segunda-feira, 30 de setembro de 2013

A VISITAR! São Rafael Villas and Apartments (São Rafael- Algarve)

A Vi foi uma das pessoas mais bestiais que este blog me trouxe. Conheci-a no "Todos por um" e, desde então, nunca mais nos largámos. 
Quando a Vi me convidou para fazer um test drive ao seu novíssimo "São Rafael Villas and Apartments" não virei a cara à luta como não virarei a cara à luta a nada que a Vi me peça, à laia de retribuição da sua inefável generosidade. Claro que a Vi é uma corajosa em me convidar pois sabe que eu sou como os malucos e digo tudo o que me vem à cabeça, pelo que, é preciso ser muito segura do seu produto para me desafiar para o testar e opinar acerca dele.
Depois de anos na parte pelintra do Algarve (sim, sim, viva o parque de campismo de Monte Gordo! not!) ir para São Rafael é conhecer um Algarve chique-bem, boho-coiso, só mordomias e podia-me habituar a isto para sempre (Vi, adoptas-me? Adoptas-me?). 
O facto do grupo ser top,  Sandra, Sónia, Luna e respectivas famílias (ficou a faltar a Sofia que tinha o Martim doente: beijinhos!), contribuiu em muito para um fim-de-semana giro, giro. A ideia era testar o pequeno resort com diferentes tipologias de famílias. 
O pequeno resort tem 10 casas, 10 apartamentos e uma guest house a ser inaugurada em breve, charmosa que só ela. A "nossa" casa tinha três quartos, uma sala, uma kitchenette e duas casas de banho e partinhámo-la, confortavelmente, com um casal amigo com três filhos, pelo que, está auditada por oito intrépidos elementos. O facto da cozinha estar equipada permitiu-nos um maravilhoso feito: cozinhar um maravilhoso caril de frango para 15 pessoas pelo valor total obsceno de 42 euros. Com vinhos incluídos. As piscinas (três, uma delas para criança) foram a única dor de cabeça dos pais: as crianças queriam, porque queriam, estreá-las (menos a Ana que anda na sua fase Cascão). Resumindo, casais com um filho único bebé: por nós não só está aprovadíssimo como altamente recomendado! Ide! Ide!
E tivemos de tudo: um filho doente, o Teodósio dos frangos, uma princesa a passear, literalmente, as suas vestes, russos a tomarem banhos nocturnos nas piscinas, chuva à noite e banhos de praia à tarde, casinhas feitas com almofadas de sofás, comida mexicana ma-ra-vi-lho-sa feita pelo chef de serviço (avé Nuno!), passagens de modelos infantis em cima de mesas, ténis disco a piscarem, o melhor bolo algarvio que já comi (figo em cama de amêndoa e em estrado de alfarroba), um mámen que bate com o carro contra uma parede a tirá-lo do estacionamento, apanha de conchas na areia, vinho do bom, palavrões silenciados à custa da presença da criançada, chapéus de chuva coloridos, miúdos reais que parecem saídos de catálogos, análise projectiva de desenhos, pequenos almoços preguiçosos cheios de bagunça, (já referi o melhor caril de frangos dos últimos tempos?), oito crianças a cointribuirem como anti-concepcional para o casal sem filhos do grupo, um filho que acha que voa e fica de pé ao alto, treino de primeiros passos e andar à pinguim, muito Arnidol, gargalhadas, paixão, amor, relações a estrear, relações maduras, descoberta, cumplicidade, sim, família  e... paparazzi:


Ah e tal o Algarve com chuva é uma seca. Pois, pois...São Rafael Villas & Apartments




Obrigada Vi (eu amo você!) e long live São Rafael Villas & Apartments! (sim, sim, é publicidade e não é encapotada. Mas é do coração, foi tudo bestial, glamouroso, divertido e tudo o que nos aprouve: aguentem as alminhas com raivinha dos dentes!)





