esta terra, pernoitar na Estalagem e perder-se nos objectos maravilhosos da Mercearia. Mas, mais que tudo, vale a pena ir conhecer a Catarina, moura encantada de Marvão.


Conhecer a Estalagem de Marvão

Quem? Estalagem de Marvão
Onde? Rua do Espírito Santo, 1 - Marvão
Reservas? Pelos telefones 969 147 862/ 245 993 059
Saber mais? http://innmarvao.com/estalagem-de-marvao/

segunda-feira, 21 de julho de 2014

sexta-feira, 18 de julho de 2014

PROGRAMA QUADRIPOLAR | Picnic nocturno num castelo ou a nordeste tudo de novo

Sair de casa com o essencial. Nós- os três- e o essencial. No carro, a engolir alcatrão, a minha música. Coro desafinado e aplausos dados, entre gargalhadas, por mãos pequeninas. 
Ninhos de cegonhas avisam-nos de que estamos a chegar: Marvão no horizonte. 
Sermos acolhidos pela Catarina, tão linda, tão moura, pelo Nuno, o encantador de palavras, as palavras saem-lhe a rir-se, é um dom, juro que é um dom, pelo pequeno Zé Pedro, cabelos loiros e olhos azuis, pássaro do sul e pelo pequeníssimo Manel, augúrio de que tudo corre bem, tudo passa, tudo vai correr bem. O futuro a todos nós pertence.
O sol a pôr-se entre as muralhas. A Catarina manda-nos ir a pé, dá-nos palavras bonitas enquanto embala o bebé no seu colo, cegonha humana. E dá-nos um cesto com um taleigo. Cheira a pão alentejano, a queijo e a paio. Assim que fazemos saltar a rolha, cheira a vinho do bom e a miúda trinca melancia enquanto dança em cima da manta, neste seu primeiro picnic às estrelas. 
Passa um grupo de pessoas e olha-nos, enternecido: uma pequena família num picnic nocturno. Cumprimentam-nos e percebem que há motivo para festa. Cantam-me os parabéns com esta pronúncia demorada, de quem tem tempo para saborear as palavras, a melodia, as palmas do fim. 
O guardião do castelo deixou-nos a porta encostada, segredo de aniversário, e subimos à torre de menagem. Levo a Ana ao colo, cheira a bebé crescida.. Ele traz o cesto e a manta ao ombro, por instantes acredito que é um tapete voador e nós personagens de histórias de aladinos. No cimo, a Ana tira do cesto pedaços de hortenses que apanhou no jardim e atira-as ao ar. Chovem flores, estrelas e sorrisos, chovem interjeições de prazer enquanto se trinca um pão com caviar de azeitona, chovem gargalhadas nesta noite de Verão com uma brisa quente no cimo de um castelo e chovem murmúrios de um palato inebriado quando se brinda a noite com boleima e pastéis de castanha
Chovem estrelas cadentes e quase que toco o céu, no melhor jantar de aniversário de sempre, no melhor restaurante do Mundo, chão de castelo e tecto de céu, decoração de risos, música ambiente de palavras de amor.
Chovem estrelas cadentes e eu peço-lhes desejos para me sentir, para sempre, assim. No telemóvel a música do carro. A minha música. Porque eles ma ofereceram. Sou princesa do homem que amo, rainha da minha filha e o Mundo é o meu castelo. E as estrelas caem e eu peço-lhes desejos, de olhos fechados, para que se possam realizar. 
A Ana adormece encostada à curva do meu pescoço, o seu bafo quente embala-me e descemos os dois, de mãos dadas, cesto vazio e coração cheio. Como o meu colo. 
Começou um feliz ano novo para mim. 




Picnic nocturno em Marvão

Quem? Mercearia de Marvão
Onde? Rua do Espírito Santo, 1 - Marvão
Reservas? Pelo telefone 245 993 059  
Saber mais? https://www.facebook.com/merceariamarvao


quarta-feira, 16 de julho de 2014

100 Quadripolares que vale a pena conhecer #Lina (18)




"Sempre dissemos que quando fizéssemos 10 anos de casados iríamos recasar. Ele ficou desempregado e ficamos sem cheta para nada.Sinto-me deprimida e eles fazem tudo para me animar. 

