sábado, 31 de agosto de 2019

Obrigadinha, Di!

Há 22 anos que uma ssoa nunca mais entrou num túnel descansada.

Na casa da árvore


Na casa da árvore a Ana deitou-se ao entardecer e ficou quieta, nostálgica e saudosa por antecipação “mãe, as férias estão quase a acabar!”. Eu deitei-me ao pé dela, logo a seguir a ter tirado este retrato, em conchinha e ficámos caladas durante muito tempo, entre cafuné e festinhas na cara uma da outra. Esta é uma filha tão fácil de amar, de se deixar amar, é querida e madura e ao mesmo tempo determinada e carente das suas pessoas e se eu pudesse, se a vida fosse só emoção e nenhuma razão, as férias nunca acabariam e teríamos sempre tempo para nos deitarmos ao lado uma da outra, sem compromissos antes nem a seguir, a olharmo-nos nos olhos e a termos certeza de que dificilmente se conseguirá amar mais ou melhor do que nós nos amamos, assim.

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Síndrome do impostor

Fico sempre desconfortável quando me convidam para ser oradora/palestrante/prelectora em eventos sérios e formais. ~

É estranho pensar assim porque sou formadora há 15 anos e já ministrei mais de mil horas de formação na minha vida. Gosto de grupos pequenos, de formações com métodos activos, de olhar as pessoas nos olhos, de as obrigar a levantar os rabos das cadeiras. Dou formação comportamental em áreas como comunicação, gestão das emoções, negociação, liderança, trabalho em equipa e sinto-me confortável em transmitir conhecimentos que aprendi academicamente ou através da minha experiência profissional. 

Mas os últimos convites têm sido diferentes: não me pedem que ministre formação mas que fale para grandes plateias em auditórios cheios, com microfone e em cima de pequenos púlpitos e eu não tenho jeito, sinto-me estranha, não consigo preparar planos de sessão nem estudar matérias. 

Pedem-me, pela primeira vez em muitos anos, que fale sobre quem sou. Não sobre o que sei ou o que faço: sobre quem sou. 

Dizia isto ao Rui há pouco e ele mostrava-se entusiasmado com o meu calendário deste ano que já me levou ao Porto, a Lisboa, a Braga, a Anadia e a Beja. “Não é confiançudo eu aceitar falar sobre mim como se fosse uma pessoa muito erudita, sábia, intelectual ou só interessante?” - perguntava-lhe há pouco. “É super arrogante eu achar que interessa às pessoas ouvir coisas sobre mim, eu que sou tão normal e vulnerável, cheia de defeitos e erros?” 

"Mas tu não vais falar sobre ti"- atirou-me. As próximas prelecções são mesmo sobre quê? “Em Coimbra falarei sobre a Humanidade na medicina; em Ponta Delgada sobre voluntariado e nas Velas sobre a importância do emprego para a cidadania plena das pessoas com deficiência”. 

"Hum, estou a ver: mas isso não é nada sobre ti." “Claro que é: pedem-me que aborde estes temas à luz da minha experiência e vivências pessoais. Claro que é sobre mim!” 

"Não, Liliana, tu vais falar sobre humanidade na medicina, generosidade e amor pelo próximo através do voluntariado e novas oportunidades que devem ser dadas a uma minoria e a um público vulnerável. Na realidade, vais sempre falar de amor. E disso percebes bem. "

E eu respirei fundo. E reforcei a ideia de que, de todas as escolhas que fiz, este marido foi, provavelmente, a melhor de todas.  E sorri.

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Feliz dia do psicólogo para todos os meus psicólogos preferidos no Mundo.



Diz que é o dia internacional dos que os amigos acham que fazem telepatia e leem pensamentos, dos que queriam salvar o Mundo e agora só lhes resta tentarem salvar-se do IVA dos recibos verdes, dos que passam a vida a ouvir “quem tira Psicologia é porque se quer curar a si primeiro, dos que reviram os olhos perante coachs que tiram o curso na Universidade da vida, dos que acenam e pedem “desenvolva” como ninguém, dos que já desistiram de dizer que já não se diz há vinte anos “testes psicotécnicos”, dos que fazem trinta entrevistas de R&S por dia e no fim ainda continuam a gostar de pessoas, dos que gostavam de ter sido como os psicólogos criminais do CSI e dos ficheiros secretos e acabaram a dar formação comportamental em cursos do IEFP, dos que têm que ouvir que “mas eu lá sou maluco para ter que ir ao psicólogo!”, dos que nunca serão ricos mas nunca trocariam esta miserável profissão por nenhuma outra.

domingo, 25 de agosto de 2019

Gracias a la vida.