Marcar um programa de dias de chuva no Algarve


Quem? São Rafael Villas & Apartments
Onde?  http://g.co/humanthemovie 
Contactos? Pelo telefone (+351) 961 686 120
Saber mais: http://portugalbestholiday.com/

(Pobres) Homens que não percebem nada de nada...

Ontem fui ao Algarveshopping. Entrei numa loja e experimentei umas calças que me ficavam pavorosíssimas. De salientar que me ficavam péssimas porque me estavam apertadas e eu, à laia da pirracenta, recusei-me a experimentar o número acima a assim admitir que estava mais gorda. Claro que não dei parte fraca e assim que saí do provador e mámen me perguntou "então, levas?" respondi com um ar economicamente consciente que não, que até me assentavam lindamente, mas que eram caras e não ia dar aquela dinheirama por umas calças. 
Hoje, à hora de almoço, mámen veio ter comigo. Na sua mão um saco com uma prenda: as putas das calças. "Ah e tal, também não eram assim tão caras e bem vi o ar de desgosto que fizeste ao saíres do provador sem quereres comprar as calças". E que número comprou ele? O que mal me serve, esgaçadas que ficam a porra das calças. 
Claro que fiz o meu sorriso amarelo e agradeci a generosidade, omitindo que o ar de desgosto se prendia com o perímetro das minhas coxas e a gordura acumulada no meu nalguedo. 
Agora é esperar que o rapaz leia este post e mas troque pelos botins pretos. Sem perguntas nem graçolas parvinhas, que ele é um homem muito querido e muito sensível. O melhor marido do Mundo.   (Ouviste? São os de fivela, com aquela biqueira gira que eu experimentei com as meias de plástico, ok?))

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O mundo divide-se entre.

... as pessoas que têm o umbigo para dentro e as pessoas que têm o umbigo para fora.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Mámen ameaçou-me...

... e acusou-me de só contar a parte das histórias que me convém e beca beca.

Antes que ele se chibe, sim: eu fodi  dei cabo da portinhola da torradeira!


terça-feira, 17 de setembro de 2013

Apresento-vos: el matadora

 
A sério que há quem não saiba o que é uma torradeira com portinholas?
 
(Antes que me perguntem: comprei na Worten há uns 7 anos atrás.)

Matei o Batman!

Arrumámos a cozinha, lavámos o chão e abrimos uma janela pequenina, para o chão poder secar, arejar do cheiro do cozinhado e fui-me deitar.
Há 15 minutos levantei-me com um barulho estranho na cozinha. Ainda adormecida fui meia cegueta até à cozinha onde se ouvia um tumulto. Acendi a luz e ali estava o cabrão: um nojento, irritante e esvoaçante morcego. Ainda sem tempo de fazer marcha atrás e ir chamar mámen e no espaço de um abrir e fechar de olhos o nojento eriçou-se no meu cabelo. Comecei a gritar tanto que acordei mámen e Ana que depressa me "socorreram" na cozinha.
Como trazia a Ana ao colo, assustada com os meus gritos, mámen, esse grande filho da mãe querido não teve de meias medidas e fechou a porta da cozinha.  A desculpa era de que o bicho podia vir em direcção à bebé e fechou a porta da cozinha... ... comigo lá dentro.
Em pânico e a hiperventilar ouvia as indicações do super escoteiro cagalhão cá de casa, muito sábio a ordenar-me:" respira fundo, mantém a calma, fica quieta que ele está mais assustado que tu (!), não o mates!" e eu só gritava "pára de te armares em Power Baden a assistir ao parto da mãe natureza e vem-me mazé ajudaaaarrr!" e ele, todo preciosista a intelectualizar: "mas olha lá, quem é o Power Baden? É o filho do Power Ranger com o Baden Powell?" e eu a passar-me com o estupor do bicho.
Às tantas, a Ana chorava cada vez mais com os meus gritos e tive que me calar. Pensei que se ficasse quieta o bicho acabaria por se desembaraçar do meu cabelo e voava dali para fora. Assim aconteceu. O bicho soltou-se dos meus cabelos mas em vez de voar dali para fora começou a andar às turras na parede da cozinha.
Neste momento o Renato Seabra encarnou-se em mim e só tinha um objectivo na vida: matar o morcego. Mas sem fazer chinfrim e sem correr o risco de dar outra vez a minha melena ao manifesto. Então, agarrei na torradeira (tenho ainda daquelas antigas), abri uma portanhola e liguei-a, tentando fazer uma armadilha electrocutadora doméstica, como aquelas que se viam nos cafés dos anos 80 para matar as moscas. E funcionou: passado uns minutos o parvo do morcego, atraído pela luz ou pelo calor, pespegou-se na torradeira. E não sei se foi queimado, se dos safanões que levou, mas morreu.
Neste momento sinto-me o Renato Seabra dos morcegos a olhar para o pequenino Batman Carlos Castro que jaz no chão da minha cozinha, à espera que o Baden Ranger cá de casa se digne a parar de rir e esconda as provas do crime no caixote de lixo mais próximo. Caso contrário, de manhã come torradas com proteína.
Afinal, torradeiras é que é porque saca-rolhas são coisas de fraquinhos...

