sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Loucas são as noites que passo sem dormir

Duas noites seguidas. Duas insónias.
Um pensamento recorrente: que será feito da Pomba Gira?



(Freud explicará?)

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Finalmente o Mundo tridivide-se entre...

... Hillary Clinton, Donald Trump e... Pedro Dias.

O Mundo divide-se entre...

... a possível vitória de Hillary Clinton nas eleições de hoje e a possibilidade do Mundo deixar de se dividir no quer que seja.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Chamada quadripolar ao pessoal do Norte!



Depois do sucesso do ano passado com a Children Street Store que deu frutos tão bonitos que a parceria se estendeu para além do evento (sim, tenho um post em atraso desde Julho, mas prometo que o recupero tão breve quanto possível) o Bairro do Amor este ano arranca com "A Loja do Bairro do Amor."

E o que vem a ser isto, Pólo Norte?- perguntam-me vocês, com muita pertinência.

A Loja Do Bairro do Amor é um evento destinado a crianças provenientes de contextos desfavorecidos, residentes na região metropolitana do Porto, com idades compreendidas entre os 3 aos 18 anos de idade.

Porquê fazer compras ao invés de simplesmente encaminhar roupa doada para as instituições que acolhem estas crianças e jovens? Porque o processo de fazer compras implica liberdade de escolha, capacidade de selecção e de decisão, ao invés do habitual processo de recepção do que é doado, em que cada criança simplesmente recebe o que lhe é dado, numa lógica mais funcional do que de gosto pessoal, numa lógica de recepção sem critério e nunca de escolha. 

As crianças poderão percorrer a loja e experienciar a o processo de escolha de produtos, onde, mesmo sem troca de dinheiro, podem “comprar” roupa, brinquedos, calçado e material escolar ao seu gosto, bem como usufruírem do serviço de cabeleireiro, animação e lanche. 

Em 2015 participaram na nossa loja cerca de 120 crianças que se encontravam institucionalizadas. Toda a reportagem desse dia com imagens maravilhosas pode ser vista aqui.

E este ano, a loja acontecerá quando?

Assim, este ano, no dia 3 de dezembro apenas estarão presentes na Loja do Bairro do Amor os “clientes” e os voluntários lojistas do Bairro que se inscrevam para o efeito, de forma a preservar a privacidade dos que participam, não os expondo mas recebendo-os num ambiente contentor. 

Quem pode participar?

Todos podem participar, contribuindo para o stock da loja através de donativos de roupa, calçado, material escolar e brinquedos, entregando-os num dos pontos de recolha que disponibilizamos para o efeito e que se encontram indicados no evento. 

Onde posso entregar os meus donativos, Pólo Norte?

Nos variados pontos de recolha.A saber:

LAR NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO
Rua Santos Pousada, n.º 182 | 4000-478, Bonfim, Porto
De Segunda a Quinta feira, das 9:00h às 11 horas

CAFÉ INOVADOR
Travessa da Mouta n.º 150 | 4470-089 Maia
Das 7:00 às 22:00 horas, de Segunda-feira a Sábado.

CLÍNICA DR. FERNANDO PÓVOAS - PORTO
Av. Fernão Magalhães n.º 1585 | 4350-170 Porto
De segunda a sexta feira das 9:00 às 19:00 horas.

CLÍNICA DR. FERNANDO PÓVOAS - LISBOA
Estrada da Luz, 90 - 11ª - Sala E
1600-160 Lisboa
De segunda a sexta feiras, das 9:00 às 19 horas.

INDOOR KARTING CALDAS DA RAINHA |
CALDAS DA RAINHA
Rua João Reis, Zona Industrial
De Terça feira a Domingo, das 16:00h às 00:00horas

CINTA, LDA. - SINTRA
A/C: ROSA SANTOS
Terrugem
2705-869 Terrugem | Sintra
De segunda a sexta feira, das 8:30 às 17:30h.

Dúvidas, questões, ansiedades?

Contactem-nos para: porto@bairrodoamor.com

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Neste momento ele está dentro de um avião..

 
 
... e eu estou ansiosa como uma adolescente a esperá-lo.
Um companheiro de uma vida acaba por se tornar em família, quer queiremos quer não, como se a vida antes dele chegar fosse embrionária nestas coisas do amor passional, do amor da conchinha na cama, do amor do cafuné no sofá, do amor da canja levada à cama quando estamos doentes e do amor do ADN misturado num filho a dois.
Há muito tempo que não estávamos separados tantos dias seguidos e é bom perceber que somos independentes, que o curso do dia segue fluido independentemente da presença um do outro, que não precisamos funcionalmente um do outro e que é isso tudo que faz com que termos decidido ficar um com o outro, que faz sabermos que estarmos juntos é sempre melhor que estarmos sós, que termos decidido ser um plural sem precisarmos um do outro mas por gostarmos tanto um do outro, torna tudo mais mágico e especial.
Um companheiro de uma vida acaba por ser parte de nós, ter lugar nos espaços que percorremos todos os dias e ter timings certos nas horas dos nossos dias.
E o bom disto das saudades é que são provisórias e não tarda muito ele está aqui a contar-me como foram os seus dias, o que aprendeu, o que me quer ensinar e todas as histórias que viveu na ausência de nós enquanto plural que somos. E o bom disto das saudades é que a distância não muda nada e não tarda nada eu conto-lhe como foram os meus dias, o que vivi, o que memorizei para não me esquecer de lhe contar e todas as pequenas histórias que vivi na ausência de nós como plural que somos. E o bom disto das saudades é lembrarmo-nos, por força da separação dos dias, da bifurcação provisória dos caminhos, que somos seres individuais e que essa individualidade se mantém e se pode transportar até ao reencontro do plural que somos.
Neste momento ele está dentro do avião. "Coração ao ar!"- assim está o meu. O bandido conquistou-me para todo o sempre.
E, sim, o bom disto das saudades é que estão quase a terminar. Um companheiro de uma vida faz parte de nós mesmo quando não estamos nós. Sim, estamos. Porque nós, independentemente de onde cada um de nós estiver no tempo ou no espaço, somos sempre um nós.
Um plural mesmo bom.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Faz tudo parte do sistema respiratório, right?

Mámen trouxe-me uma caixa de gelado. Diz que faz bem à garganta.

 Estou mal  é dos brônquios mas quem sou eu para o contrariar...