Às vezes as famílias precisam apenas de ser famílias: os adultos de não serem trabalhadores, donos de relógios e agendas, corredores contra o tempo e revisores a picarem compromissos, de pensarem em todos os detalhes, as marmitas que se preparam, o que se faz hoje para jantar, o trânsito na IC19 e a conta da tv cabo em cima da mesa do corredor com o prazo quase a acabar.

 Às vezes as famílias precisam de não ter reuniões importantes para ir, pilhas de roupa para passar, listas de supermercado para fazer e sábados de aspirador em mão porque as casas têm que se limpar. 

Às vezes as famílias precisam de acordar sem despertador, de não terem horas para dormir, trabalhos de casa para fazer e papéis de visitas de estudo para assinar, reuniões de condomínio para se picar ponto e banhos a horas rígidas para se tomar (“olha que começas a fazer a digestão!”).

 Às vezes as famílias precisam de cantar alto no carro durante horas, comerem com as mãos e sem maneiras em picnics, ver as estrelas a céu aberto, dormirem sestas no sofá e partilharem a mesma cama todos à noite.

 Às vezes as famílias precisam de comer porcarias, terem poucas regras, não serem rígidas, escusarem-se a ser mães, homens, maridos e mulheres, trabalhadores, filhos e alunos e todos os papéis sociais e serem uma entidade una, superior e agregadora: serem apenas família.



Gracias Espanha por teres sido o palco da nossa, neste Verão de 2019. 


Gracias a la vida.

sábado, 24 de agosto de 2019

Só há uma forma de amar: cuidando (Grazalema)




Só há uma forma de amar: cuidando.

 Cuidando que o outro se sente confortável, satisfeito, em paz e feliz. Cuidando que se chega ao pequenino hotel num vale tão querido no meio das montanhas e se diz à mãe: “vai tomar um banho que eu vou-te preparar uma surpresa”.

 E se arromba o saco das compras do supermercado e se dispõe alimento a alimento na mesa, tudo simples e sem qualquer requinte. E se vai buscar uma cadeira extra e as cartas do UNO para todos nos sentarmos e jogarmos uma partida a seguir ao jantar. E se entra na casa de banho e se pergunta alto: “mãe?! Como se diz em espanhol podia-me emprestar copos?!” E se segue para a recepção, repetindo baixinho a frase em portinhol, para não se esquecer.

 E depois a mãe sai do banho, seca-se e veste-se e dá com ela a preparar o melhor jantar dos últimos tempos, era só atum, gaspacho de pacote e tinto de verano de garrafa, pão e presunto mas depois também estava calor e o sol a pôr-se nas montanhas ali à frente, o tempo parado, e no telemóvel dele a música a tocar e a minha filha de sete anos a trautear o refrão.

 Só há uma forma de amar: cuidando.

 A Ana sabe-o melhor que ninguém e eu sei que o sabe, mesmo que inconscientemente, mesmo que por mero instinto, tive a certeza no meio da serra de Grazalema, este Verão.

E juntei-me a eles no refrão. 

 “Gracias a la vida” era, tão oportunamente, a canção.

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Deixem as bexigas das pessoas em paz

O português xixa nas beiras das estradas, nos pés de estátuas, atrás de carros, no mato quando está aflito, de pé, de joelhos, de cócoras ou a fazer a ponte durante festivais de verão, nas piscinas públicas, na areia da praia (sim, sim, as criancinhas também contam...) e vocês estão aí em discussões metafísicas sobre placas com perninhas ou saias nas portas das casas-de-banho?

Qual Alhambra qual quê?

Tinto de verano a património da Humanidade, já!

Deixem as bexigas das pessoas em paz.

O português xixa nas beiras das estradas, nos pés de estátuas, atrás de carros, no mato quando está aflito, de pé, de joelhos, de cócoras ou a fazer a ponte durante festivais de verão, nas piscinas públicas, na areia da praia (sim, sim, as criancinhas também contam...) e vocês estão aí em discussões metafísicas sobre placas com perninhas ou saias nas portas das casas-de-banho?

Uma espécie de Oásis (Cueva del Gato)


Já estávamos cansados e já tínhamos 17 Pueblos Blancos no passaporte das nossas memórias.