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

domingo, 15 de setembro de 2013

A VISITAR | Grande Hotel e Termas das Caldas da Felgueira (Caldas da Felgueira)

Um ano depois, a gravidez deixou sequelas. Para além das estrias, do pneuzinho na barriga, as minhas costas ficaram uma miséria. Para ser honesta, o facto de este ano ter dado muito, imenso, incontável colo também para isso terá contribuído. Tinha a coluna num frangalho.Há dois anos fui para as termas de Monchique e adorei. Não sei porque raio tinha a ideia franciscana que as termas era coisa de excursões do Inatel e velhotes entrevados. Quão errada estavas tu, Pólo Norte Maria!
Na altura recusei-me a sair da vila termal e tive um dos melhores fins-de-semana românticos da minha vida. Jurei voltar.
Entretanto, o ano passado foi o ano A e não fomos às termas mas este ano não ia quebrar a promessa.
As termas escolhidas aliaram o que eu mais precisava neste momento: terapêutica músculo-esquelética para as minhas dores nas costas, prevenção de doenças respiratórias para a Ana (o Inverno está aí à porta), beleza envolvente, um hotel BBB (bom, bonito e barato) e programa alternativo nas vilas circundantes. E foi assim que chegámos ao Grande Hotel das Caldas da Felgueira e termas adjacentes.
O Grande Hotel é, provavelmente, o melhor três estrelas em que já fiquei hospedada. No meio da serra, um edifício imponente e uma decoração suave deu-nos logo as boas vindas. Ficámos num regime de pensão completa e foi uma excelente opção pois com a Ana só nos apeteceu espreguiçar e jiboiar e não pensar muito onde é que haveríamos de almoçar ou jantar. Assim, pudemo-nos regalar com marmelada caseira e croissants maravilhosos ao pequeno almoço, a mais saborosa sobremesa de tijelada ao jantar e um bouffet de domingo de comer e chorar por mais.



As manhã eram passadas nos tratamentos termais. Os banhos de hidromassagem, os duches de massagem Vichy e os banhos na piscina termal fizeram as delícias dos crescidos e também da Ana que nos acompanhou em (quase) tudo e foi uma delícia vê-la na banheira de hidromassagem a tentar apanhar as bolhinhas!



Em termos de tratamentos as técnicas de imersão e de vapor húmido e seco na coluna bem como nas pernas, coxas e pés são autênticos milagres para as articulações, músculos e ossos. Juro-vos que saí de lá como nova!