Bronquite: definição

Bronquite-  nome feminino inflamação e/ou infeção da membrana mucosa da árvore brônquica

(quadripolarês)-  brônquios copulados, sensação de cuspir os pulmões, tosse de cão cheia de gosma, sintoma de quem se está quase a finar.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Não sei por quanto tempo mas...

... ele voltou.

Quadripolarização durante despedida de solteira? Done!


"Olá Pólo,
Finalmente segue a quadripolarização de Maastricht, na Holanda.
Tirei a foto na minha despedida de solteira, daí aquele belo ovo a adornar a paisagem, com que tive de andar todo o dia!
Coloquei "we ❤ pólo norte!" Porque efectivamente é assim, eu e 4 amigas, tudo emigrado na Holanda, somos tuas leitoras assíduas! (Ana M.,  Ana R., Liliana, Magda e Joana).
Espero que gostes! 
Bjinhos

Ana M"


Adorei, querida Ana! Que cuides dos tempos de casada que aí vêm como cuidaste desse ovo: com cuidado e zelo.

Beijinhos enormes para ti e para a outra Ana (vivam as Anas), a minha xará Lilas, a Magda e a Joana


 [Todos os países quadripolarizados aqui]

sábado, 3 de setembro de 2016

Para os meninos ursos, muitos anos de amor

"Quando acordaram de manhã, na mesma cama, ela disse-lhe que queria ter um passado com ele. Não era um futuro, que é uma coisa incerta, mas um passado, que é isso que têm dois velhos depois de passarem uma vida juntos. Quando disse que queria ter um passado com alguém, queria dizer tudo. Não desejava uma incerteza, mas a História, a verdade." 

Afonso Cruz in "Jesus Cristo Bebia Cerveja" (Alfaguara)


Estamos de partida para assinalar a data em que assumimos perante o Deus em que ele acredita e as pessoas em que eu mais acreditei e acredito na vida que, sim senhor, queríamos tentar ser o final feliz um do outro. 


Muitas vezes temo-lo conseguido.
Hoje também. 

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Só por causa das tosses...

Lombok(Indonésia)-Kuta, Selong Balanak Beach

Lombok(Indonésia) -Sengigi Beach

Os amigos das outras pessoas trazem-lhes ímans, canecas e t-shirts deprimentes como recuerdos das férias.
As minhas quadripolarizam-me os sítios como se espetassem uma bandeira de amizade quadripolar pelos sítios por onde passam.

Obrigada, querida Marta.


 [Todos os países quadripolarizados aqui]

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

O Mundo divide-se entre...

... quem está de férias em Agosto e os outros.

E assim começa Setembro...


E Singapura- pelas mãos da querida Marta na infinity pool do Marina Bay Sands- está quadripolarizada!

Obrigada, Martinha!


[Todos os países quadripolarizados aqui]

terça-feira, 30 de agosto de 2016

We’re The Superhumans!

“We’re The Superhumans” é a campanha de apoio do Channel 4 à equipa Paralímpica Inglesa nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro.

Ao som de " I Can” assistimos a garra, superação, espírito de sacrifício, esforço, trabalho, disciplina, talento e, feito de tudo isto, desporto.

Brilhante!

              

sábado, 13 de agosto de 2016

O Mundo divide-se entre...

... quem prefere aletria e quem prefere arroz doce.

MÃEGYVER| Festa das sereias

Quando a Maria João me apresentou os serviços da Party Lovers, numa fase em que me apetecia tudo menos pensar em festas, preparativos, lanche, decoração da mesa, pude finalmente suspirar. 
Adoro organizar as festas da Ana, adoro a excitação que antecede o grande dia, o entusiasmo da Ana, a escolha do tema, o facto das minhas grandes amigas, entre as quais a madrinha da Ana, se envolverem e participarem na organização de tudo mas este ano não tinha energia nem ânimo, motivação ou disponibilidade mental para o fazer. 
E se, por um lado, gosto de acompanhar tudo, de controlar todos os detalhes, de pôr o meu amor em cada pormenor, este ano tive que me resignar à minha incapacidade para o fazer com a atenção e dedicação que a minha filha merece e confiar em alguém que fizesse a minha vez. E não me arrependi pois a Maria João percebeu o que a Ana queria e concretizou cada ideia, cada desejo, cada detalhe e organizou a festa com um ingrediente essencial, o único segredo que garantia que não se notasse a minha ausência de todo este processo: amor. 
E assim foi. O tema estava escolhido desde há meses e era Rapunzel mas, como é apanágio da minha filha, a duas semanas antes do dia, decidiu alterar a temática e andava a suspirar por uma festa com sereias. Sabíamos que queríamos um lanche de final do dia para respeitarmos as sestas de quem ainda faz sesta, para evitarmos as horas de maior calor e para conseguirmos que quem trabalha pudesse juntar-se a nós no final do expediente e foi a melhor ideia de sempre. 

Convite: Ditongo

Quanto ao espaço - e devido a todas as circunstâncias familiares- andámos à procura de um espaço que não a nossa casa (embora tenhamos espaço exterior) e, num instante, a escolha recaiu na Quinta do Marquês,  mesmo ao lado de casa, um sítio que conheço desde sempre, onde brinquei muito em criança e fui muito feliz e que é, agora, também um local maravilhoso para festas, com um espaço exterior fresco e cheio de sombras, espaçoso e ideal para as correrias das crianças, a instalação de insufláveis e trampolins e com sombras onde os crescidos podem usufruir sentados em poufs fofos e confortáveis. Em suma: perfeito!



´



Tivemos sorte com a tarde e uma brisa refrescou-nos durante toda a festa. Percebi este ano, pela primeira vez, que havendo um insuflável e um trampolim, a festa está feita para os mais pequenos e nunca mais abdicarei destes. Os miúdos puderam correr e saltar à vontade, tiveram espaço para gastar energias e sentirem-se livres  e não passaram a vida "em cima" dos adultos, que puderam usufruir da festa, descansados, uma fez que o espaço estava resguardado e exclusivo para usufruto dos convidados da Ana, sentindo todos uma liberdade, uma descontracção e uma sensação de segurança partilhada. Obrigada à querida Vera da Quinta do Marquês por todo o apoio que nos deu, pela simpatia e disponibilidade constantes e parabéns pelo projecto que tem tudo, tudo, para continuar a ser o maior sucesso!
Depois? Depois aconteceu magia pelas mãos da Maria João da Party Lovers que  decorou todo o espaço interior e exterior de uma forma querida e criativa que fez as delícias de todos mas, em especial, da Ana: afinal, havia sereias! Sereias por toda a parte!



sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Aos 9 de Agosto de 2016: à Ana por ocasião do seu 4º aniversário



Fazes quatro como uma espécie de teste de equilíbrio que trouxeste às nossas vidas.

