quinta-feira, 30 de maio de 2013

Ana- a sobredotada

Os dois, na estrada do Guincho, de carro. Final da tarde, miúda na cadeirinha no banco traseiro. Fim de tarde e luz solar bucólica.

Pólo Norte- Olha para a luz do pôr do sol, olha para o céu!

Mámen (ar instrospectivo) e Pólo Norte (ar assustado) ao mesmo tempo:

Mámen- Agora desciam peruanos dum ovni a tocar pan pipes...
Pólo Norte- Agora descia do céu a Nossa Senhora e os pastorinhos!


(silêncio de 1 segundo)

Ana dá uma gargalhada (supostamente) do nada.

Já chegámos à NASA ou quê?


Já!
Obrigada e um granda beijo ao Zé Miguel. <3

(acompanhem a cruzada de quadrievangilização aqui)

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Pink Day- o debriefing

Estou determinada a ser menos anti-social na minha vida bloguística e este ano, acedi em comparecer ao Pink Day na Rua Castilho. 
A minha amiga Sandra, que me esperava à frente da loja que me endereçou o convite, ia-me enviando sms a dar conta do ambiente que se vivia neste glamouroso evento. 
Eu, ainda em casa e atrasada, deparava-me com uma discussão conjugal: queria levar a miúda vestida à contra-corrente, com umas jeans giras e uma túnica cool. Estava assim vestida a Ana com umas jeans com animal print estampadas quando mámen chegou. Começou a pândega: que não a levava assim vestida, que não a queria a "destoar" das outras crianças que por lá haviam de estar, que não queria a miúda ser discriminada socialmente aos 9 meses e patati patatá. Eu a bater o pé, que tínhamos que provar que para se ser fashion não era precisa vestir igual a todos os outros, que a moda era só a norma estabelecida por uns criadores cocaínados, que era para o que lhes dava na telha, agora queres lá ver que se se voltar a usar saias da lambada, eu lá vou deixar a miúda fazer as mesmas figurinhas tristes que eu fiz" e o Diabo a quatro. Nisto fomos interrompidos pela minha mãe com uma prenda: um vestido todo chique para a Ana levar ao Pink Day. Tenho para mim que eles estavam combinados, aquarianos de um raio, mas acabei por ceder que não tinha tempo para aquilo e ainda queria chegar a tempo da Paula Bobone se andar a bambolear na Castilho. Fomos. 
A meio do caminho mámen olhou para o meu outfit, um vestido à Pólo Norte, meio hippie, um dos meus preferidos (estou-me a cagar para se estão na moda ou não, a minha moda dito-a eu!) da Promod de há quatro estações atrás e exclamou: "mas tu vais assim vestida?". Olha que merda cocó, han, querem lá ver, mas como é que o homem queria que eu fosse? De colar-babete com missanguinhas e sapatinhos de compensação para quem tem uma perna mais curta que a outra, vulgo, Litas? Não. O tipo estava era espantado por eu não obedecer ao dress code: "mas se é o pink day, não devias ir vestida de cor-de-rosa?". Pronto, estamos bem um para o outro, só se estraga uma casa, moda é um assunto que dominamos tanto quanto a alimentação dos dromedários. Moda e eventos. 
Por falar nisso: "e que se faz num evento numa rua da capital?"- perguntam-me vós. Percebi isso quando cheguei à Castilho. Anda-se. Pronto, é o que se faz. Anda-se, desfila-se, passeiam-se os modelitos. E o que faz quem se borrifou para os outfits e foi com o vestido Promod Primavera-Verão 2009-2010? Análise sociológica. 
Então a reter algumas regras:
  • Começa-se numa ponta da rua, de preferência de cima para baixo, e vai-se seguindo os balões cor-de-rosa. Tentar não parecer agressiva e neurótica quando alguém nos oferecer um balão para a miúda e não desatar a correr dali para fora como se se tivesse o Diabo no corpo. Explicar, depois de se afastar dois metros, que somos alérgicas ao látex (sim, eu sei, poupem-me as piadinhas que já estão gastas...)
  • Aproveita-se a alcatifa que jaz na calçada para se andar confortavelmente. Sem intelectualizações. Não se demora mais que cinco minutos a ter uma discussão conjugal sobre ácaros em alcatifas numa rua pública, desconversando de tal modo que se acaba a cantar a música do genérico do "Era uma vez a vida".
  • Cumprimenta-se as pessoas que nos riem e nos acenam na rua como se nos conhecessem. Não se dá o ar barrasqueiro de quem sem está num evento pink pela primeira vez e não se responde "deve estar equivocado, nós não nos conhecemos!" (que querem? uma pessoa foi tão fofa e fresca no passado que tem que estar sempre na defensiva, sempre a provar a seu esposo que não se conhece aquele rapaz fashion doutros carnavais, não vá o Diabo tecê-las e o homem ficar encasquetado...)
  • Deve-se rir e acenar a pessoas que não conhecemos mais gordas e que nos vão cumprimentar, de forma educada, na mesma. Dá aquele ar social e popular. 
  • Se houver um senhor fashion que decide passear o seu cavalo cão de porte grande durante o evento para dar nas vistas porque o cão tem que se exercitar, não começar a desejar, baixinho, que o cão alce da perna numa das alcatifinhas rosinhas com ácarozinhos fashion.
  • Não se deve levar uma amiga que diz "esfola" depois de nós dizermos "mata" (cá beijinho, Sandrinha!). Agora usam-se calças daquelas foleiras brilhantes de ciclista e nós fizemos um jogo de "onde está o Wally" versão "onde estão as calças medonhas?". Não deve ter sido simpático para gente fashion séria ter que levar com gargalhadas sentidas, cá do fundo, cá do povo. 
  • Ser fashion é dar nas vistas. Só isso justifica que uma apresentadora de televisão, elegantérrima e gira, que dá nas vistas mesmo que vestida de burka, tenha decidido espetar um laçarote tamanho XL rosa choque na pinha, a fazer pandant com uma malinha da mesma cor. Rosa fluorescente, rosa pimba, rosa música popular portuguesa. 
  • Fazer o percurso rua acima, rua abaixo mais do que uma vez. Aproveitar as bebidas gratuitas que oferecem à porta das lojas. Perceber que é por isso que as fashionistas estão magras: enchem o bandulho de álcóol e fazem cama para a alface. 
  • Fazer o percurso rua acima, rua abaixo mais do que uma vez. Aproveitar os bons músicos que tocam no meio da rua sem sentimos obrigação de dar uma moeda que aquilo não é a rua Augusta: é a Castilho!
  • Dar só um beijinho a toda a gente. Assim com'ássim pode-se correr o risco de alguém ficar pendurado. Mas nunca nós. 
  • Não fazer compras. Fashion que é fashion aparece, dá um ar da sua graça mas não compra. Toda a gente sabe que os sacos das lojas não combinam com os outfits. 
  • A fazer compras, colocar as alças dos sacos de papel fashion a tira-colo, como se fossem malas. Muitas alças de preferência, como se fosse uma canseira tanta compra, tanto VISA, tanto frissón.  
  • Não pensar que se é a mais mal vestida do evento. Afinal, we´ll always have Paula Bobone. 