 Já tínhamos muitos quilómetros de alcatrão acumulados, muitas montanhas com sol a nascer e a pôr-se decoradas nas retinas, muitas aldeias e vilas feitas noivas, alvas, brancas e puras cravadas em tudo o que vivemos, como se tivéssemos apanhado 17 bouquets sucessivamente que nos dessem acesso ao novo Pueblo, que fôssemos os próximos a que os barqueiros de lagoas, rios, ribeiras e barragens deixassem passar.

 Já tínhamos jamon, tapas em restaurantes e esplanadas, tintos de verano em varandas de hotéis e pensões em noites a dois enquanto a Ana já dormia, já tínhamos granizados, pão estrafegado em tomate, gaspacho frio, queijos e azeitonas compradas à beira da estrada e um desprezo enorme pela dieta durante todo o trilho.

 Já tínhamos o calor da cidade, o borrifar dos aspersores nas ruas de Mérida e o fresco de tantas fontes e fontanelas tatuados na pele. Já tínhamos o cheiro aos olivais e às árvores da serra, ao pó da terra árida e às dezenas de pássaros que voavam conosco sob o mesmo céu, abutres até. Já tínhamos casas brancas, azuis e a memória de uma cor terracota que marcou toda a viagem como os abanicos encarnados com bolas porque os clichês são para se perpetuarem.

 Já tínhamos a Carolina Deslandes, o Jorge Palma e a Luísa Sobral mais o Sérgio Godinho e a Mariza a tocarem na pen do carro e o Despacito na Radiolé e outras estações espanholas com ritmos de verão, pelo menos para nós. Já tínhamos noites estreladas em vales profundos e noites dormidas os três em camas apertadas e manhãs de lutas de almofadas só porque sim.

Faltáva-nos um oásis, daqueles à filme, um presente fresco numa longa travessia num deserto que não é metafórico, pois há muito que não nos sentíamos tão selva.

 Encontrámo-lo, perdidos na serra de Grazalema, e mergulhámos, enfim, nas águas geladas da Cueva del Gato.

 Podem googlar mas o Google nunca vos conseguirá explicar isto assim.

 Isto assim.

Na aldeia azul (Júzcar)


O GPS tinha-nos enganado.

 Nós não stressamos com imprevistos e até sabemos que é dos enganos que muitas vezes se chega a sítios inesperados e ainda melhores. Mas estávamos num trilho terrível, curvas e contra curvas, numa serra que não conhecíamos e num caminho de terra demasiado estreito para o nosso carro com penhascos lá em baixo.

 A Ana cantarolava lá atrás no banco, completamente alheia ao perigo que corríamos. Eu estava em pânico, a ansiedade no pico máximo, com arritmia e completamente descontrolada. Queria parar, voltar a pé, sair do carro e gritar, chorar, ligar para o 112 e pedir socorro, ai que se vem um carro de frente e nós não temos qualquer visibilidade, embatemos, caímos no penhasco e morremos. A Ana continuava a tagarelar, eu estava perdida em orações e a pensar que estava a segundos de ter a primeira crise de ansiedade da minha vida e não podia. Não podia mostrar descontrolo à minha filha, não podia entrar em pânico, tinha que permanecer segura e aparentemente sob controlo. 

Olhei para ele, ali ao lado, pálido e calado, com os maxilares tensos, a transpirar por todos os poros, corpo rígido. Ele estava a conduzir-nos, tinha a vida de nós os três nas mãos, não dizia nada. Não podia mostrar desconfiança na condução do meu marido, tinha que me manter optimista e controlada, tinha que o ajudar a tirar-nos dali.

 Então, respirei fundo-muito fundo- e fui buscar energia, serenidade e gestão das emoções à menina que ficava, aos 5 anos, internada no hospital meses seguidos, a sentir-se sozinha e perdida quando acabava a hora da visita e a minha mãe tinha que sair e a noite chegava e eu só me podia valer a mim mesma. Eu ainda sou essa Liliana, progressivamente segura e controlada, racional e objectiva: tens que ficar, é para teu bem, isto vai passar, não tarda muito tens alta e vais para casa. 

Abri os olhos e comecei a falar com ele: este caminho vai acabar, não sabemos daqui a quanto tempo, mas vai acabar, vamos com calma, somos uma equipa, buzina duas vezes em cada aproximar de curva para que nos ouçam, está quase, vai correr bem. 