És o meu maior amor e amar-te faz parte de mim como respirar, ter pulsação ou sorrir involuntariamente quando estou feliz.
Amo-te pelo que és e somos tão diferentes em tantas coisas. Amo-te pelas novidades que me trazes todos os dias, pela pessoa que te revelas a cada momento como um tesouro no fundo do mar, que se descobre devagarinho, quando mais fundo se mergulha, quanto mais abertos conseguimos manter os olhos debaixo de água, quanto mais crescemos juntas, tu e eu.
Amo-te em todas as nossas diferenças de personalidade, de gostos, de reacções ou formas de estar. Amo-te em cada reacção, em cada acção, em cada gesto, em cada obstáculo ultrapassado, em cada conquista, em cada resposta, em cada "amo-te, mamã!" que me dizes de repente, em cada birra, em cada pedaço de ti.
Nasceste dia 9 e eu sei que não foi por acaso. Trouxeste às nossas vida esta prova dos nove e alertaste-nos para cada erro, acertaste todas as contas das nossas vidas, puseste cada coisa, cada emoção, cada afecto, cada pedacinho do coração no sítio certo, sem margem de erro, sem subtracções nem divisões, só somas e multiplicações. E exponenciais.
Somos maus de matemática, nós os teus pais das letras e dos desenhos, das histórias e das cantigas, dos colos e das cavalitas, dos abraços de família. Tu trouxeste-nos a magia dos números que amas, das contas que te desafiam, dos dedos estendidos a fazerem cálculos, da prova dos nove e deste quatro que fazes hoje, como um teste de equilíbrio que trouxeste às nossas vidas.
Um teste de equilíbrio superado.
Fazes quatro, querida Ana, com o equilíbrio das 4 estações do ano, com a precisão das pontas dos compassos e com a plenitude dos quatro elementos. Com o espanto de um trevo de quatro folhas. 
Quatro anos, querida filha: olhos de água, cabelo de terra, coração de fogo e sorriso do ar que faz todo o céu.

Feliz Ano Novo, meu amor. Para sempre.


[Texto escrito a 09-08-2016]