Hoje foi dia em que me recasei neste parque infantil, com um anel de princesa de plástico oferecido pelas miúdas, ao som da marcha nupcial a sair de um telemóvel. 
Com elas como madrinhas, claro. E enquanto nós casávamos as madrinhas baldaram-se e foram brincar..."


Lina

Quadripolar Gangnam style






"Olá "Ursa"!
A cruzada quadripolar continua! Por isso, envio-te em anexo umas fotos que pedi ao meu marido, Tiago, para tirar quando foi a Seul em Abril.
Cá está, Seul e o bairro de Gangnam a serem quadripolarizados. :) Esperamos que gostes.
We <3 Pólo Norte!!

Beijinhos,    Xana e Tiago"


Xana e Tiago eu não gostei: eu a-do-rei! Beijinhos aos dois. Ursa <3 you!

terça-feira, 15 de julho de 2014

100 Quadripolares que vale a pena conhecer # Tânia (17)



"Eu sou uma tatuadora, não uma ilustradora. Comecei a tatuar neste estilo há dois anos, eu sou uma tatuadora, não uma ilustradora e ainda estou a aprender..."


O Mundo divide-se entre...

... quem só bebe leite quente e quem só o consegue beber frio.

Eu já entrei numa loja de tatuagens

E eu já trouxe para casa a aguarela mais linda do Mundo!


Obrigada Tânia: és (mesmo) a maior!

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Por oceanos nunca dantes quadripolarizados


"Olá Polo Norte!
Regressei recentemente de uma travessia transatlântica (Fort Lauderdale-->Barcelona)
Por isso podes considerar o Oceano Atlântico quadripolarizado!
A foto foi tirada algures entre as Bermudas e os Açores ali no meio do nada :)

bjs ​Alda (aka Framboesa)​"

Beijinhos salgados Framboesinha!

sábado, 12 de julho de 2014

À Cristina Bizarria, por ocasião da sua despedida de solteira

(S. Miguel) Retém isto: o amor é verde. Digam o que disserem, o amor é sempre verde como a esperança. Casa com uma peça verde, acredita em mim. Casa a acreditar, com muita força, que vai ser para sempre. Acreditar é sempre meio caminho andado para se concretizar. O amor é verde e, também, um bocadinho de azul. Ama como a lagoa das sete cidades, com lenda, com história, com a magia de quem acredita que azul e verde não se misturam por obra dos Deuses e nunca percas a paixão do Fogo. Prevejo resiliência, os açorianos estão habituados a abalos, não se assustam ao primeiro tremor. E sempre que houver um obstáculo faz como nas furnas e torna-o num desafio a teu favor, enfia o alimento da alma dentro da terra a escaldar e torna-o na mais saborosa das refeições. 
(Santa Maria) Nunca acredites que conheces tudo no teu homem. Não generalizes, não faças juízos de valor nem contes com dados adquiridos. Acredita sempre que há algo escondido para te provar que não há verdades absolutas: que as ilhas dos Açores não são todas húmidas e nebulosas, com praias de areia preta e casas de pedra escura. A vida a dois reserva sempre surpresas. Descobre o teu homem dia após dia, todos os dias, até ao fim da vossa vida. Quando pensares que já há pouco que te surpreenda, pensa que "We'll always have Santa Maria"!
(Terceira) Alegria. Nunca percas a alegria. A alegria das gentes da tua terra, que encontram em cada momento um pretexto para festejar: a vida, a comida farta, o mar e as ilhas. Mantém a alegria com a força dos touros na areia. Mantém a alegria apesar da bruma e das intempéries. 
(Graciosa) Prepara-te para que os ventos nem sempre estejam a favor. E não é por isso que se derrubam moínhos. Respira fundo, e têm atenção às nortadas, às marés e à lua, mais brilhante, sempre mais brilhante e em espelho no oceano. Os moínhos resistem de pé aos ventos maus e aproveitam os ventos a favor. Faz o teu próprio pão, no teu moinho, com a força dos ventos bons. Mantém-te de pé quando os ventos não te forem favoráveis. És dos Açores. 
(São Jorge) Nunca te deites zangada com o teu marido. Beija-o sempre antes de dormir, com a doçura com que as fajãs beijam o mar, com a dolência com que as ondas beijam o basalto. Encontra no beijo do teu homem um farol. [O amor é um anti-ciclone, acreditas em mim?]
(Pico) Vive a tua vida a dois como quem sobe uma montanha. Não percas o foco, não deixes de te lembrar que, por mais árdua que seja a caminhada, por mais que te doam os pés, o farol dos faróis fica no pico do Pico. Respira fundo, enche o peito, pede-lhe ajuda para subir, estende-lhe a mão quando ele estiver cansado, estejam ambos preparados para que, eventualmente, possa faltar oxigénio. Mas não percam de vista que lá em cima, lá mesmo em cima, serão em conjunto, donos do céu e do mar. A dois o Mundo pertencer-vos-á!
(Faial) Amem-se como dois marinheiros que partem numa viagem pelo Atlântico a dois. Ouçam as histórias dos viajantes, coleccionem na retina imagens que depois possam pintar nas paredes das vossas memórias, brindem à vida com gin, angelica ou vinho de cheiro, tanto faz, sejam companheiros de vida como de viagem, capitães do destino comum. Criem o vosso próprio brinde, o vossos códigos. A cumplicidade constrói-se a cada milha que se viaja junto, a cada tempestade no mar que se ultrapassa, a cada novo porto onde se atraca, a cada memória que se vive, constrói e partilha. 
(Flores) Apreciem cada pequena conquista, valorizem cada insignificante descoberta. As hortênsias têm mil tons, descubram cada um deles, explorem a vida como quem parte à descoberta de uma pequena ilha, como quem procura um pequeno oásis, como quem descodifica o som dos cagarros e fecha os olhos e é feliz com as cores das flores, as descobertas de trilhos de terra batida, a frescura da água de uma lagoa ou som de pássaros no mar. Os momentos mais simples podem ser, incrivelmente, os mais felizes. 
(Corvo) Insistam, persistam, nunca desistam e existam para sempre, no plural. Na vida tudo de resolve porque, afinal, o mar é já ali. Respirem fundo, amem-se e estejam preparados para ventos e marés, luares cheios e luas novas, abalos e vulcões, sol e chuva. Quando acharem que uma ilha pequenina nada terá para vos oferecer, deixem-se surpreender. Nunca se esqueçam do que o outro tem que vos fez apaixonar-se. E conservem, dia após dia, o sal nas vossas vidas, no vosso amor. O Atlântico é um bom condimento e tudo vai correr bem. O mar é já ali. 