Correu. Chegámos à aldeia azul da cor dos olhos deles. Vivos, unos, equipa. Família. Respirei fundo, enfim

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Ainda sobre wcs e género

As casas-de-banho das pessoas com deficiência são usados por homens e mulheres, em total harmonia, há décadas .

 É preciso é que tenham espaço, limpeza e condições para se fazer aquilo que tem que se fazer. 

 Sabia que havia de chegar o ano em que publicamente e assumidamente os “normais” seríamos nós...

“Estamos na terra das casas debaixo da rocha!”


segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Road trip - dia 5 (Arcos de La Frontera)





Estacionámos o carro cá em baixo e vislumbrámos o caminho que haveríamos de subir. Suspirei e tu disseste-me “vamos todos devagarinho, mãe!”.

 Descobrimos ruelas brancas, vasos pintados de vestidos de sevilhanas, uma igreja atípica, falcões e águias nos céus e o poder do teu chapéu fazer sorrir quem por nos passava.

 Espreitámos um miradouro e a planície abraçou-nos como parte da paisagem e depois queixámo-nos do calor e eu tirei da mochila o borrifador do IKEA que usamos para engomar roupa em casa e borrifámo-nos uns aos outros a rir enquanto procurávamos sombra e ar condicionado entrando em lojas que vendiam coisas que nunca iríamos comprar.

 No arco bonito beijámo-nos- eu e o pai- e tu fotografaste-nos e no regresso uma freira velhinha abria a porta do convento e piscou-me o olho. Assim. Eu fui atrás dela primeiro e depois da porta aberta e vi que ali vendiam, através de um postigo, doces caseiros conventuais e tocámos à campainha e a mesma irmã espreitou e disse-te “oh mas que guapa!” E piscou-me outra vez o olho enquanto me aviava biscoitos areados de moscatel e passas e nos explicava que o nosso dinheiro em troca dos bolos reverteria para missões.

 Depois avançámos até à esplanada dos vasos vermelhos às bolas brancas e pedimos uma tábua de queijo e bebidas frescas e rimos sem maneiras, como só sabemos rir. E o carro esperava-nos e a pele estava salpicada da água do borrifador e vínhamos a comer os biscoitos da irmã e eu suspirei, outra vez, desta vez feliz. “Vês? Fomos todos devagarinho, mãe”. 

 Obrigada por acertarem o vosso passo pelo meu, querida Ana.

Road trip -dia 5 (Pueblos Blancos)



Há dois anos planeámos fazer esta viagem: perdermo-nos pelo sul de Espanha na rota dos Pueblos Blancos, pequenas aldeias, lugares e vilas em redor da serra de Cadiz e da serra de Grazalema com povo Serrano e casas brancas, esconderijos secretos, pedaços de história guardados, gastronomia caseira, longe do rebuliço, numa viagem de aventura a três.

 Teria acontecido no ano passado se eu não tivesse ficado doente, depois na penúria e em convalescença e por fim não tivéssemos rumado aos Açores, onde fazíamos falta. A Ana teria seis anos acabados de fazer e seria uma viagem marcante para assinalar esse marco, antes da entrada na escola primária.

 Mas a vida trocou-nos as voltas e mesmo que eu não tivesse estado na penúria, mesmo que os Açores não nos tivessem chamado, a verdadeira questão é que as minhas pernas e o meu corpo nunca me teriam permitido ser andarilho com a minha família por aqui. 

 Este ano, a Ana já tem sete anos, já lê sozinha no banco traseiro do carro e já nos ajudou a fazer o mealheiro durante todo o ano para estas férias. Eu já consigo andar mais de um km seguido, já lhe consigo pegar ao colo encaixando-a na anca quando os seus pés estão cansados e precisa de mimo, já consigo nadar nos rios, piscinas e mar sem me cansar à quinta braçada, já lhe consigo ensinar flamenco improvisado e dançar de forma atabalhoada com ela pelas Calles e já percebi - relembrei-me à força de não a ter- que saúde é tudo.

 É tudo e este ano, por estar rica de pés, pernas, anca e coxas, por conseguir novamente andar, correr, saltar, nadar, subir, descer e dançar- por tudo isto!- é altura de comemorarmos estarmos vivos e com corpos a funcionarem bem e realizarmos os nossos desejos.

 O nosso era o de explorarmos os Pueblos Blancos e tornou-se, sempre a tempo, numa maravilhosa e “preciosa” realidade.