Eu achava que a vida trazia GPS incorporado

Courage,


["Na verdade não traz. E eu perco-me algumas vezes, depois reencontro os caminhos, volto a situar-me e prossigo em frente. Pé no acelerador (sempre) mas, cada vez mais, o cuidado de ter a certeza de que os meus reflexos me assegurarão travar a tempo e carregar na embraiagem, para não deixar que isto vá abaixo, para não perder velocidade, para não parar. 
Há poucas alturas em que me perco totalmente, fico desorientada, sem rumo e sem certezas, sem estrada de terra batida ou alcatrão, sem chão. 
Hoje, pela terceira vez na minha vida, morreu-me uma pessoa. Morreu-ME que é diferente de morrer uma pessoa, morreu-ME para sempre, num caminho sem volta, num vazio que fica.
Quando morre um dos meus, um daqueles que sempre foram meus, que sempre fizeram parte da minha vida, perco-me por inteiro. Como quando vamos num caminho que percorremos todos os dias e, de repente, nos tiram uma referência, nos fazem questionar em que raio de estrada estamos, uma estrada sempre nossa, sempre familiar, uma estrada que sempre percorremos e que, de repente, nos afigura estranha e desconhecida. Assustadora apesar da sensação de dejá-vu. 
O meu tio morreu. Esperámos a morte anunciada com uma esperança ingénua de que o amor contrariasse o destino. De que cada tratamento e protocolo prescrito pudesse trazer um milagre, um revés, uma esperança, um adiamento. Acreditámos na cirurgia que nos propuseram para que pudesse ouvir melhor o ajudasse, efetivamente, apesar do tumor lhe empurrar o canal auditivo. Acreditámos que estava melhor quando deixou de expulsar pelo nariz os líquidos que tentava ingerir apesar de ser apenas sinal que o tumor crescia e lhe bloqueava também esse canal. Pusemos fé nos protocolos combinados de radioterapia e quimioterapia e tentámos não nos impressionar com a pele do pescoço queimada e em sangue após cada sessão, a magreza crescente, as tonturas e os desmaios. Tentámos não valorizar a falta de audição e ajustámos o nosso tom de voz e a nossa impaciência e frustração para que continuássemos a comunicar. Tentámos não mostrar que era cada vez mais difícil perceber a sua voz, cada vez mais fraca, cada vez mais embrulhada naquele maldito cancro. Custou-me, a cada dia que passava, encarar a sombra em que o meu tio se ia entornando, confrontar-me com aquela imagem doente e cadavérica, às vezes evitava que os meus olhos se cruzassem com os seus, na expectativa vã que não percebesse o nó que me crescia, também a mim, na garganta, não por solidariedade mas por tristeza profunda, por medo que me percebesse o medo, o lamento, a minha sensação merdosa de impotência. 
Numa consulta a que fui com ele o médico mandou-o despir a camisa. As lágrimas fugiram-me e tentei disfarçar: o meu tio parecia uma vítima do Holocausto. O meu tio que sempre gostou de comer, de beber, de chocolatinhos em miniatura e de enchidos gulosos, de passarinhos fritos que apanhava com ratoeiras com formiga de asa, de sandes de courato nas roulotes em dias de jogo na Luz, de moelas e petiscos. O meu tio que nunca foi requintado, o meu tio que era um bon vivant, cá da malta, o meu tio estava a desaparecer, de dia para dia, ossos a desvendarem-se, carne a evaporar-se, olhos a amarelecerem-se, pernas a fraquejarem. 
Tentei sempre mostrar que ia passar, que havia esperança. Tentei não dar o flanco, ser rija, não mostrar que estava com medo, continuei a falar-lhe como sempre, sem mariquices nem mimimis que cá em casa somos assim, rijos e pragmáticos, excelentes escondedores de emoções. 
32 quilos. O meu tio com 32 quilos, os olhos e a pele bacilentos, o sorriso fechado, o corpo a morrer. Eu a entrar no S.O., a pedido da minha mãe, a tentar convence-lo a deixarem-lhe instalar a peg que o impediria de morrer à fome, que lhe providenciaria a alimentação que o maldito cancro não deixava passar. O meu tio a encarar-me, a tentar gritar, desesperado, a dizer "Tu não! Tu não! Por favor, Liana, não!".  Eu a pedir-lhe que me ouvisse, a falar-lhe ao ouvido que ainda escutava, a explicar-lhe a importância de permitir aquele tratamento, a desvalorizar e a simplificar o procedimento. Os olhos dele nos meus "Não! Por favor, não! Quero ir para casa!". Eu a sair do S.O. , a chorar na casa de banho, escondida, para ninguém me ver. Eu de cara fechada a voltar a entrar, a sussurrar-lhe ao ouvido que estava bem, que ele é que sabia, que iríamos para casa, que ia ficar tudo bem, que não se preocupasse, que ninguém o obrigaria, que tivesse calma. Eu a falar com a médica, a pedir à enfermeira que lhe tirasse o catéter, a empurrar-lhe o corpo na cadeira de rodas, a arranjar-lhe o cigarro pelo qual desesperava há horas, a ajudá-lo a entrar no carro, a subir as escadas, a deitar-se no meu sofá, este onde estou agora a escrever e onde ainda lhe sinto o cheiro, lhe vejo o rosto, lhe sinto a presença.
A noite inteira acordada a vê-lo em agonia silenciada. "Deita-te um bocadinho, tio!" "Se me deito fico-me, Liana" "Não ficas nada, que disparate!" Eu a pedir ao Deus que muitas vezes não encontro que não o deixasse ficar-se. Eu a ajeitar-lhe as almofadas. A oferecer-lhe fruta passada, "Tenho fome mas não consigo. Estou cheio de fome mas não consigo, arde-me tudo Liana" Eu a ampará-lo até à casa de banho, a dar-lhe todos os medicamentos, a passar-lhe as bombas, o cotonete gigante para fazer a limpeza, os bochechos. Ele aflito, a tosse, a dificuldade em respirar. Eu a querer ajudar e a não servir para nada. Ele a pedir-me que lhe arranjasse um cigarro, "não tenho, tio. O Rui deixou de fumar". Ele agitado, nervoso. Seis da manhã, "vai-me comprar cigarros, por favor, Liana!". Eu à procura de tabaco perdido cá em casa, a encontrar um maço e a vê-lo sorrir, com vontade de sorrir, com alívio e olhos a rirem-se para o maldito vício que o matou. O fumo a sair-lhe da boca que não deixava entrar nem sair nada mais. 
A minha mãe a apanhá-lo. A minha mãe a fazer o que sempre fez, a assumir o comando do barco, a levá-lo para o hospital novamente, a gerir tudo. A minha mãe a ligar-me "o médico mandou despedir-nos dele. Está muito fraco. Ficou internado e não deve passar desta noite." A minha mãe a chorar e a minha mãe nunca chora e eu com mais medo e tristeza e um nó cada vez maior na garganta, numa noite em branco a aguardar, acordada, quem julgava que me iria acordar com notícias tristes, O sol a romper as frestas da janela. O telefone num silêncio que ansiava e temia. 
O papel único do meu amigo Luis, enfermeiro de mão cheia. A sua intervenção para tudo o que se seguiu: "Se quiseres que ele não morra sozinho vai para lá para o pé dele". Vesti-me para o dia da morte do meu tio e cheguei, autómata, ao hospital. 
Respirava com a ajuda de uma máscara, olhos semi-cerrados, máquinas por todo o lado, pele ainda quente, morfina ao lado e uma serenidade que nunca lhe conheci. Toquei-lhe no rosto, nos ombros, falei-lhe ao ouvido que ouvia aquele tempo todo, devagarinho. O seu coração acusava que me estava a ouvir, a frequência cardíaca aumentava ligeiramente a cada frase minha e eu rezava para que aquele gráfico das pulsações não parasse de subir e descer, mesmo que eu tivesse que falar para sempre, que nunca mais tivesse que me calar. 
O meu tio com mais dificuldades em respirar. Senti que estava quase na hora. Dei-lhe a mão e pedi-lhe que se sentisse em paz. Apertou-ma pela última vez e deu um suspiro mais alto. Depois a máquina começou a ter linhas rectas, a pulsação começou a parar e ficámos ali os dois, ainda de mãos dadas, ainda quentes, mais um tempo, não sei precisar, os meus olhos inundados num mar de dor, a minha garganta num nó cego, o meu coração numa escuridão que esvazia. 
O meu tio morreu, estava calor na rua mas a sua pele arrefeceu e eu fui a pé para casa, a chorar devagarinho com pena dele e da vida, lamentando escolhas e infortúnios, sentindo-me cada vez mais só no Mundo e esvaziada de amor. 
Eu achava que a vida trazia GPS incorporado mas não traz. E quando desaparece, assim, uma referência que sempre lá esteve, eu perco-me e dificilmente me volto a achar, até posso voltar ao caminho mas o caminho nunca mais é o mesmo e fico perdida de qualquer maneira. Morrem-me pessoas e eu morro sempre um bocadinho com elas, as pessoas para quem eu sou a Liana, a miúda, as pessoas para quem eu posso ser só eu. 
A vida não tem satélites que ajudem a recalcular o percurso mais rápido, mais fácil, onde se pagam menos portagens ou onde cheguemos mais rápido ao nosso destino. A vida não tem sequer mapas ou bússolas e às vezes temos que nos resignar a prosseguir pelos caminhos confiando na fé e nas estrelas. 
Talvez seja por isso que acredito naquilo que disse à Ana: "O tio foi para o céu e mora agora numa estrelinha". 
Que a sua estrela, como a do meu avô e da minha avó, me guie sempre que me perca já que tenho a certeza que a vida não vem com GPS incorporado. 
Por agora? Por agora só vejo- ainda- escuridão." ]

Aos 6 de Agosto de 2016, pela morte do meu tio

domingo, 7 de agosto de 2016

"Somos só sobreviventes com carimbos falsos nas credenciais"

                         

Vamos lá contar as armas
tu e eu, de braço dado
nesta estrada meio deserta
não sabemos quanto tempo as tréguas vão durar...

há vitórias e derrotas
apontadas em silêncio

no diário imaginário
onde empilhamos as razões para lutar!