Sejam felizes!

Um beijinho,

PN

sexta-feira, 11 de julho de 2014

O Mundo divide-se entre...

... quem não tem nenhuma tatuagem e os outros.



(Sim, acho que os não tatuados estão em vias de extinção)

A CONHECER| As tatuagens mais bonitas do Mundo

Provavelmente sou a única pessoa da blogosfera sem tatuagens e sem intenção de ter uma. Tenho muita dificuldade em tomar decisões irreversíveis, sou demasiado instável e mudo de ideias facilmente: o que há uns tempos me pareceria uma frase bonita para tatuar na pele, hoje já não me diz nada, não preciso de cabular o nome da minha filha na pele porque nunca o esquecerei e pronto, marcas para sempre já me bastam as milhentas cicatrizes que não escolhi ter e que faço alguma questão em não mostrar.
Em 33 anos só vacilei uma vez quanto a esta minha posição e foi ao ver o trabalho da Tânia Catclaw. Caraças, espero que nunca passe ao lado do estúdio dela num dia em que esteja embriagada, que sou menina para vir de lá tipo ex combatente do Ultramar. Mas em aguarela tattoo..






Conheçam o trabalho da Tânia aqui.

O Mundo divide-se entre...

... os taxistas (e demais prestadores de serviços) que perante o pedido "Eu queria ir para zona x" perguntam "Queria? Já não quer?" e os outros.



(revirar de olhos)

terça-feira, 8 de julho de 2014

O Mundo divide-se entre...

... quem teve um cão de loiça em tamanho real como decoração na sua casa de infância e os outros.

domingo, 6 de julho de 2014

Nota-se que almoçámos na Capricciosa?

No carro, no caminho para casa, numa das nossas conversas de divagação:

Mámen- Se tivesses o poder de pedir um desejo, um qualquer, possível ou impossível, o maior do Mundo para ti, o que pedirias?

Eu- Que a massa não engordasse...

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Bali e Kuala Lumpur: checked!



  • "Pollete em bali e em kuala lumpur. Beijinhos. Teresa"

Montes de beijinhos, Teresa querida!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...