 Olá Pueblos Blancos: vamos criar memórias felizes?!

domingo, 18 de agosto de 2019

Road trip - dia 3 e 4 (Sevilha)



De Sevilha muitas aprendizagens pela primeira vez: aprender que os adultos também precisam de colo e o importante que foi dormirmos os três naquela noite em que recebemos a notícia triste da partida da tia Ascensão, aprender que a tristeza pode ficar aninhada a um canto da alma e a vida prosseguir e sem culpas, sem cobranças sem remorsos porque a vida é de quem a vive, aprender que poucas coisas fazem mais feliz uma criança que lhe permitirmos experimentar ser quem quer ser mesmo que para isso baste um vestido às bolas, um leque e uns sapatos de salto, aprender que a fantasia não pode ficar refém do Carnaval e que o jogo simbólico é das aquisições mais mágicas da infância, aprender que basta passar uma fronteira para ser normal partilhar comida do mesmo prato e que as tapas não são apenas comida mas especialmente amor partilhado, aprender que remar de barco parece fácil mas que só lhe sobrevivemos com bom ritmo, inteligência, estratégia e trabalho em equipa como afinal acontece com quase tudo na vida, aprender que viajar em família só tem sentido se respeitarmos os gostos, vontades, desejos, ritmos e características de cada um e que ceder para ver o outro feliz não é chato mas apenas uma oportunidade de dele ficarmos mais próximo, aprender que as melhores viagens não têm horários nem rotinas e que férias são para se irem vivendo devagarinho e sem planos, enganando-nos no caminho para nos surpreendermos com a surpresa do desconhecido e do jamais planeado. 

 De Sevilha aprendemos que os três somos os melhores companheiros de viagem uns dos outros, a dizer “olé” acentuando na tónica certa e que abanicos de 3 euros podem fazer-nos ainda mais felizes.

Óle.

sábado, 17 de agosto de 2019

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Road trip- pausa a meio do dia 2 (Sevilha)




Sou uma inconsequente e ensinei a música do genérico “Juego de la Oca” à minha filha, que a canta em looping e isto se fosse mesmo como nos anos 90 eu dava o cabelo ao manifesto no barbeiro aqui do burgo só para ela se calar.


 Socoooooorrrrrooo!

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Road trip - dia 1 (Mérida)



De Mérida a procura em vão de referências à princesa da Disney com o mesmo nome.


 De Mérida little Roma ao virar de muitas esquinas, as primeiras palavras em castelhano da Ana, calor que nos abraça e nos sufoca, abanicos às bolas porque muitas vezes os clichés são sempre as melhores ideias. 

De Mérida tinto de verano em salas climatizadas, o primeiro gazpacho da Ana, pontes romanas, a procura da próxima loja com ar condicionado, o templo de Diana, o circo romano, o museu, a lembrança que trazíamos no carro o borrifador que usamos para engomar roupa e, a partir daí, a diversão completa pelas ruas quentes e boas, boas e quentes. “E se andássemos no comboio e visitássemos os monumentos todos à turista?” e logo a seguir Mérida vista do amarelinho, o aqueduto dos milagres, o teatro romano, a ponte romana a dar-nos o tom da metáfora, pássaros em voos picados no céu.

 Mérida que acolhia os veteranos romanos depois de muitas lutas e batalhas na pele (para nós também), Mérida cidade de compensação, Mérida no coração.

Road trip - dia 1 (Zafra)




De Zafra musicas e milhas acumuladas na alma, um passeio à noite com vento quente a beijar-nos os rostos, fotografias dos três tiradas em cabines fotográficas de rua, um parque infantil à meia noite enquanto na esplanada das Palomas ouvíamos música ao vivo, o castelo iluminado pela lua cheia e depois pelo sol ali ao lado.

 De Zafra uma cama para três, um espreguiçar lento, a Ana a dançar num spanish yard, aspersores a acariciarem-nos a pele com gotículas minúsculas de água fresca, o ninho de cegonha na torre mais altaneira, a partilha da minha paixão pela fotografia com a Ana e as primeiras explorações fotográficas a duas, uma fonte que se espreita e nos refresca inesperadamente, a grande Plaza, mãos dadas sem pressas, o cheiro a azeite quente na refinaria ali ao lado e o desejo absurdo que a memória nunca nos apague a sinestesia de pequenas cidades descobertas ao acaso num mapa.