Repreendo os meus fantasmas
ao virar de cada esquina

por espantarem a inocência
quantas vezes te odiei com medo de te amar...

vejo o fundo da garrafa
acendo mais outro cigarro
tudo serve de cinzeiro
quando os deuses brincam é para magoar!

Vamos enganar o tempo
saltar para o primeiro combóio
que arrancar da mais próxima estação!
Para quê fazer projectos
quando sai tudo ao contrário?
Pode ser que, por milagre,
troquemos as voltas aos deuses

Entre o caos e o conflito
a vontade e a desordem
não podemos ver ao longe
e corremos sempre o risco de ir longe demais

somos meros transeuntes
no passeio dos prodígios
somos só sobreviventes
com carimbos falsos nas credenciais

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Festa do 4º aniversário da Ana: preparativos


"Então Ana, como vamos fazer a tua festa este ano?"

"Eu queria uma festa da Pequena Sereia, mãe!"

"Hummm, boa! Deixa a mãe pensar..."

"É fácil: tu mascaras-te de Athena, o pai de Tritão e alugamos o fundo do mar, que achas?"

...

...

...

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Aniversário morto, aniversário posto

E é assim desde há quase quatro anos: findas as comemorações do meu aniversário começam, logo, logo, os preparativos para o aniversário da Ana. 
Ao longo destes três anos fomos fazendo várias experiências, verificando o que resulta e o que não resulta, o que é para manter e o que temos que alterar. 
No ano passado a meteorologia apontava para chuva no dia de aniversário dela, pelo que, todos os nossos planos de festa no exterior foram gorados e tivemos que levar tuuudo para indoor. Resultado: esteve um calor insuportável. 
Este ano já temos tema (a ver se a Ana não se arrepende e não quer mudar à última da hora como de costume) e temos tuuuuuudo por preparar. Estamos, assim, à procura de um espaço fresco (de preferência com piscina) perto de casa, de uma empresa de aluguer de insufláveis que não pratique preços obscenos e ainda de arranjar uma nova cake designer, que a nossa Raquel fechou para sempre, deixando-nos orfãs de bolo e num desgosto profundo.

Sugestões são bem-vindas!

sábado, 16 de julho de 2016

Quando o amor tem uma morada # Prólogo

Primeiro éramos as duas, num dia com sol de Inverno, numa mesa de café em Coimbra a falarmos do projecto que nos une. A Marta é a madrinha do Bairro do Amor do Porto e, provavelmente, a mais hiperactiva. Estávamos no rescaldo de uma Street Store trabalhosa e onde grande parte do trabalho  físico, logístico e de preparação acabara por, motivos vários, por ter ficar entregue a não mais que  duas ou três pessoas, entre as quais a Marta que ainda acusava cansaço. 
Nesse dia reunimos para projectar 2016, o que gostaríamos de fazer no Porto, o que sonhávamos, o que sabíamos que seria impossível mas, mesmo assim, precisávamos verbalizar, realidades possíveis e sonhos e aspirações difíceis de concretizar. 
Na Street Store tinham estado presentes muitas instituições de apoio à infância e juventude do grande Porto: porque não tentarmos ajudar uma delas? Questionei a Marta qual a instituição onde ela tinha identificado mais a filosofia do Bairro do Amor, os valores, a missão, com quem tinha tido mais empatia. A resposta foi imediata: Lar da Nossa Senhora do Livramento. Pedi-lhe que na segunda-feira seguinte telefonasse para a Directora do Lar a questionar quais eram as necessidades mais prementes e regressei a casa, descansada.
Era Inverno - já disse?- e na segunda-feira seguinte a Marta devolveu-me a resposta: aquecedores. "Aquecedores?"- perguntei eu, intrigada. O Lar era demasiado grande e as meninas não tinham aquecedores e fazia frio no Porto, pelo que, essas eram, verdadeiramente, as necessidades mais emergentes. 
Num instante a Vera e a Miriam se ofereceram para doar os aquecedores novinhos e a Marta entregou, ainda nessa semana, os ditos cujos no lar: quatro aquecedores. Ligou-me a caminho da instituição, nesse dia, e eu insisti: "para além dos aquecedores pergunta mesmo às meninas- não às educadoras, às miúdas mesmo- do que mais sentem falta". No final do dia ela trazia-me a resposta: tapetes para quando saíssem da cama não enregelarem os pés e quadros de cortiça para pendurarem traquitanas pessoais. 
Quis perceber como era o lar pedimos umas fotografias e o que nos chegou era desolador. Não mau nem indigno mas menos do que as miúdas mereciam e nós acreditávamos que poderíamos dar. 







E depois desse dia, ainda em Fevereiro, não mais parámos. E já não éramos só duas...


(continua)


"Quem estraga velho, paga novo!"

Querido Mámen, 

O meu aniversário acontece dentro de 1 dia. Uma palavra para os indecisos: abdominoplastia.

De nada.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

A EXPERIMENTAR | Um restaurante goês que nos faz exclamar "Oh, Jesus!"

Depois de uma aventura no trânsito e demorarmos uma hora a atravessar a cidade eu sabia que a minha amiga Joana, fotógrafa intrépida e intensa, uma das tipas com menos paciência que conheço me reservava uma experiência gastronómica especial. Afinal, se não desistiramos a meio do caminho e do trânsito para entrar numa qualquer tasca e aviarmos um prego e uma imperial porque ela fazia MESMO questão de me levar ao "Jesus é Goês" é porque teria mesmo que vale a pena. 
Chegámos e Jesus Lee (o dono, cozinheiro, empregado de mesa e alma do pequeno restaurante ali na rua de São José) esperava-nos no passeio em frente à porta do restaurante, soltando impropérios pelo atraso. A rezinguice divertida acompanhou-nos toda a refeição como uma espécie de especiaria desconhecida, picante e incrivelmente saborosa que fez deste almoço uma verdadeira experiência gastronómica. 
Começámos com Boges com chutney de coentros, mini-burgers maravilhosos e as melhores chamuças que já provei (e eu sou uma pessoa de chamuças, vão por mim!). Muitas entradas, é certo, mas como queríamos os camarões com côco e o Jesus não tinha os ingredientes necessários tivemos que nos entreter nas entradas enquanto ele, debaixo de resmunguice, foi comprar côco fresco para nos fazer a vontade. Assim, de propósito, como fazem os amigos que nos querem agradar. E a espera valeu a pena...