Já no que diz respeito à Ana, e depois de um Agosto com uma laringite, finalmente percebemos porque é que as termas estavam cheias de crianças e respectivas famílias. Afinal, estas termas não se dedicam apenas a terapêuticas músculo-esqueléticas mas também no que diz respeito a tratamentos de pneumologia e otorrinolaringologia, havendo resultados garantidos na melhoria de doenças como asma, bronquite e outras  doenças inflamatórias crónicas do aparelho respiratório, nomeadamente rinite, sinusite, bronquite, laringite e traqueíte bem como  amigdalites, gengivites e otites serosas. Et voilá, a Ana fez nebulização colectiva e ficou tão desentupida do nariz e largou tanta expectoração que estou muito confiante quanto ao Inverno que aí vem. Com as vias respiratórias limpíssimas: que venha ele!
As tardes eram passadas no sossego da piscina do exterior do hotel, no meio da serra e com uma paisagem wow!





E só saímos uma vez da estância termal e foi para irmos espreitar a Feira do vinho de Nelas que acontecia ali a 4 quilómetros. No caminho percebemos, rapidamente, que estávamos perto do paraíso...



Por tudo isto, às vezes apetece-me continuar a acenar com a cabeça quando oiço que ir às termas é programa para velhos. É que para o ano volto de certeza e gosto que as coisas continuem calmas e tranquilas como só os programas pouco fashion continuam a ser...
Estamos, cada vez, mais fãs!





Pernoitar num hotel mítico e evitar complicações respiratórias com ajuda das termas

Quem? Grande Hotel das Caldas da Felgueira
Onde? Av. António Marques- Caldas da Felgueira
Reservas: Pelo telefone 232 941 740
Saber mais? http://www.termasdafelgueira.pt/

sábado, 14 de setembro de 2013

Eu avisei que a fase fofi estava a acabar...

 
Diz a Margarida: "com tanta coisa, esqueci-me de quadripolarizar os vários sítios em que estive na Grécia, por isso aqui fica algo representativo, no metro de Atenas xD"
 
Et voilá, um "pedacinh'ásssssssim" da Grécia quadripolarizado!

Foi há um mês (II)

O Clube VII encheu-se de gente e cedeu-nos tanto espaço (dois courts de ténis e ainda dois estúdios para as brigadas de recolha) que nunca tivemos a sensação de aperto ou claustrofobia.

 
As sombras IKEA para além da cobertura dos próprios courts foram espectaculares e estava tudo lindo.
 
 
 
A decoração ficou a cargo da Valorfuschia e da Wonderland Parties e as bandeirolas (uma centena de metros de bandeirolas( foi obra conjunta de dez costureiras voluntárias (a todas elas um granda beijinho!)





Nota: as gotinhas de arco-íris que estavam suspensas nos chapéus IKEA foram responsabilidade da D'Arte Ideias.
 
A decoração das mesas compôs-se com a cor das bolachas feitas pelas melhores bolacheiras do Mundo, são elas:

Miau Cookies









Mo Sweeties









Carlota Cookie's


 

 
 


Os doces estavam apetitosos e coloridos sobre as toalhas meticulosamente costuradas pela Rosália com tecidos oferecidos pela Multitecidos e com objectos emocionais trazidos de casa para assistirem a este momento da nossa história...

 
O bom gosto dos maravilhosos stands da Red Elephant deram um toque de elegância à festa
 
 
 
 
 
E os apontamentos para festas de aniversário como palhinhas, marcadores de comida e bandeirolas da My Party Design e mais palhinhas e sacos de papel da Bonheur Bazaar deram o toque final no que diz respeito à decoração.
 
 
 
 
 
Obrigada a todos estes queridos amigos! Do coração!

(continua)
 

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

O Mundo divide-se entre...

... quem se refastela na Home Night In e quem desfila pela Fashion Night Out.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Foi há um mês atrás (I)

Que a grande festa de aniversário da Ana aconteceu. Já aqui falei das pessoas que estiveram envolvidas na mega organização e na dinâmica da mesma. Nunca lhes irei conseguir agradecer em igual escala.  Faltam as marcas que, de uma forma altruísta e desinteressada, se quiseram juntar.
Assim, para começar o obrigada da família ursenilda às mais fantásticas cake designers do Mundo:














E pronto, tenho doceiras escolhidas até aos 10 anos da miúda! :D

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...