 A sinestesia das descobertas inesperadas e a capacidade de passivamente nos deixarmos maravilhar.

 De Zafra: o amor em tons de terracota.

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Road trip- dia 0



Saímos depois de almoço: uma mala de roupa para cada um, um saco com os sapatos de todos e uma mochila de higiene. Um cesto com comida e bebidas, uma mochila para cada um com termos cheios de bebida. Uma pen com música que a minha mãe gravou ao gosto de cada um de nós, uma almofada de pescoço para a Ana e ála.


Acreditamos que aos sete anos podemos partir numa aventura no asfalto: temos uma rota definida, reservas de dormidas para os primeiros três dias (depois logo se vê quanto tempo queremos ficar em cada sítio que não gostamos de coisas muito rígidas), duas máquinas fotográficas para mim e a Ana, um diário de viagem para a Ana e papéis e aguarelas para o Rui, este instagram para mim. Aos sete anos vamos celebrar a descoberta, a emoção do desconhecido, a imprevisibilidade da vida e a família.


 A união merecida sem horários rígidos, compromissos, stress e afazeres: a liberdade.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

À Ana, na comemoração do seu sétimo aniversário



Há sete anos não dormi ansiosa por tu chegares. 

Esperei-te como quem espera todas as estações do ano: esperei-te como quem espera a primeira flor de cera no vaso lá fora que só brota uma flor por ano, esperei-te como quem espera o primeiro dia de praia com o mergulho silenciado por outono, inverno e primavera e o sabor do sal a abraçar-nos a pele, esperei-te como quem espera o primeiro chá quente e scones a sair do forno em tardes de vento e chuva, esperei-te como quem espera a meia noite da véspera de Natal. 

Esperei-te, Ana, como quem espera o amor completo. 

Ontem, depois de quase uma semana de ausência, depois de reclamares a atenção que é tua por direito, depois de pedires colo, beijos e abraços, cafuné e chamego, depois de empurrares cadeiras de rodas, ajudares a transportar tabuleiros no refeitório, de brincares sentada no chão porque se eles não podem usar as pernas tu também não queres usar, depois de teres abraçado a menina que caiu, depois de teres ajudado a pentear outras meninas mais velhas que tu e ajudares a calçar o menino que teve um surto, achei que te tratávamos como uma adulta. 

Olhei-te de fora e vi-te, crescida e madura como as primeiras cerejas, os primeiros figos de setembro, os dióspiros mais melosos e as laranjas mais sumarentas. E chamei-te, culpada por esperar tanto de ti e abracei-te, era meia noite e estavas de vassoura a varrer a sala de formação: “Parabéns, meu amor! Desculpa não nos temos conseguido despachar mais cedo! Desculpa não estares ainda a dormir! Amanhã o dia é só para ti!”.

 E tu, cansada e ansiosa por virmos passar este dia a casa, abraçaste-me: “não faz mal, mãe: eu gosto muito de te ajudar a ajudar os meninos da colónia!” 

Esperei-te há sete anos e admirei-te em todo o esplendor de uma natureza completa como nesta noite de vassoura nas mãos e a doçura de todas as frutas maduras no coração. 

Esperei-te há sete anos como quem espera o amor. Obrigada por mo trazeres inteiro e completo. 

Sete anos, Ana. 

Há sete anos saiu-me o sete no Totoloto: és o meu jackpot. 

Parabéns, meu amor!

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Joana e João



Estamos no campo de treino.

Lá dentro está o serviço de discoteca móvel que contratámos para substituir o wow que não conseguimos por conta do surf cancelado devido ao mau tempo. 

Estão eufóricos e dançam muuuito. 

Começa a dar um slow e ele, dezasseis anos acabados de fazer e monitor pelo terceiro ano consecutivo, agarra na irmã mais velha cadeirante ao colo e sustenta-a numa dança que nos deixa comovidos. 

O amor substitui quaisquer pernas que não funcionem.

sábado, 3 de agosto de 2019

Não exijo nada menos que uma tatuagem a dizer "Amor de mãe" quando ela for adulta

Há meses que a Ana insiste em que este ano seja eu que faça o seu bolo de aniversário.

 São duas de amanhã e ainda não fiz malas para levar para o campo de treino que começa esta manhã e que me obrigará a estar uma semana ausente de casa mas fiz o ensaio geral do bendito bolo.





Que o Santo Buddy Valastro me proteja!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...