Créditos das fotos: Joana Freitas

Os camarões estavam divinais e a molhanga que ficou no resto da sertã que nos trouxe à mesa foi devidamente limpa pelos convivas com chapati porque pobre que é pobre rapa o tacho. E nós adoramos estas pelintrices!
Para terminar a melhor chamuça de chocolate que já comi na vida com um gelado de frutos vermelhos. Tudo regado a vinho branco fresquinho e a conversa acelerada, cumplicidades partilhadas e a certeza que esta foi uma verdadeira refeição abençoada: afinal, depois de nos servir, sentou-se ao nosso lado a comer. 
Sim, Jesus- o próprio- esteve no meio de nós! Namastê!


Conhecer o melhor restaurante goês de Lisboa, de Portugal, do Mundo, quiçá?!

Quem? Restaurante "Jesus é goês"
Onde? R. São José 23, 1150-352 Lisboa
Contacto: 21 154 5812
Saber mais? Aqui

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Querida Mónica...

A intervenção social faz-se de pontes, de gente que acredita nas vantagens de se articular, de trocar sinergias, do poder do trabalho em rede ao invés de de se criarem capelas e muros, quintais e biombos.

A intervenção social faz-se de pontos que se unem como nos grafismos que fazíamos quando éramos pequenas na expectativa de no final vermos formar, ponto a ponto, um desenho bonito feito pelas nossas próprias mãos. 

A intervenção social faz-se de gente que faz o bem sem olhar a quem, que faz porque fazer é sempre o melhor, que sabe as motivações que o movem e não precisa de se justificar. 

A intervenção social não se faz de vozes, velhos do Restelo, opiniões, alcoviteiras à janela, críticas, juízos de valor e mimimis de quem gosta de opinar de braços cruzados e rabo sentado na almofada do sofá: faz-se de mangas arregaçadas, de manhãs em que se acorda cedo e se investe tempo em pegar em rolos e tintas, em pedidos a marcas e parcerias em que não se fala de responsabilidade social mas se faz uso daquela coisa chamada consciência social. 

Faz-se de gente que concretiza.

A intervenção social faz-se porque existem pessoas como tu: que sonham, trabalham, concretizam e fazem acontecer.

De fazedores.

(Obrigada. Sempre obrigada.)

 

O Bairro do Amor e a ASBIHP parabenizam o Mini-Saia pelos seu 10º aniversário e agradecem às Tintas Barbot pelo essencial patrocínio e apoio e a todos os voluntários envolvidos e que juntos fazem, sempre, a diferença.

domingo, 26 de junho de 2016

100 Quadripolares que vale a pena conhecer # João (32)



"Para onde corres?"
"Corro sempre para um fim e por um fim.
Dizem os antropólogos que, se antigamente corríamos, ou era para caçar, ou era para evitar sermos caçados.
Eu, sou um corredor misto, ora fujo, de um medo, ora procuro, um objectivo."
João

quarta-feira, 15 de junho de 2016

O Mundo divide-se...

... entre as pessoas que preferem areia e as que preferem as rochas.



[Mámen: esta é para ti!]

Gabão? Eh lá!






"Olá Polo Norte. 
 Tarda mas não falha. 
 Podes juntar o Gabão à lista. 
 E resume-se a isto: plataformas, petróleo, calor, água quentinha, pé na areia e muita praia. Bisous.

Andreia Silva"

Conheça todos os países já quadripolarizados aqui.

terça-feira, 14 de junho de 2016

Sai uma Cuba quadripolarizada!


Granda beijinho, querida Ana!

  • Conheça todos os países já quadripolarizados aqui.

A PROVAR| Os waffles do David

Uma das coisas que mais gosto no caos das cidades, na impessoalidade e no anonimato colossais, são os pequenos segredos de quem lá vive: os bolos quentes que se vendem até altas horas num determinado bairro, o bar minúsculo e carismático escondido numa rua secundária ou a esplanada que só alguns nativos conhecem. 
Por isso, quando a Ana me falou dos melhores waffles do Mundo, confeccionados pelo David- um belga waffle-talentoso e ainda por cima giro- não tive como não ir experimentar. 
E foi assim, que numa das terças feiras em que a Waffles LX ocupa o espaço do Origami Hostel, ali no Intendente, lá estava na fila para provar e comprovar o que me afiançou a Ana: são, efectivamente, os melhores waffles do Mundo!
À primeira garfada do meu waffle com mousse de chocolate caseira e cobertura de calda de frutos do bosque apetecia-me cantar o hino da Bélgica. Soubesse eu o hino da Bélgica. Soubesse eu cantar. 
Estou ansiosa por provar o waffle com panna cotta caseira e ananás ou o de mousse de chocolate e côco ralado. 




Os waffles do Davis, às terças feiras, no Origami Hostel do Intendente eram o novo segredo mais bem guardado de Lisboa. Eram porque acabei de estragar tudo. Mas não o podia guardar: é um pecado não partilhar dicas destas.

  


Ora arrisquem em provar e logo me contam!

[Ô Belgique, ô mère chérie, À toi nos cœurs, à toi nos bras, À toi notre sang, ô Patrie ! Nous le jurons tous, tu vivras ! Tu vivras toujours grande et belle Et ton invincible unité Aura pour devise immortelle : Le Roi, la Loi, la Liberté ! Aura pour devise immortelle : Le Roi, la Loi, la Liberté ! Le Roi, la Loi, la Liberté ! Le Roi, la Loi, la Liberté !] 


  Descobrir os melhores waffles de Lisboa

O quê? Waffles caseiros da Waffles Lx
Quando? Às terças-feiras nos chamados "Waffledays", a partir das 18h
Onde? Origami Hostel, no Intendente, em Lisboa

quinta-feira, 9 de junho de 2016

"Vou a Cascais, o que é me aconselhas a fazer?"