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Não há coincidências

O Mark devia-me contratar para ser eu a disparar aquelas sugestões do facebook.



terça-feira, 21 de maio de 2013

O mundo divide-se entre...

... as pessoas que já comeram leite condensado às colheradas e os outros.

Votações para o BILF encerradas


Amanhã divulgo o grande vencedor (quem sabe, sabe, peço que não se chibem que estou a preparar uma surpresa!)



sexta-feira, 17 de maio de 2013

Marrocos? Checked.


Em Marraqueche, o Abdul, do Riad 144.

Obrigada, Sara!


(Aos poucos conquistaremos o Mundo. Vejam os países já quadripolarizados aqui!)

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Eu cá não tenho BILFs de eleição...


Escolher um BILF award não é tarefa fácil. Para eleger um BILF estão em jogo vários critérios: qualidade da escrita, originalidade do avatar, o header ser giro, a fonte da letra dos posts não ser Comic Sens (sons de ohhhh)  e, não menos importante, a capacidade do autor fazer as leitoras e os leitores gay desejar andar no reboleixo com ele. Reboleixo badalhoco, que não é de se fazer o amor que é feito este prémio. 
No entanto, tendo em conta os anos anteriores, este anos gostava de imprimir uma conotação mais séria ao certame. Mais digna de uma autora mãe de família, mãe de Ana, pronto, mas uma filha já é uma família... Um evento que não me envergonhe junto das outras mães amiguinhas da criatura ("Ah, mãe brincalhona, estava a brincar não estava? Sabe que o meu marido trabalha na Comissão de Crianças e Jovens em Risco?!"). Prosseguindo...
Para este ano, se tivesse BILFs de eleição (que não tenho!), gostava que constassem no plantel dos nomeados alguns ilustres e prezados bloggers da praça cujo nome a ética e a imparcialidade não me permitem referir. Idealmente, gostava de conferir um tom mais sério a esta competição, sei lá,  que fossem mesmo nomeados bloggers "piu-pius e pipocos", bem apessoados, meninos da mamã, charmosos e distintos.
No entanto, a experiência de 4 anos de BILFalhada me diz que isto vai descambar para um certo estereotipo de blogger, amplamente apreciados pelo público feminino: o blogger blasé, dandy, com ar de patife, de pulha, de bom sacana, de toni dos bifes, que gosta de sandres de courato, tunnings e pistons, Gostava de ter bloggers com nomes bem como Pedro, André e Lourenço mas vou acabar por ter que contar votos para o Simão ou o Juvenal, que é para o que eu estou guardada.
Este ano, se tivesse BILFs de eleição (que não tenho!), queria um BILF príncipe e vou acabar com um BILF troll, queria um blogger que calçasse sapato de imitação cara de pele de  crocodilo (que fosse atento a causas e à ecologia e isso) e vou acabar por ter um com sapato de pele de jibóia cega. Queria um BILF confiante e cheio de moral, que vestisse outfits feitos à medida por um qualquer alfaiate lisboeta e vou acabar por eleger um com ar desajustado e aflito,  que usa todos os dias factos de treino. . 
Este ano, se tivesse BILFs de eleição (que não tenho!), queria um BILF à séria, não queria freaks, nem artistas, nem Alfs uma coisa do outro mundo, nem Johnny Guitars, nem barcos naufragados que nem Tolan,  nem tão pouco  anões gigantes. 
Este ano queria um BILF sério e procriadeiro, com um bom ego e, se pudesse ser, de moustache. Para o deboche mas o deboche fofi, o deboche badalhoco entre paredes e um ar benzoca na rua.
Este ano, se tivesse BILFs de eleição (que não tenho!), queria um BILF que para além de bilfável, de altamente fodível, que também servisse para casar. Queria um Mámen.