Ver o nascer do Sol no Guincho. Tomar uma meia de leite e um mini-croissant açucarado uma mini-bola de Berlim recheada com doce de leite na Sacolinha ao pequeno almoço. Descobrir que a Cresmina é a melhor praia da linha. Ou que a de S.Pedro é a melhor para levar os filhos. Comer um croissant de gila no Gianni dentro do Jumbo. Visitar o Museu Paula Rego. Andar de BICas na ciclovia do Guincho. Espreitar a Dejà Lu na Cidadela de Cascaus. Comer Hot Dogs no Centro Comercial Riade. Comprar sapatos de criança na Sapataria Paulo no Centro Comercial Assunção. Passear no paredão de manhã entre Cascais e o Estoril. Ver uma partida de futebol enquanto se come um hamburguer especial no Piper's. Ir às termas no Estoril. Ir às compras de fruta e legumes aos sábados de manhã no mercado de Cascais. Conhecer o borboletário. Beber uma cerveja especial e levar toda a família ao Jardim da Cerveja numa noite com música latina tocada ao vivo. Alugar uma gaivota na praia da Conceição e pedalar muuuito. Comer lamujinhas no Camões. Descobrir o nome "cascalense" da praia das Avencas. Namorar ao pôr do sol na esplanada do Farol Design Hotel. Encontrar na Avenida Valbom a Comer um gelado Santini no Santini original ou, se a fila estiver assustadora, descobrir que a gelataria Tchipepa não lhe fica atrás. Alinha num baptismo de voo no Aeródromo de Tires. Levar os miúdos para jantar e fazerem a sua própria pizza no Mr. Pizza Cascais. Descobrir que a Garret no Estoril é a pastelaria mais charmosa do Mundo. Tropeçar no alfarrabista mais querido da vila na Avenida Valbom. Subir ao terraço da House of Wonders e descer ao restaurante vegetariano para jantar (é, provavelmente, o melhor restaurante da vila neste momento). Comprar espanta espíritos de conchas e búzios no passeio ao pé da Baía. Espreitar a Boca do Inferno. Fazer um picnic no Parque Marechal Carmona e tentar encontrar penas de pavão caídas na relva. Comer um muffin no Bulain. Visitar o Museu Condes Castro Guimarães. Ter pena do que fizeram à praia de Santa Marta. Lanchar uma tosta na esplanada do Bar do Guincho ou na esplanada da Pedro do Sal. Maravilhar-se com a beleza do Farol de Santa Marta. Descobrir a Quinta do Pisão. Descobrir, sem pistas de nativos, onde se esconde o Alcatruz. Jantar a Picanha e a batata recheada da Mercearia Vencedora. Apanhar sol na pequeníssima praia da Rainha. Tentar perceber, depois disto tudo, porque é que os cascalenses parecem mais felizes.
 
É porque, de facto, o são.

AGENDA QUADRIPOLAR| Zumba na caneca em Mira

 
Será já no próximo sábado que os vizinhos do Bairro do Amor moradores em Coimbra, Figueira da Foz e Aveiro se juntarão num evento divertido e solidário: uma aula de zumba solidária!
 
O ponto de encontro será pelas 15h45 no Pavilhão dos Bombeiros Voluntários de Mira e aula terá início às 16h. A entrada tem o custo de 3€ que reverterão integralmente para as acções do queridíssimo Bairro do Amor.
 
Encontramo-nos por lá?
 
Inscrições para coimbra@bairrodoamor.com

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Georgia on my Mind




"Querida Pólo,
Sou leitora quase diária do blog e adoro a cruzada quadripolar!
Este ano contribuí com a Geórgia e a Arménia!!! Espero que seja a primeira!
A primeira foto é do lago Sevan, na Arménia (destaque para as montanhas com neve lá atrás!) e a segunda é uma vista da capital da Geórgia, Tbilisi. Viajei um pouco por estes países, de norte a sul.
A viagem foi óptima e recomendo, as montanhas do Cáucaso são lindas mesmo!

Um grande beijinho,
Matilde"


Obrigada, querida Matilde! Graças ao teu duplo contributo, na Europa só nos restam, agora, 17 países por quadripolarizar! Yey!

  • Conheça todos os países já quadripolarizados aqui.

terça-feira, 7 de junho de 2016

Somos todos cidadãos do Mundo




Isto é bonito como tudo, caramba!

Queijo e vinho sobre a mesa

Já de pontos no queixo, o marido da minha amiga acorda no dia seguinte cheio de fome, depois de uma noite nas urgências à espera de ser cozido.

A minha amiga tira um café enquanto o observa a cortar queijo-ilha e, de repente, sangue por todo o lado:  pingas de sangue na bancada da cozinha, no chão e, evidentemente, no caminho entre a cozinha e a casa-de-banho.

Guardanapos primeiro, papel higiénico depois, compressas quando se percebe que a coisa está a ficar séria, toalha de mãos já na aflição.

Voltam ao hospital. Na triagem:

Enfermeira- "O senhor outra vez? Não esteve cá ontem à noite? Não me diga que se magoou novamente no vinho"

Marido da minha amiga. "Não, não: agora foi a cortar queijo..."

Enfermeira- "Só por causa das coisas, afaste-se da faca do presunto..."

...

...

...



[Vamos acabar este campeonato do deixar de fumar com mais pontos que o Sporting Benfica.]

Renato Seabra team


Tenho uma amiga cujo marido ia abrir uma garrafa de vinho tinto para o jantar e sacou da rolha com tanta pujança que bateu com o saca-rolhas no queixo e abriu um lenho enorme que não parava de sangrar.
Ora como o bacalhau à braz era bom, o marido da minha amiga, enquanto segurava o queixo embrulhado num guardanapo para estancar a ferida, acabou- tranquilamente- de jantar e mamou o vinho, com o argumento que a garrafa não se ia ficar a rir dele. ‪

...
...
...



[Vamos acabar este campeonato do deixar de fumar com mais pontos que o Sporting.]

sexta-feira, 3 de junho de 2016

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Conclusão actualizada acerca do périplo de mámen deixar de fumar

O Champix tem feito efeito e o homem está sem fumar desde dia 26 de Maio.





















O homem está com tão mau humor que quem anda com vontade de começar a fumar sou eu ...

Isto é bonito, caramba! (e tenho, finalmente, o pc arranjado!)



Sérgio Godinho actuou ontem, num festival, em Belgrado. Alunos sérvios, estudantes de Português surpreenderam-no assim. Isto é maravilhoso, caramba!

"Viemos com o peso do passado e da semente
Esperar tantos anos torna tudo mais urgente
e a sede de uma espera só se estanca na torrente
e a sede de uma espera só se estanca na torrente
Vivemos tantos anos a falar pela calada
Só se pode querer tudo quando não se teve nada
Só quer a vida cheia quem teve a vida parada
Só quer a vida cheia quem teve a vida parada
Só há liberdade a sério quando houver
A paz, o pão
habitação
saúde, educação
Só há liberdade a sério quando houver
Liberdade de mudar e decidir
quando pertencer ao povo o que o povo produzir
quando pertencer ao povo o que o povo produzir"

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Por falar em Champix...

- "Então como te sentes?"

. "Tirado cada vez que tiro o cigarro do maço ter um pequeno choque na zona temporal direita, assim que meto o cigarro à boca sinto uma ligeira dormência, a meio do cigarro tenha a boca a saber, literalmente, a lareira de tal forma que nem consigo terminar o cigarro. Tirando isso tudo, sinto-me bem". 

...

A culpa deve ser do Champix

"Estive a pensar que a nossa forma de fazer planos é não os fazermos. Nós fazemos planos só para termos algo para boicotar e fazermos tudo diferente, não é?"

Olha questões metafísicas logo pela manhã, ahn?!




(Tenho que ler os efeitos secundários do cabrão do Champix.)

terça-feira, 17 de maio de 2016

Vamos fazer-lhes a cama!



Neste momento está a acontecer uma coisa maravilhosa no Bairro do Amor. Temos um objectivo semestral comum: conseguir humanizar o espaço de uma instituição de acolhimento do Porto. 

Para isso vamos precisar de tintas (que a querida CIN tão gentilmente nos ofereceu com a intervenção da nossa vizinha Rosa Santos), camas e colchões (que já comprámos com o contributo de muitos vizinhos particulares a preço de custo à Colchãonet), almofadas (que estão a ser costuradas por um grupo de costureiras amadoras voluntárias do Bairro do Amor), tapetes de trapilho (que estão a ser tricotados em workshops de trapilho em Lisboa e no Porto por um conjunto de "vizinhas" empenhadas e generosas), candeeiros (magistralmente angariados pela vizinha Ana Santos),  ilustrações (doadas por cerca de 40 talentosos ilustradores voluntários) dentro de molduras (cujo valor de compra angariámos com as receitas das vendas da primeira banca do Bairro do Amor na Feira Sem Regras de Coimbra). 

Será uma espécie de "O Bairro mudou a casa" com muito trabalho voluntário na acção de humanização em si (a querida Marta Tex comandará as tropas nas pinturas e irá uma trupe de Lisboa para trabalhos a Norte) e na angariação de matérias primas e materiais, no fabrico de artigos e, nesta fase, na organização de acções que permitam a angariação de receitas para a compra do principal artigo que está em falta: as camas. 

As camas são muito importantes para nós. Estas meninas dormem em camas dos anos 70, algumas em maus estado, outras sem estrados e nós gostaríamos de lhes dar a oportunidade de dormirem em camas novas. A estrear. 

Ora, o valor total das camas (35) com a qualidade que é necessária para uma instituição que não se pode dar ao luxo de trocar de camas de 5 em 5 anos é alto. E agora voltamos ao início: neste momento está a acontecer uma coisa maravilhosa no Bairro do Amor. Vizinhos, amigos e simpatizantes de Norte a Sul do país uniram-se nesta tarefa comum.

Olha o belo do "jérrriiican"!

- "Temos que pôr gasolina!"

- "Bora!"

- "Ah, ainda aguenta, mas temos mesmo que pôr gasolina!"

- "Vamos já a esta bomba!"

- "Ah, metemos na próxima..."


- "Temos MESMO que...

... foda-se!"

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Aos meus benfiquistas: parabéns!



"Estou intrigado!.. Porque raio é que comecei a ver posts no FB de que o Benfica é campeão europeu de hóquei em patins com notas do tipo "mais Rennie para os lagartos"... Mas afinal estamos a falar de desporto ou de uma guerra civil? Na verdade para alguém que seja do Sporting e não seja doente mental era absolutamente indiferente quem ganhava!.. Eu não sou do Benfica nem da Oliveirense... Ganhar um ou outro não beneficiaria o Sporting... Então para mim é um não assunto!.. Agora logo já gostava que ganhasse o Nacional, porque isso beneficia a minha equipa... Ser contra por ser contra é estupido.."- dizia, com muita razão, o meu amigo Luis Quaresma no seu facebook. 

Passou-se o mesmo comigo durante o jogo de ontem. O meu Porto já era. Zero hipóteses. Portanto, ganhar o Benfica ou o Sporting não me traria a vitória para o Porto, dava-me o mesmo. E, de repente, começo a receber mensagens após a vitória do Benfica com questões retóricas estúpidas como "Então, muito aziada?". Aziada, eu? Nada disso. 
Mais, até estava a torcer pelo Benfica. Porque o meu clube é o Futebol Clube do Porto e não sou adepta de qualquer anti-clube, a não ser que esteja a jogar contra a minha equipa.
O meu avô do meu coração era do Benfica, a minha mãe é do Benfica, os meus tios são do Benfica e, finalmente, a minha filha é do Benfica. Tendo em conta que o meu Porto estava fora da luta pelo Campeonato não percebo porque razão acham que eu deveria estar aziada. Não estou.
E até acho bem-feita, não para os Sportinguistas, mas para o treinador que andou o campeonato todo com raivinha dos dentes. É bem feita porque o cão tem a mania que é espertalhão!
Parabéns ao Benfica! Vamos ver a coisa pelo lado positivo: são milhões de portugueses felizes a uma segunda-feira. Em que nem sequer é feriado. E gente feliz não cansa a beleza dos outros. 

Parabéns aos (meus) benfiquistas!*

*Mas para o ano o Porto vai ganhar tudo. E isto não é uma previsão do bruxo fajuto de Fafe: é minha mesmo.
Tende miaúfa, carago!

Obelix Vs Anavicks

"Sabes o que o Paulo sugeriu ontem? Que a Ana, depois de se bezuntar toda no Vicks, ficaria tipo Obelix"

"E vai ficar com super força? Ou vai ter outro super poder?!"

"Hummm, isso ele não disse..."

(silêncio)

"Hálito mega ultra fresco forever, não?"

...

...

...

domingo, 15 de maio de 2016

sábado, 14 de maio de 2016

Sabes que o Mundo gira no sentido certo quando...



... duas artesãs, supostamente com bancas "concorrentes" à banca do Bairro do Amor na Feira de Artesanato de Benavente, se abeiram da madrinha do distrito de Santarém para oferecerem, cada uma delas, uma peça para a Banca do Bairro!

O Mundo (ainda) é um lugar bom. 


[O Bairro do Amor estará hoje com uma banca solidária na Feira de Artesanato de Benavente. Apareçam para nos dar um beijinho!]
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...