(Em resposta a isto)


Juri do BILF chamado à recepção!

Tendes até hoje, quinta-feira, ao meio-dia para me apresentarem as vossas nomeaçóes (dois BILFs p.p.). A poll sairá logo de seguida!

Esclareço que o plantel das boas foi reforçado com a inclusão da Leididi
Dêem prioridade à prenha, sff!


quarta-feira, 15 de maio de 2013

A minha família (a propósito do Dia Internacional da Família)

A minha família não é pequena nem nuclear, nem a que consta na declaração de IRS ou no boletim do CENSUS. 
A minha família é a de origem, é tão a minha mãe, mulher da minha vida, força da natureza, vento e ondas num dia de Verão. É a minha tia, tranquila e calma, sol de final de tarde de Primavera. O meu tio Nato, cabisbaixo e outonal e o meu tio Necas, Inverno em flor. É o meu tio Chico que veio ensinar que não há sangue por afinidade e que a família pode ser consolidada com felizes escolhas. A minha prima, ainda no outro dia bebé, às vezes chamo o seu nome à Ana, acto falhado de prima mais velha. 
A minha família são os meus avós, mortos no Mundo, vivos em mim. A minha avó a puxar o carrinho das compras, coluna muito direitinha, antes do AVC a matar devagarinho antes dela ter, efectivamente morrido. O meu avô, a contar anedotas e a comer amendoins como quem folheia um livro, olhos pequeninos e visão tão grande. 
A minha família é mámen, homem da minha vida, escolha minha, sangue que se partilha. 
E é a Ana, cereja no topo do bolo, quarta geração de nós, bebé comunitária. 
Porque a minha família é nossa, mãe, quatro estações, mortos que não deixamos morrer, Minho e Açores, cheiro de bebé, uma comunidade, tão única e singular na primeira pessoa de um plural que somos "nós". 

domingo, 12 de maio de 2013

BILF 2013: tiro da partida


Relembrando: BILF é o acrónimo de "Blogger I'd Love to Fuck".
Na prática a questão é simples: se vocês tivessem que eleger um top ten de bloggers que não conhecem mas que, apenas pela leitura dos respectivos blogs, vos desse vontade de andar no deboche, de praticarem o sexo louco e desenfreado, quem escolheriam?
Depois de lermos as vossas sugestões, o júri residente em Portugal Continental e Açores (certificado pela norma ISO 9001 e HACCP)  inspira-se neste brainstorming e  elegerá um leque jeitoso para inaugurar a respectiva poll. Ou pool, que isto também é capaz de meter água. E toda a gente vota.
A saber, o júri para nomear os 20 BILF's 2013 a ir a votação será constituído por;


Xuxi- Amor Portátil
Luna- Crónica das Horas Perdidas
São João- Febre dos Fenos
Miss Complicações. Apenas 24 horas
Pipoca dos Saltos Altos- Dos meus saltos altos
Alexandra- Alexandra, a grande
Almofariza- Baunilha e Chocolate
Miss Murder-Singularidades de uma ruiva
Rita Maria- Boas intenções
Izzie- A arte da preguiça

Depois faremos a respectiva poll e é votar para encontrar o BILF 2013 (relembramos que o BILF 2010 foi o Pedro, o BILF 2011 o Tolan e o BILF 2012 o Aflito ).
Na próxima sexta-feira,apuram-se os resultados. De hoje a oito dias, lá se faz a cerimónia de entrega do prémio, com direito a prémio e a discurso. E debriefing sobre os outfits e as reacções dos vencedores e dos derrotados. 
Tudo a preceito, como se exige a um blog do bem. Ou não.


A caixa de comentários está aberta às vossas sugestões (assim como a página do facebook quadripolar).
Let the game begin. 

(Duas notas: Não vale votar nos vencedores anteriores. Mámen também não vai a votos, OKKKK?)

quarta-feira, 8 de maio de 2013

terça-feira, 7 de maio de 2013

Fashion advise à borla

Os vernizes da H&M são tão resistentes que não saem com acetona.

Só com diluente.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...